Aleteia logoAleteia logo
Aleteia
Quinta-feira 21 Outubro |
São Bertoldo de Parma 
Aleteia logo
home iconAtualidade
line break icon

Uma frágil Argentina bate novamente às portas do FMI

OLYMPICS

buenosaires.gob.ar

Agências de Notícias - publicado em 02/09/18 - atualizado em 02/09/18

A incerteza aterroriza os argentinos, em um cenário de inflação de quase 20% em julho

O ministro da Economia da Argentina, Nicolás Dujovne, viajará na segunda-feira Washington para definir os termos de uma nova ajuda do Fundo Monetário Internacional (FMI) após uma semana de frenética corrida contra o peso, que demonstrou a fragilidade econômica e política do país.

A crise cambial iniciada em abril atingiu o clímax na semana passada, quando o peso registrou desvalorização de 20% em relação ao dólar em dois dias, antes de conseguir uma recuperação tímida na sexta-feira após um aumento a 60% das taxas de juros e de vendas milionárias do Banco Central, sob a expectativa de anúncios na próxima semana.

“A confiança dos investidores na Argentina ainda é frágil”, adverte um documento da Capital Economics.

Em seu relatório semanal a empresa de consultoria internacional destaca que “existe um notório risco de que o governo fracasse em apresentar um plano de austeridade convincente” na segunda-feira, quando são aguardados anúncios de Dujovne antes da viagem para Washington.

“Isto seria um risco evidente para uma queda ainda maior do peso”, adverte.

A moeda desabou depois do anúncio de quarta-feira do presidente Mauricio Macri, em rede nacional, de que havia solicitado uma antecipação da ajuda do FMI.

A resposta dos mercados expôs a magnitude da crise de confiança no governo e em sua capacidade de pagar as dívidas com a possibilidade de uma nova recessão, citada pelos analistas.

A incerteza aterroriza os argentinos, em um cenário de inflação de quase 20% em julho e uma desvalorização acumulada da moeda de 50% desde janeiro.

Para apaziguar os mercados, Macri pediu ao FMI que antecipe “todos os fundos necessários” do acordo de 50 bilhões de dólares a três anos anunciado em junho.

Ele espera assim cobrir as necessidades financeiras de 2019, quando termina seu mandato.

Após o anúncio do presidente, a corrida cambial se aprofundou e a moeda argentina chegou a ser vendida a 41 por dólar na quinta-feira.

“Foi um passo em falso de Macri”, afirma o sociólogo Marcos Novaro, que prevê mudanças no ministério após as turbulências financeiras.

A Argentina se comprometeu em junho com o FMI a reduzir o déficit a 1,3% em 2019, mas a imprensa local especula sobre um ajuste mais drástico para reduzi-lo a 0,4% no próximo ano.

Desde que assumiu o poder em dezembro de 2015, o governo de centro-direita de Macri adotou um drástico corte de gastos do Estado, com o fim de subsídios, demissões e congelamento de contratações na administração pública, entre outras medidas de ajuste fiscal.

Mas também beneficiou com um corte de impostos as exportações agrícolas, medida que a emergência colocou em revisão.

Na terça-feira, Dujovne deve apresentar à diretora do FMI, Christine Lagarde, os detalhes do novo compromisso que a Argentina assume em troca da aceleração dos pagamentos. Desde junho, o país já recebeu 15 bilhões de dólares e na semana passada outros 3 bilhões.

“Mas não está claro se será suficiente para estabilizar as finanças”, afirma o analista do Deutsche Bank, Jim Reid.

A crise cambial levou o risco do país a quase 800 pontos, o segundo maior da região, atrás apenas da Venezuela.

– Extenuados –

A histeria cambial e seus efeitos nos preços deixaram extenuados os argentinos, que lembraram os traumas da crise econômica de 2001.

Embora as condições financeiras sejam muito diferentes, o medo dos argentinos é similar e o pessimismo sobre o futuro da economia aumenta

A CGT, principal central sindical do país, convocou uma greve geral para 25 de setembro para exibir uma mudança de rumo econômico.

O aumento dos preços dos alimentos, transportes, serviços básicos e educação se une ao temor da perda de emprego, um medo que afeta 50% dos trabalhadores, segundo uma pesquisa do Centro de Estudos do Trabalho e Desenvolvimento (CETyD).

(AFP)

Apoiar a Aleteia

Se você está lendo este artigo, é exatamente graças a sua generosidade e a de muitas outras pessoas como você, que tornam possível o projeto de evangelização da Aleteia. Aqui estão alguns números:

  • 20 milhões de usuários no mundo leem a Aleteia.org todos os meses.
  • Aleteia é publicada diariamente em sete idiomas: inglês, francês,  italiano, espanhol, português, polonês e esloveno
  • Todo mês, nossos leitores acessam mais de 50 milhões de páginas na Aleteia.
  • 4 milhões de pessoas seguem a Aleteia nas redes sociais.
  • A cada mês, nós publicamos 2.450 artigos e cerca de 40 vídeos.
  • Todo esse trabalho é realizado por 60 pessoas que trabalham em tempo integral, além de aproximadamente 400 outros colaboradores (articulistas, jornalistas, tradutores, fotógrafos…).

Como você pode imaginar, por trás desses números há um grande esforço. Precisamos do seu apoio para que possamos continuar oferecendo este serviço de evangelização a todos, independentemente de onde eles moram ou do quanto possam pagar.

Apoie Aleteia a partir de apenas $ 1 - leva apenas um minuto. Obrigado!

Oração do dia
Festividade do dia





Top 10
1
VENEZUELA
Ramón Antonio Pérez
Quando a vida surge do abuso atroz a uma jovem deficiente
2
Reportagem local
A bela lição que este menino deu a todos ao se aproximar do Papa
3
Casal brasileiro com 8 filhos espera gêmeos
Francisco Vêneto
Jovem casal brasileiro com 8 filhos espera gêmeos: “cada um vale ...
4
Pe. Zezinho
Reportagem local
Pe. Zezinho faz alerta sobre orações de cura e libertação
5
Carlo Acutis
Gelsomino Del Guercio
“Ele fechou os olhos sorrindo”: foi assim que Carlo Acutis morreu
6
São José
Francisco Vêneto
Padre irmão de piloto de avião partido em dois: “São José tem mui...
7
morning
Philip Kosloski
Uma oração da manhã fácil de memorizar
Ver mais
Boletim
Receba Aleteia todo dia