Receba o boletim diário da Aleteia gratuitamente no seu email.

Sem condições de apoiar?

Veja 5 formas de você ajudar a Aleteia

  1. Reze por nossa equipe e pelo êxito de nossa missão
  2. Fale sobre a Aleteia em sua paróquia
  3. Compartilhe os artigos da Aleteia com seus amigos e familiares
  4. Desative o bloqueio de publicidade quando nos visitar
  5. Inscreva-se para receber nosso boletim gratuito e leia-nos diariamente

Obrigado!
Redação da Aleteia

Enviar

Aleteia

Caracas sofre segundo apagão em menos de 24 horas

VENEZUELA
Fotos Karola Dumas
Compartilhar

Os cortes de eletricidade são frequentes na Venezuela, especialmente nas províncias

Um apagão afetou nesta quinta-feira (30) um amplo setor do leste, centro e oeste de Caracas e arredores, o segundo em menos de 24 horas, que interrompeu o funcionamento de serviços como o metrô.

A interrupção, que durou 40 minutos, se estendeu a localidades vizinhas como La Guaira, onde fica o aeroporto de Maiquetía, que atende Caracas, onde moram seis milhões de pessoas.

Na quarta-feira, outro apagão afetou durante uma hora zonas do leste e do centro da cidade, e populações dos estados costeiros de Miranda e Vargas (norte).

A falha gerou caos na principal avenida do leste, onde centenas de pessoas tiveram que caminhar por causa do fechamento do metrô e da falta de ônibus, cuja frota está paralisada em 90% devido à escassez de peças de reposição, segundo o sindicato de transportes.

“É difícil de aguentar. Não é só um dia que passa, acontece consecutivamente e é difícil viver assim”, disse à AFP Willmer Delgado, técnico de futebol de 29 anos.

“Vai chegar um momento em que a Venezuela vai colapsar”, acrescentou Delgado, incrédulo diante do prometido êxito das medidas do governo para tirar o país da crise econômica, que leva à deterioração dos serviços públicos.

O ministro da Energia Elétrica, Luis Motta, disse que o apagão de quarta-feira ocorreu devido a uma “sabotagem” com o corte de um cabo na subestação de Santa Teresa (Miranda), apesar de estar militarizada.

Motta advertiu que os reparos causariam interrupções nesta quinta-feira.

As pessoas se aglomeraram em frente a bancos e supermercados, que fecharam devido ao apagão, para esperar que abrissem para tirar dinheiro ou comprar alimentos básicos, em grave escassez, assim como os medicamentos.

“Ontem sem luz, hoje sem luz, vamos ver o que vão fazer. A comida estraga na geladeira”, queixou-se Mireya Ravelo, enfermeira de 67 anos que caminhava em busca de transporte.

Os cortes de eletricidade são frequentes na Venezuela, especialmente nas províncias. Em estados como o petroleiro Zulia se aplica un racionamento que dura até 12 horas diárias.

Embora em Caracas sejam menos habituais, em 31 de julho uma falha deixou sem luz 90% da cidade, afetada por outras interrupções entre dezembro e fevereiro.

(AFP)