Receba o boletim diário da Aleteia gratuitamente no seu email.

Sem condições de apoiar?

Veja 5 formas de você ajudar a Aleteia

  1. Reze por nossa equipe e pelo êxito de nossa missão
  2. Fale sobre a Aleteia em sua paróquia
  3. Compartilhe os artigos da Aleteia com seus amigos e familiares
  4. Desative o bloqueio de publicidade quando nos visitar
  5. Inscreva-se para receber nosso boletim gratuito e leia-nos diariamente

Obrigado!
Redação da Aleteia

Enviar

Aleteia

A chave para ensinar as crianças a serem boas solucionadoras de problemas

YOUNG BOY,CHESS
Shutterstock
Compartilhar

É muito simples, mas não tão fácil...

Eu confesso: eu não sou uma solucionadora de problemas.

Eu quero ser. Quero dizer, eu gosto da ideia de ser uma solucionadora de problemas, e eu consegui me tornar mais uma solucionadora de problemas quando adulta do que quando eu era criança. Mas, eu tendo a terceirizar soluções para os problemas complicados (como matemática).

Então eu experimentei um sentimento de culpa quando li uma postagem no Scary Mommy sobre criar crianças que são solucionadoras de problemas.

“Sempre que temos algum tipo de desafio, dizemos: ‘Somos solucionadores de problemas’.

…Vejo minhas filhas sentirem algo, mesmo um desconforto. Eu tento não dizer nada sobre o quão inteligente elas são (embora eu esteja pensando nisso). Em vez disso, eu digo: ‘Percebi que você estava bloqueada nisso e trabalhou até resolver seu problema. Eu estou orgulhosa de você’”.

Eu literalmente nunca disse essa frase em toda a minha vida. O que não quer dizer que eu incentive a desistir – definitivamente não. Eu incentivo a determinação e o trabalho duro. E eu pratico o que prego, então meus filhos estão aprendendo com o exemplo e não apenas com a advertência.

Mas trabalhar duro e “descobrindo” é diferente de dizer “somos solucionadores de problemas”. Há o “nós”, antes de tudo. Eu geralmente não faço declarações familiares como “nós somos”. Mas eu posso ver como incluir o “nós” é uma ferramenta poderosa, porque mantém crianças e pais na declaração.

Há também uma grande diferença entre usar poder ou influência em um problema e encontrar uma solução. Às vezes, a força de vontade não ajudará, mas a criatividade e a autoconfiança sim. O melhor de ambos os mundos, é claro, seria incutir a resolução de problemas em meus filhos, então eles aprendem que podem encontrar soluções para qualquer problema, desde que adotem isso.

Mas, se eu começar a dizer “somos solucionadores de problemas”, tenho que me tornar uma. O que me deixa voltada, mais uma vez, para o maior e mais fundamental desafio da paternidade: tornar-se o tipo de pessoa que quero que meus filhos sejam.

A paternidade é tão difícil, e isso é 99% do motivo. Ensinar nossos filhos a serem bons, a trabalhar duro, a resolver problemas – todas essas coisas exigem que mostremos o que parece ser bom, como trabalhar duro e como resolver problemas. Basicamente, o pré-requisito mais essencial para a boa paternidade é viver uma boa vida. E isso não é fácil.

Mas também é uma das razões pelas quais as lições como “nós somos solucionadores de problemas” seriam tão eficazes – eu estaria ensinando aos meus filhos como viver uma boa vida. E é exatamente isso que eu quero ensinar-lhes – então é melhor parar de terceirizar meus problemas e começar a resolvê-los.