Sem condições de apoiar?

Veja 5 formas de você ajudar a Aleteia

  1. Reze por nossa equipe e pelo êxito de nossa missão
  2. Fale sobre a Aleteia em sua paróquia
  3. Compartilhe os artigos da Aleteia com seus amigos e familiares
  4. Desative o bloqueio de publicidade quando nos visitar
  5. Inscreva-se para receber nosso boletim gratuito e leia-nos diariamente

Obrigado!
Redação da Aleteia

Receba o nosso boletim

Aleteia

Papa: sem o hábito do perdão, a família adoece e aos poucos desmorona

POPE FRANCIS;KNOCK SHRINE;MMWMOF
Ciro Fusco | Pool | AFP
Pope Francis lights a candelat the Knock Shrine, in Knock, County Mayo on August 26, 2018, during his visit to Ireland to attend the 2018 World Meeting of Families. / AFP PHOTO / POOL / Ciro FUSCO
Compartilhar

As crianças aprendem a perdoar quando percebem que os pais se perdoam mutuamente

Na noite de sábado, a grande Festa das Famílias reuniu no Croke Park Stadium quase 80 mil pessoas de 114 países. Momentos de muita emoção marcados por testemunhos, momentos de oração, danças ao som de músicas típicas irlandesas. Crianças, jovens, adultos, idosos compartilhando juntos a alegria de ser família.

As palavras do Santo Padre aos presentes foram de alegria, encorajamento e muita esperança. Um pronunciamento, interrompido diversas vezes por aplausos.

“Com o testemunho de vocês do Evangelho, vocês podem ajudar Deus a realizar seu sonho. Vocês podem contribuir para aproximar todos os filhos de Deus, para que cresçam na unidade e aprendam o que significa para o mundo inteiro viver em paz como uma grande família”.

Fazendo alguns acréscimos de improviso, o Papa pede que as crianças sejam batizadas ainda pequenas, porque uma criança assim, com o Espírito Santo, é mais forte.

Para ser verdadeiramente alegria para o mundo, nas famílias se deve poder encontrar Jesus,  sublinha o Papa. A família, como “farol”, deve de fato irradiar a alegria do amor de Deus no mundo, isto é, irradiar esse amor “através de pequenos gestos de bondade na rotina diária”.

Trata-se de ser aqueles “santos da porta ao lado” a quem o Papa frequentemente se refere. É algo que não precisa de “toques de trombeta”, mas está presente silenciosamente nos corações de todas aquelas famílias que oferecem “amor, perdão e misericórdia”.

“O matrimônio cristão e a vida familiar são entendidos em toda a sua beleza” se “ancorados no amor de Deus”, reitera. Pais e mães, filhos e netos, avós e avôs, e também sogras e noras: com a graça de Deus, pode-se entender e perdoar, mesmo que não seja fácil. Como para preparar um chá você precisa fazer uma infusão, assim é preciso tempo e paciência na família.

Em seu pronunciamento, o Papa responde aos diferentes testemunhos que foram feitos anteriormente. A família de Burkina Faso testemunhou a experiência do perdão. De fato, são precisamente os “pequenos e simples gestos de perdão, renovados a cada dia”, aquele fundamento sobre o qual se constrói “uma sólida vida familiar cristã”.

Muitas vezes – acrescenta – queremos fazer as pazes, mas não sabemos como. Ele então convida a repetir as três palavras-chave da família: “perdão”, “por favor” e “obrigado”.

E a paz deve ser feita antes de ir dormir, caso contrário, no dia seguinte, acontece a “guerra fria”. Francisco sem meio termo, portanto, apresenta a importância do perdão:

Não existe família perfeita; sem o hábito do perdão, a família adoece e aos poucos desmorona. Perdoar significa dar algo de si mesmo. De fato, as crianças aprendem a perdoar quando percebem que os pais se perdoam mutuamente.

Então o Papa se refere ao testemunho de Ted e Nisha, que junto com seus filhos vieram da Índia. No centro, a relação com as redes sociais que – diz Francisco – “podem ​​ser benéficas se usadas com moderação e prudência”, mas não devem se tornar uma ameaça à rede de relacionamentos autênticos, de carne e osso, aprisionando em uma “realidade virtual” como quando as pessoas da mesa ao invés de falarem umas com as outras, olham para o celular.

A história dessa família indiana pode, portanto, ajudar todas as famílias – observa o Papa – a questionar sobre a necessidade de reduzir o tempo gasto com esses meios tecnológicos e gastar mais tempo de qualidade na família e com Deus.

Do testemunho do casal iraquiano que se refugiou na Austrália, o Papa sugere que as famílias da sociedade gerem a paz “porque ensinam amor, aceitação e perdão”, que são os “melhores antídotos” contra a vingança. Como fizeram após a morte do pai Ganni, irmão de sua esposa, nas mãos de milicianos: eles viram concretamente que “o mal só pode ser combatido com o bem e o ódio superados apenas pelo perdão”.

Francisco, então, agradece o testemunho de amor e fé da família irlandesa, com dez filhos. “É lindo – diz o papa – ter dez filhos!” Os pais, quando meninos, acabaram no túnel de drogas, mas eles saíram:

“O amor de Cristo que renova todas as coisas é o que torna possível o casamento e um amor conjugal marcado pela fidelidade, indissolubilidade, unidade e abertura à vida. Isso é o que eu queria destacar no quarto capítulo da Amoris laetitia”.

E novamente a história de Aldo e Marissa. Casados há mais de 50 anos, eles vêm do Canadá e estão presentes junto com seus netos. A experiência deles diz ao Papa que “uma sociedade que não valoriza os avós é uma sociedade sem futuro”. E que “uma Igreja que não tem coração, a aliança entre gerações acabará carecendo daquilo que realmente importa, o amor”. Então precisamos conversar com os idosos.

O testemunho de Missy Collins, representante das famílias nômades irlandesas, que viveram  injustiças, recorda então que na mesa de Deus há espaço para todos e ninguém deve ser excluído.

“Sejam a esperança da Igreja e do mundo!”, conclui o Papa. Precisamente por este motivo lhes dei uma cópia de Amoris laetitia que –  recorda – “escrevi para ser uma espécie de guia para viver o Evangelho da família com alegria”.

Depois, um silêncio repleto de atenção cria o ambiente da Oração Oficial para este Encontro, que o Papa recita pedindo a Deus que proteja todas as famílias com seu amor.

(Vatican News)