Aleteia logoAleteia logo
Aleteia
Quarta-feira 27 Outubro |
Beato Bartolomeu de Vicenza
Aleteia logo
home iconAtualidade
line break icon

“Sem Fronteiras”, a casa onde vivem 200 imigrantes venezuelanos em Lima

VENEZUELANS

Carlos Rodríguez-ANDES-(CC BY-SA 2.0)

Agências de Notícias - publicado em 02/09/18 - atualizado em 02/09/18

Três bebês nasceram neste imóvel de dois andares na rua Los Olmos

Katerin Lara mora em uma casa compartilhada com 200 imigrantes venezuelanos em um humilde bairro de Lima, onde precisa fazer fila para usar o banheiro ou lavar suas roupas, mas se sente sortuda.

“Eu literalmente agradeço a Deus por ter chegado aqui”, declarou à AFP a jovem de 24 anos, sentada na cama de baixo de um dos 40 beliches da casa.

“Eu escolhi o Peru porque há mais possibilidades de trabalho se você for legalizado. Na Colômbia eles o ajudam, mas não há emprego”, diz Lara, que está com sua filha de 6 anos há 20 dias neste albergue, aberto por um empresário peruano que viveu a dura experiência de ser imigrante no Japão e na Coreia do Sul nos anos 1990.

“Cheguei com meu filho, trabalhei como ajudante de cozinha, mas agora estou sem trabalho porque nos pedem documentos”, diz María López, que era professora de uma universidade no estado de Zulia.

Três bebês nasceram neste imóvel de dois andares na rua Los Olmos, no populoso distrito de San Juan de Lurigancho, em Lima, e foram atendidos em um hospital público nas proximidades.

A casa de 200 metros quadrados, onde se escuta salsa ou música llanera durante todo o dia, foi alugada e colocada a serviço dos imigrantes venezuelanos pelo empresário têxtil René Cobeña.

“Somos como uma grande família”, diz Cobeña, de 51 anos, casado e pai de dois filhos.

“Batizei o albergue de ‘Sem Fronteiras’ porque a fome não tem bandeira”, acrescenta.

Um ano atrás, René Cobeña começou a ajudar oito imigrantes venezuelanos em uma casa alugada, que agora, convertida em abrigo, acolhe 200 pessoas, incluindo 30 crianças. Por ela já passaram 1.700 pessoas que fugiram da crise na Venezuela.

A casa, em cuja fachada foi pintada uma bandeira venezuelana, tem três quartos, dois banheiros, uma cozinha, uma sala de estar e um pátio com toldo.

Como os 40 beliches não são suficientes, dezenas dormem em colchões no chão, mesmo no quintal.

“Aqui nós os colocamos juntos, antes dormia um por colchão, agora duas ou mais pessoas dormem em um”, explica Cobeña, afirmando que sempre há espaço para receber um venezuelano. Na verdade, “todo dia” chega um novo.

“Não cobramos um centavo por isso aqui. A única coisa que pedimos é colaboração na limpeza”, diz o samaritano.

Cobeña estabeleceu um regulamento, que proíbe fumar, beber álcool ou brigar, e estabelece uma estadia máxima de um mês.

A procura aumentou depois que o governo peruano anunciou há duas semanas que passaria a exigir passaporte aos venezuelanos, conta Mauricio Duque, que foi administrador e médico do albergue sem receber salário, depois de abandonar a carreira de medicina na Venezuela.

Muitos imigrantes saem para ganhar a vida em todos os tipos de ofícios, formal ou informal.

A princípio, Cobeña lhes dava um prato de comida por dia, mas graças a doações de amigos, empresários e peruanos emigrados, agora lhes oferece café da manhã, almoço e jantar. O cardápio de sexta-feira foi carne cozida com arroz.

O cozinheiro é o venezuelano Brean Villegas, de 22 anos, que não liga para o apelo do presidente Nicolás Maduro para que os emigrantes pararem de lavar “pocetas” (banheiros) e retornem à Venezuela.

“Todo o trabalho é digno. O ruim seria roubar. Se houver uma oportunidade de lavar banheiros, eu faria isso”, disse à AFP.

O empresário Cobeña, que não recebe apoio do governo ou de organizações privadas, acaba de pedir ajuda da agência de refugiados da ONU, mas manterá o abrigo mesmo que não consiga.

(AFP)

Apoiar a Aleteia

Se você está lendo este artigo, é exatamente graças a sua generosidade e a de muitas outras pessoas como você, que tornam possível o projeto de evangelização da Aleteia. Aqui estão alguns números:

  • 20 milhões de usuários no mundo leem a Aleteia.org todos os meses.
  • Aleteia é publicada diariamente em sete idiomas: inglês, francês,  italiano, espanhol, português, polonês e esloveno
  • Todo mês, nossos leitores acessam mais de 50 milhões de páginas na Aleteia.
  • 4 milhões de pessoas seguem a Aleteia nas redes sociais.
  • A cada mês, nós publicamos 2.450 artigos e cerca de 40 vídeos.
  • Todo esse trabalho é realizado por 60 pessoas que trabalham em tempo integral, além de aproximadamente 400 outros colaboradores (articulistas, jornalistas, tradutores, fotógrafos…).

Como você pode imaginar, por trás desses números há um grande esforço. Precisamos do seu apoio para que possamos continuar oferecendo este serviço de evangelização a todos, independentemente de onde eles moram ou do quanto possam pagar.

Apoie Aleteia a partir de apenas $ 1 - leva apenas um minuto. Obrigado!

Oração do dia
Festividade do dia





Top 10
1
SANDRA SABATTINI
Francisco Vêneto
Primeira noiva em processo de canonização na história foi beatifi...
2
EUCHARIST
Reportagem local
O que fazer se a hóstia cair no chão durante a Missa?
3
Papa Francisco
Francisco Vêneto
Papa Francisco: “Tenho medo dos diabos educados”
4
Pe. Jonas Magno de Oliveira e sua mãe
Francisco Vêneto
Mãe de padre brasileiro se torna freira na mesma família religios...
5
Transplante de rins
Francisco Vêneto
Transplante de rim de porco em humanos: a Igreja tem alguma objeç...
6
As irmãs biológicas que se tornaram freiras no instituto Iesu Communio
Francisco Vêneto
As cinco irmãs biológicas que se tornaram freiras em apenas 2 ano...
7
BENEDICT XVI
Marzena Wilkanowicz-Devoud
A arte de morrer bem, segundo Bento XVI
Ver mais
Boletim
Receba Aleteia todo dia