Aleteia logoAleteia logo
Aleteia
Sábado 24 Julho |
home iconEspiritualidade
line break icon

O mistério escondido no silêncio

LAKE OF DER-CHANTECOQ IN FRANCE

By Instantvise | shutterstock

Franciscanos.org - publicado em 05/09/18

"O silêncio não consiste apenas em ausência de barulho. Quase esquecemos isto"

Sabemos perfeitamente que toda sorte de silêncio não pode ser saudada com entusiasmo. Há mutismos hediondos e silêncios mortais. É certo, no entanto, que precisamos redescobrir os mistérios do silêncio.

A editora Albin Michel, de Paris, publicou um texto provocativo sobre o silêncio através da história. Transcrevemos aqui o prólogo do texto, o prelúdio, como escreve o seu autor. Esta página de abertura do livro serve para nosso começo de conversa.

O silêncio não consiste apenas em ausência de barulho. Quase esquecemos isto. Pontos de referência auditivos foram se desnaturando, enfraquecendo, dessacralizando. O medo e até mesmo o horror pelo silêncio foram se intensificando. No passado, os homens do Ocidente degustavam a profundidade e os sabores do silêncio. Consideravam-no como condição para o recolhimento, escuta de si, meditação, oração, sonho, criação, de modo todo particular como lugar interior de onde brota a palavra. Enumeravam suas características sociais. A pintura era para eles palavra de silêncio. A intimidade dos lugares, de modo especial a do quarto e dos objetos de cada um, como da casa era toda tecida de silêncio. Depois do advento da alma sensível no século XVIII, os homens, inspirados pelo código do sublime, apreciavam os mil silêncios do deserto e sabiam percebê-los no alto de uma montanha, à beira mar ou nas paragens do interior. O silêncio testemunhava a intensidade do encontro amoroso e parecia mesmo a condição para a fusão. Era presságio da duração dos sentimentos. A vida do doente, a proximidade da morte, a presença diante de um túmulo suscitavam uma gama de silêncios que em nossos dias nada mais do que remanescências e resíduos. Como melhor experimentar tal coisa senão mergulhando em citações de muitos autores, efetuando assim uma verdadeira pesquisa estética? As citações de autores permitem ao leitor sentir como no passado se encarava o silêncio. Nos tempos modernos ficou difícil fazer silêncio o que, inegavelmente nos impede de ouvir a palavra interior que acalma e apazigua. A sociedade insta a que as pessoas deem sua anuência ao barulho para sentir-se parte integrante do todo em vez de se colocar à escuta de si. Desta maneira acha-se modificada a própria estrutura do indivíduo. Seguramente, alguns andarilhos solitários, artistas e escritores, praticantes da meditação, homens e mulheres retirados em mosteiros, aqueles que ocasionalmente visitam túmulos e mausoléus e, sobretudo os enamorados que se olham e se calam estão em busca do silêncio e permanecem sensíveis às suas texturas. Eles, no entanto, são como viajantes que naufragaram numa ilha, em breve deserta, cujas margens vão sendo corroídas. O problema maior não consiste, como se poderia pensar, na acentuação da intensidade da grande balbúrdia no espaço urbano. Graças à ação de militantes, ambientalistas, ecologistas, legisladores, higienistas, técnicos que analisam os decibéis, o barulho das cidades que se tornou outro não é sem dúvida mais ensurdecedor do que no século XIX. O essencial da inovação consiste na hipermediatização, na permanente conexão, no incessante fluxo de palavras que se impõem ao indivíduo e que o levam a temer o silêncio. A evocação, neste livro, do silêncio passado, do modo como era buscado, suas texturas, disciplinas e táticas, a riqueza e a força de sua palavra, pode contribuir par a reaprender a fazer silêncio, em outras palavras, fazer com que o indivíduo seja ele mesmo. Alain CorbinHistoire du silence – De la Renaissance à nos jours Albin Michel, Paris, 2016, p. 9 a 12

____________

Publicado pelo frei Almir Ribeiro Guimarães, OFM, em Franciscanos.org.br

Tags:
silencio
Apoiar a Aleteia

Se você está lendo este artigo, é exatamente graças a sua generosidade e a de muitas outras pessoas como você, que tornam possível o projeto de evangelização da Aleteia. Aqui estão alguns números:

  • 20 milhões de usuários no mundo leem a Aleteia.org todos os meses.
  • Aleteia é publicada diariamente em sete idiomas: inglês, francês,  italiano, espanhol, português, polonês e esloveno
  • Todo mês, nossos leitores acessam mais de 50 milhões de páginas na Aleteia.
  • 4 milhões de pessoas seguem a Aleteia nas redes sociais.
  • A cada mês, nós publicamos 2.450 artigos e cerca de 40 vídeos.
  • Todo esse trabalho é realizado por 60 pessoas que trabalham em tempo integral, além de aproximadamente 400 outros colaboradores (articulistas, jornalistas, tradutores, fotógrafos…).

Como você pode imaginar, por trás desses números há um grande esforço. Precisamos do seu apoio para que possamos continuar oferecendo este serviço de evangelização a todos, independentemente de onde eles moram ou do quanto possam pagar.

Apoie Aleteia a partir de apenas $ 1 - leva apenas um minuto. Obrigado!

Top 10
1
Reportagem local
A arrepiante oração de uma mulher no corredor da morte por ser ca...
2
CROSS;
Reportagem local
O que significa o sinal da cruz feito sobre a testa, os lábios e ...
3
Aleteia Brasil
Sorrisão e joelhos: 2 pais brasileiros e seus bebês que emocionar...
4
Papa Francisco
Reportagem local
Papa: como não culpar Deus diante da morte de um ente querido
5
Atriz Claudia Rodrigues
Reportagem local
Assessora pede orações por atriz Claudia Rodrigues: “está m...
6
PADRE PIO
Philip Kosloski
A oração que Padre Pio fazia todos os dias ao Anjo da Guarda
7
Orfa Astorga
Até que idade é saudável morar na casa dos pais?
Ver mais
Boletim
Receba Aleteia todo dia