Receba o boletim diário da Aleteia gratuitamente no seu email.
Receba diretamente no seu email os artigos da Aleteia.
Cadastrar-se

Sem condições de apoiar?

Veja 5 formas de você ajudar a Aleteia

  1. Reze por nossa equipe e pelo êxito de nossa missão
  2. Fale sobre a Aleteia em sua paróquia
  3. Compartilhe os artigos da Aleteia com seus amigos e familiares
  4. Desative o bloqueio de publicidade quando nos visitar
  5. Inscreva-se para receber nosso boletim gratuito e leia-nos diariamente

Obrigado!
Redação da Aleteia

Enviar

Aleteia

Pe. Zezinho e o “púlpito que dói”: a palavra de Deus não está presa a ideologias

Pe Zezinho com o Papa
Pe. Zezinho
Compartilhar

"Popularidade não deve ser o projeto número um de um padre. Coerência, coragem, verdade, sim!"

O pe. Zezinho compartilhou neste fim de semana, via página no Facebook, a seguinte reflexão sobre a cruz da incompreensão a que estão expostos os sacerdotes, religiosos, religiosas, catequistas e os católicos em geral ao falarem dos aspectos mais exigentes da doutrina de Cristo, que muitos prefeririam não ouvir:

*

O púlpito que dói!

JESUS E PAULO nem sempre agradaram no que disseram. Os evangelistas escrevem sobre debates e agressões contra Jesus por conta do que ele disse. Nem por isso eles se calaram.

SIGO os evangelhos e sei que qualquer pregador que quiser pregar a Doutrina de Jesus e dos apóstolos será contestado e até ofendido. Jesus morreu porque disse o que deveria ter dito!

Não fui ordenado para subir a um púlpito, apenas a ensinar a louvar e orar e passar pomada quando a vida dói para os nossos ouvintes.

Anunciar, denunciar, concordar, discordar, corrigir, orientar,falar de famílias, país e filhos, política, apoiar os pobres e trabalhadores, defender o pequeno empresário e colono e o homem do campo, semear convivência, refletir sobre nossos problemas sociais, dialogar com outras igrejas e com ateus também fazem parte da pregação de um padre católico.

Quando estudei para ser padre meus professores, bispos, os livros e as aulas diziam isto. Não queira ser odiado ou amado por todos. Isso jamais acontecerá porque os ouvintes já vêm com ideias prontas e convicções já formadas. Mas é preciso dialogar com todos. Jesus fez isso!

Não quero ser pregador popular aceito por todos. Não é possível. Quero repercutir a Doutrina da Igreja Católica. E se os bispos acharem que sou fiel a estas doutrinas é isto o que pregarei.

Se na internet alguém me censurar e me tentar calar e me disser nomes feios, opinarei e defenderei meus escritos e minhas falas. E, se for o caso, indicarei padres e páginas onde acharão quem lhes pregue do jeito que tais fiéis esperam ler ou ouvir…

Mas, como disse São Paulo do jeito dele: a palavra de Deus não está presa a grupos ou ideologias. O padre deve ser gentil, mas se for preciso, deve pregar: quer agrade, quer desagrade. Mas deve ensinar o que a Igreja manda que ele pregue.

Popularidade não deve ser o projeto número um de um padre. Coerência, coragem, verdade, sim!

____________

Pe. Zezinho, em sua página no Facebook

São leitores como você que contribuem para a missão da Aleteia

Desde o início de nossas atividades, em 2012, o número de leitores da Aleteia cresceu rapidamente em todo o mundo. Estamos comprometidos com a missão de fornecer artigos que enriquecem, informam e inspiram a vida católica. Por isso queremos que nossos artigos sejam acessados por todos. Mas, para isso, precisamos da sua ajuda. O jornalismo de qualidade tem um custo (maior do que o que a propaganda consegue cobrir). Leitores como você podem fazer uma grande diferença, doando apenas $ 3 por mês.