Receba o boletim diário da Aleteia gratuitamente no seu email.

Sem condições de apoiar?

Veja 5 formas de você ajudar a Aleteia

  1. Reze por nossa equipe e pelo êxito de nossa missão
  2. Fale sobre a Aleteia em sua paróquia
  3. Compartilhe os artigos da Aleteia com seus amigos e familiares
  4. Desative o bloqueio de publicidade quando nos visitar
  5. Inscreva-se para receber nosso boletim gratuito e leia-nos diariamente

Obrigado!
Redação da Aleteia

Enviar

Aleteia

10 maneiras de mostrar aos seus filhos que você os ama

MOTHERLY LOVE
Shutterstock
Compartilhar

Porque só dizer “te amo” não é suficiente

“Unidos no amor”. Esta breve frase de Colossenses 2,2 resume o sentido da família. Embora possa parecer óbvio que amamos os nossos filhos, é melhor não deixar dúvidas quanto a isso. Dizer “te amo” é necessário, mas não o suficiente: “os gestos falam mais alto que as palavras”, como dizem.

As crianças precisam se sentir amadas pelos pais para que possam desenvolver uma personalidade saudável. E essa experiência deve começar o mais cedo possível – de certa forma, desde o momento da concepção. Experimentar o amor e o carinho dos pais dará confiança, autoestima e segurança aos filhos – e os ensinará a amar os outros. 

Abaixo, apresento 10 sugestões de como expressar seu amor por seus filhos de maneira que os ajude a crescer felizes, amados e equilibrados. Aproveite!

1. Abraços e beijos

Quando nós nos comunicamos com alguém, mas de 60% das mensagens que transmitimos vêm da linguagem corporal. Uma maneira de mostrar nosso carinho por nosso filhos é beijá-los e abraçá-los. Também podemos adicionar um toque de ternura na forma como nos expressamos, sendo amáveis em nossos movimentos e gestos. Isso os ajudará a perceber como eles são importantes;

2. Estar presente

Para expressar o nosso amor precisamos estar presentes – simplesmente estar lá. Temos que passar um tempo de qualidade com eles, participando de suas vidas diárias sempre que possível. É só uma questão de deixar um pouco  de lado as nossas tarefas ou nosso celular e brincar com eles, mostrar interesse por aquilo que eles estão fazendo ou pedir a opinião deles. O tempo que passamos com as crianças é muito valioso;

3. Ouvir 

A presença física é apenas parte do necessário; devemos mostrar que estamos mentalmente presentes com nossos filhos também. Se eles estiverem tristes, devemos consolá-los – se estão tristes, é por uma boa razão. Devemos compartilhar esse sentimento e eles precisam saber que nós o fazemos. Temos que prestar atenção nas ideias e preocupações deles e tentar responder às perguntas que eles fazem – ainda que não tenhamos todas as respostas. Não há nada de errado em dizer que não sabemos a resposta; é melhor do que ignorar a pergunta; 

4. Confiança 

Outra maneira de mostrar aos nossos filhos que os amamos é confiar neles. Ao dar-lhes a liberdade, provamos que acreditamos neles. Apesar das preocupações que temos, muitas vezes não podemos nos esquecer de que nossos filhos são diferentes de nós e podem se dar bem nas coisas em que nós falhamos. Se confiarmos neles, eles também confiarão em si mesmos. As advertências são saudáveis – temos que proteger nossos filhos, mas é importante deixá-los crescer, fazer coisas novas e permitir que eles se tornem independentes. A confiança é um grande presente de amor;

5. Respeito 

O respeito é a base de qualquer relação – e deve ser correspondido. Umas das demonstrações mais bonitas de amor é saber como respeitar nossos filhos. Isso não significa tratá-los como iguais antes de chegar a idade adulta. Mas, prudentemente, respeitar seus sonhos, suas ideias, preferências e decisões que eles assumem quando vão amadurecendo – mesmo que a gente não concorde com eles;

6. Incentivo 

Quando nós motivamos nosso filhos, inclusive quando eles se equivocam, eles não só ganham confiança em si mesmos, mas também se sentem amados. Devemos mostrar nosso orgulho não somente pelas conquistas, mas também pelo esforço e perseverança. Além disso, devemos reconhecer o que eles fazem por nós ou pelos outros – além de ser uma questão de justiça, a gratidão é extremamente motivadora; 

7. Proteção (mas não muita) 

Se protegermos nossos filhos, eles saberão que são importantes para nós. No entanto, devemos ter cuidado com os exageros. A proteção excessiva é perigosa. Se isso acontecer, eles vão achar que são incapazes de cuidar deles mesmos. Consequentemente, desenvolverão sentimentos de inferioridade e insegurança, rebelando-se contra nossa proteção. Precisamos encontrar o equilíbrio para que eles se sintam seguros, mas não limitados;

8. Limites 

Desde que nascem, as crianças aprendem a cada minuto, todos os dias. O processo de aprendizagem requer estrutura e limites. E é papel dos pais saber como estabelecer limites e criar regras. Nossos filhos aprenderão a apreciá-los, principalmente se estivermos preparados para dar fundamentos às normas (com explicações adequadas, de acordo com cada faixa etária). 

De vez em quando, mostre às crianças os maus resultados da falta de limite para que elas apreciem plenamente a disciplina. E, como no ponto anterior, precisamos encontrar um equilíbrio entre o limite e a liberdade;

9. Liberdade 

Também é importante dar aos nossos filhos a oportunidade de serem quem eles não – não quem queremos que eles sejam. Não devemos carregá-los com nossas expectativas. Amar significa ter força para deixá-los ser autônomos e permitir que não precisem de nós quando chegar o momento ideal. É difícil ver nossos filhos se afastando de nós para tornarem-se independentes. Mas o amor faz com que nós os deixemos abrir as asas para voar; 

10. Sinceridade

Finalmente, não devemos mentir aos nossos filhos. Eles nos amam e confiam em nós. Se descobrirem que mentimos, acabarão se sentido traídos. Poderão pensar que estamos mentindo porque não os amamos – ou poderão concluir que mentir para as pessoas que amamos é certo. Quando fazemos uma promessa, devemos cumpri-la. Quando parecer difícil explicar algo a uma criança, deveremos manter a verdade, embora seja preciso simplificar as coisas para que elas entendam. A honradez é um sinal de confiança e respeito muito necessário em uma relação de amor.