Receba o boletim diário da Aleteia gratuitamente no seu email.

Sem condições de apoiar?

Veja 5 formas de você ajudar a Aleteia

  1. Reze por nossa equipe e pelo êxito de nossa missão
  2. Fale sobre a Aleteia em sua paróquia
  3. Compartilhe os artigos da Aleteia com seus amigos e familiares
  4. Desative o bloqueio de publicidade quando nos visitar
  5. Inscreva-se para receber nosso boletim gratuito e leia-nos diariamente

Obrigado!
Redação da Aleteia

Enviar

Aleteia

Ninguém consegue ferir quem se aceita exatamente como é

Por lassedesignen/Shutterstock
Compartilhar

Aceite-se e liberte-se do que não faz falta alguma em sua vida

Quem se aceita exatamente como é não tenta agradar a todos, nem dá valor ao que os outros vão falar, vão pensar, vão fofocar, pois tem certeza de que é muito maior e melhor do que todo mal ao seu redor.

Quando somos crianças, desejamos ser aceitos por nossos pais, no seio de nossa família. Aliás, creio que esperamos a aprovação deles durante toda a nossa vida. Sempre que tomamos alguma decisão, voltamos os nossos olhos em sua direção, para que a concordância deles acalme o nosso coração.

Assim que chegamos à adolescência, queremos ser aceitos pelo grupo de amigos, mesmo quando este é formado por pessoas que não tenham nada a ver conosco. Não raro, somos atraídos por aqueles que são mais ousados e destemidos, ainda que seu comportamento seja indesejável, pois eles espelham tudo aquilo que queríamos fazer, mas não temos coragem. Daí o fascínio pelos mais rebeldes e transgressores.

Quando nos tornamos adultos, ansiamos pela correspondência amorosa de quem amamos, pois desejamos dar certo na vida a dois. No entanto, esse querer jamais poderá ultrapassar os limites de nossa dignidade; caso contrário, acabaremos enredados nas garras de pessoas manipuladoras, egoístas e que não sabem amar de fato. Porque carência alguma poderá nos sujeitar a aceitar qualquer tipo de companhia.

Na verdade, tornar-se adulto requer amadurecer, o que basicamente implica a aceitação de si mesmo. Temos que ter consciência de tudo aquilo que podemos ofertar, não aceitando retorno de menos. Sabermos com clareza quais são as nossas potencialidades e nossas limitações nos ajuda a mergulharmos nos encontros que valem a pena, onde o amor será sempre uma via de mão dupla.

Aceitar-se exatamente como se é liberta, apazigua as inseguranças e torna tudo mais fácil de se enfrentar. Quem se aceita para de tentar a agradar a todos, de tentar impressionar, de dar valor ao que os outros vão falar, vão pensar, vão fofocar. Quando nos aceitamos, temos, então, a certeza de que somos muito maiores do que todo o mal que nos rodeia. Aceite-se e liberte-se do que não faz falta alguma em sua vida. É assim, somente assim, que tem de ser. Nem mais.

(via Resiliência Mag)