Receba o boletim diário da Aleteia gratuitamente no seu email.

Sem condições de apoiar?

Veja 5 formas de você ajudar a Aleteia

  1. Reze por nossa equipe e pelo êxito de nossa missão
  2. Fale sobre a Aleteia em sua paróquia
  3. Compartilhe os artigos da Aleteia com seus amigos e familiares
  4. Desative o bloqueio de publicidade quando nos visitar
  5. Inscreva-se para receber nosso boletim gratuito e leia-nos diariamente

Obrigado!
Redação da Aleteia

Enviar

Aleteia

Lições de maternidade de Nossa Senhora de Guadalupe

CHILD,OUR LADY OF GUADALUPE
Compartilhar

Há 500 anos, no início de uma manhã, um índio mexicano encontrou uma mulher no caminho de sua casa para a igreja

A maternidade não é fácil. Eu olho minha esposa com nossos filhos e fico simplesmente espantado. Ela os segura no colo por horas a fio, cura suas feridas e lê longos livros. Ela gentilmente acaricia a nuca do bebê enquanto ela o amamenta, perdida na maravilha dessa pequena vida em seus braços.

Vejo a beleza da maternidade, mas também o sofrimento. Como minha esposa absorve as lágrimas de nosso filho em seu ombro enquanto ele se recupera e se afasta para brincar na terra. Como eles exigem seu sono, paciência e presença física constante.

Ela é um coração suavemente batendo que suaviza a passagem do tempo, como se o batimento cardíaco fosse um remédio para afastar a realidade de que, eventualmente, as crianças irão crescer. Para os nossos filhos, essa noção nunca passou por sua mente, tão profundamente estão envoltos no manto de sua mãe. Vejo em tudo isso que até mesmo os sacrifícios da maternidade são lindos.

Tudo isso se reflete na maternidade de Maria, que inspira até mesmo pessoas não religiosas. E um dos mais belos eventos para ver esse tipo de maternidade em ação são os eventos estranhos e notáveis ​​que começaram em 9 de dezembro de 1531, quando um aldeão mexicano chamado Juan Diego caminhava de sua casa até a igreja perto do que agora é a Cidade do México.

Em uma colina chamada Tepeyac, uma mulher apareceu e falou com ele, descrevendo-se como a Mãe de Deus. Ao longo dos próximos dias, ela continuou a falar com Juan e a dar-lhe instruções. Suas palavras e ações revelam uma profundidade de visão sobre a natureza da maternidade e podemos tirar aulas atemporais delas…

A falha não significa que você é uma má mãe

Maria apareceu para Juan Diego por um motivo. Ela queria construir uma igreja, então o enviou para o bispo local para obter seu apoio. Juan vai, conta sua história ao bispo e pede uma nova igreja, mas o bispo diz que não. Decepcionado, Juan retorna, admite fracasso e afirma que não pode fazê-lo, porque ele é apenas uma “besta de carga”. Ele implora que não o envie novamente. Maria aceita a falha e manda-o novamente. O bispo quer um sinal – a imagem milagrosa da senhora, chamada Nossa Senhora de Guadalupe, aparece misteriosamente no manto de Juan. E com isso, Juan e Maria conseguem. Milhões de pessoas visitam até hoje a Catedral na Cidade do México para contemplar a incrível imagem, que intriga cientistas até hoje.

Quando eu era criança, minha mãe me dizia para não fazer certas coisas. Eu acenava com a cabeça concordando, e então… imediatamente fazia aquilo. Eu sempre me arrependia mais tarde, mas minha mãe sempre viu o fracasso como uma oportunidade para eu crescer e, eventualmente, entender o que é certo. As crianças cometem erros e lutam com o crescimento. Uma mãe não pode remover esses obstáculos, mas ela fornece um suporte muito mais valioso – um amor firme.

A maternidade vai além de seus próprios filhos

Maria diz a Juan: “Eu sou… Mãe de todos vocês que vivem unidos nesta terra e de toda a humanidade”. Ela não quer ser apenas a mãe de Juan. Ela quer ser a mãe de todos. Eventualmente, ela realmente muda o curso de uma cultura inteira e, até hoje, é amada no México e em todo o mundo.

As mães são influentes muito além de seus próprios filhos. Por exemplo, lembro-me de que as mães de meus amigos também cuidavam de mim. Elas levavam biscoitos de chocolate para todos nós, levavam a gente para praticar basquete e me repreendiam quando era necessário. Hoje, como adulto e sacerdote (casado), há uma mulher que atua como uma mãe espiritual para mim e reza ferozmente em meu nome.

A maternidade é um presente abrangente, e isso não acaba quando as crianças saem de casa.

Maternidade significa sofrer

Maria diz a Juan que na nova igreja ela fará uma casa, dizendo: “Lá vou ouvir o seu clamor, a sua tristeza, de modo a conter todas as suas diferentes dores, suas misérias e tristeza, para remediar e aliviar seus sofrimentos”. Seu plano é consolar seus filhos, pegar suas preocupações, misérias e lutas e torná-las dela própria.

A maternidade é alegre, mas também triste, porque as mães sentem a dor de seus filhos como se fossem suas. A dor, no entanto, é um sinal de que o vínculo do amor é inquebrável e na partilha há uma oportunidade genuína para desabafar e curar.

As mães são genuínas

Deborah McNamara, em Motherhood as Spiritual Art, escreve sobre o significado de Nossa Senhora de Guadalupe e diz: “Para mim isso significa ser real. Para mostrar-se em meio ao caos (ou não) e manter o terreno do amor e da compaixão, mesmo quando não parece ‘perfeito’”.

Maria esteve presente para o povo mexicano em um período bagunçado e desastroso em sua história que foi marcada pela conquista espanhola e pela mudança de velhos rituais de sacrifício humano. Após sua aparição, toda a nação foi convertida e mudou de curso. As mães também estão presentes aos filhos, mesmo quando a vida não é perfeita. Elas são testemunhas do poder da perseverança gentil, do perdão e do encorajamento positivo como poderosas forças que podem afetar não só seus próprios filhos, mas também o mundo inteiro.