Sem condições de apoiar?

Veja 5 formas de você ajudar a Aleteia

  1. Reze por nossa equipe e pelo êxito de nossa missão
  2. Fale sobre a Aleteia em sua paróquia
  3. Compartilhe os artigos da Aleteia com seus amigos e familiares
  4. Desative o bloqueio de publicidade quando nos visitar
  5. Inscreva-se para receber nosso boletim gratuito e leia-nos diariamente

Obrigado!
Redação da Aleteia

Receba o nosso boletim

Receba o boletim diário da Aleteia gratuitamente no seu email.
Aleteia

Moradores bloqueiam pontos estratégicos em província iraquiana rica em petróleo

Monastery of the Martyrs Mar Behnam and Marth Sarah
Compartilhar

O Iraque assinou recentemente um protocolo de acordo com a empresa americana Orion Gas Processors

Centenas de manifestantes bloquearam neste domingo vários pontos estratégicos em Basra, província do Iraque rica em petróleo e que é o berço de um movimento de revolta social.

Dezenas de manifestantes impedem a passagem na estrada que vai até o poço de petróleo de Ben Omar, que produz mais de 40.000 barris por dia.

O Iraque assinou recentemente um protocolo de acordo com a empresa americana Orion Gas Processors para a extração e tratamento do gás e petróleo nesta unidade, pela qual também estão interessadas outras empresas, como a americana Exxon ou grupos chineses.

Dezenas de manifestantes também bloquearam outras estradas. Na zona leste cortaram uma rodovia que é caminho para poços de petróleo e ao posto de fronteira de Chalamcha, perto do Irã. Na zona oeste bloquearam a estrada que leva a Bagdá, com pneus queimados.

Muitos habitantes do Iraque, especialmente na província de Basra, consideram que o lucro obtido com a venda do petróleo não é dividido de forma justa e denunciam os elevados níveis de desemprego em uma região na qual as empresas petrolíferas empregam sobretudo estrangeiros.

No início de julho, Basra foi cenário de uma onda de protestos para exigir serviços públicos de melhor qualidade.

Há três semanas, a província de Basra também é afetada por uma grave crise de saúde e 20.000 pessoas foram internadas depois de beber água contaminada.

(AFP)