Aleteia logoAleteia logo
Aleteia
Sexta-feira 15 Janeiro |
Santo Arnoldo Janssen
home iconAtualidade
line break icon

Missão de Direitos Humanos da ONU deixa a Nicarágua

NICARAGUA

Julio Vannini-(CC BY-NC 2.0)

Agências de Notícias - publicado em 02/09/18

A missão, liderada por Guillermo Fernández, viajou rumo ao Panamá depois que Manágua ordenou sua saída

A Missão do Alto Comissariado dos Direitos Humanos da ONU abandonou neste sábado a Nicarágua, após uma ordem do governo de Daniel Ortega, irritado com um relatório do organismo sobre a repressão no país.

A missão, liderada por Guillermo Fernández, viajou rumo ao Panamá depois que Manágua ordenou sua saída.

“A @OACNUDH agradece as mensagens de apoio recebidas pelo trabalho desenvolvido na Nicarágua”, escreveu a missão no Twitter.

A decisão do governo aconteceu dois dias depois do organismo ter divulgado um relatório contundente sobre a repressão aos manifestantes contrários ao governo, algo que Ortega considerou uma “extralimitação” das competências do Alto Comissariado.

Em uma carta, a Chancelaria da Nicarágua afirma que “considerando que acabaram as razões, causas e condições que deram origem a tal convite (à missão da ONU), este ministério comunica que dá por concluído o convite e finalizada a visita a partir de hoje, 30 de agosto de 2018”.

O documento do ministério das Relações Exteriores tem data de quinta-feira, mas só foi divulgado um dia depois.

Desde o início dos protestos em abril, a violência deixou mais de 320 mortos, 2.000 feridos, uma quantidade não revelada de detidos e desaparecidos, assim como milhares de pessoas que fugiram para a Costa Rica.

O representante da missão da ONU, Guillermo Fernández Maldonado, foi chamado à Chancelaria para uma reunião com o ministro Denis Moncada, em um ambiente tenso e cheio de protocolo, de acordo com uma imagem exibida sem áudio pelo estatal Canal 6 de televisão.

A missão chegou à Nicarágua em 24 de junho e “comunicou ao governo a saída desta equipe (de quatro membros) em 1º de setembro”, disse Fernández em coletiva de imprensa.

O funcionário se mostrou surpreso com a reação do governo: “não esperávamos que houvesse uma decisão neste sentido”.

A Aliança Cívica (estudiantes, empresários e membros da sociedade civil), contraparte do governo no estagnado diálogo com mediação da Igreja Católica, criticou “energicamente a saída forçada da ONU” e afirmou que “as causas e condições” para sua presença no país “seguem vigentes”.

O organismo da ONU anunciou em uma nota à imprensa que “continuará o seu trabalho” de monitorar e informar sobre a situação de direitos humanos na Nicarágua “de maneira remota”, conforme o seu mandato conferido pela Assembleia-Geral da ONU.

Também indica que continuará apoiando as vítimas e os familiares enquanto “reitera a sua disposição” de apoiar as autoridades para que a Nicarágua cumpra as suas obrigações internacionais de direitos humanos.

A decisão do governo foi acompanhada de um ambiente de intimidação nas proximidades da sede da ONU em Manágua, onde foram mobilizados grupos de simpatizantes do governo com música de protesto e a explosão de potentes bombas artesanais.

De acordo com o governo, o convite à missão da ONU tinha como objetivo acompanhar o desmantelamento dos bloqueios de estradas mantidos pelos manifestantes contra o governo até julho, quando o regime os eliminou com uma violenta campanha denominada “operação limpeza”.

O Conselho de Segurança da ONU analisará a crise da Nicarágua em 5 de setembro, segundo Fernández.

Durante a semana, o Alto Comissário para os Direitos Humanos da ONU pediu à comunidade internacional que adote medidas para frear a crise na Nicarágua, que vive um “clima de medo” após meses de violenta repressão às manifestações da oposição.

“A repressão e as represálias contra os manifestantes prosseguem na Nicarágua, enquanto o mundo olha para o outro lado”, afirmou Zeid Ra’ad Al Hussein em um comunicado divulgado por ocasião da publicação do relatório do organismo.

“A violência e a impunidade dos últimos quatro meses demonstraram a fragilidade das instituições do país e do Estado de direito, o que gerou um contexto de medo e desconfiança”, completou.

Entre as violações dos direitos humanos documentadas em um relatório do Alto Comissariado estão o “uso desproporcional da força por parte da polícia, que em alguns casos terminaram em execuções extrajudiciais, os desaparecimentos forçados, as prisões arbitrárias e generalizadas, as torturas e os maus-tratos”.

(AFP)

Apoiar a Aleteia

Se você está lendo este artigo, é exatamente graças a sua generosidade e a de muitas outras pessoas como você, que tornam possível o projeto de evangelização da Aleteia. Aqui estão alguns números:

  • 20 milhões de usuários no mundo leem a Aleteia.org todos os meses.
  • A Aleteia é publicada em 8 idiomas: Português, Francês, Inglês, Árabe, Italiano, Espanhol, Polonês e Esloveno.
  • Todo mês, nossos leitores acessam mais de 50 milhões de páginas na Aleteia.
  • 4 milhões de pessoas seguem a Aleteia nas redes sociais.
  • A cada mês, nós publicamos 2.450 artigos e cerca de 40 vídeos.
  • Todo esse trabalho é realizado por 60 pessoas que trabalham em tempo integral, além de aproximadamente 400 outros colaboradores (articulistas, jornalistas, tradutores, fotógrafos…).

Como você pode imaginar, por trás desses números há um grande esforço. Precisamos do seu apoio para que possamos continuar oferecendo este serviço de evangelização a todos, independentemente de onde eles moram ou do quanto possam pagar.

Apoie Aleteia a partir de apenas $ 1 - leva apenas um minuto. Obrigado!

Oração do dia
Festividade do dia





Top 10
Aleteia Brasil
Na íntegra: as três partes do Segredo de Fáti...
UNPLANNED
Jaime Septién
Filme contra o aborto arrasa nas bilheterias ...
BABY BAPTISM
Padre Reginaldo Manzotti
Por que é tão importante batizar uma criança?
Deserto de Negev
Francisco Vêneto
Pedra de 1.400 anos com inscrição mariana é e...
KRZYŻYK NA CZOLE
Beatriz Camargo
60 nomes de bebês que carregam mensagens pode...
Reportagem local
Papa Francisco: cuidado com os cristãos que s...
POPE JOHN PAUL II
Philip Kosloski
"Não tenhais medo": a frase mais usada por Sã...
Ver mais
Boletim
Receba Aleteia todo dia