Sem condições de apoiar?

Veja 5 formas de você ajudar a Aleteia

  1. Reze por nossa equipe e pelo êxito de nossa missão
  2. Fale sobre a Aleteia em sua paróquia
  3. Compartilhe os artigos da Aleteia com seus amigos e familiares
  4. Desative o bloqueio de publicidade quando nos visitar
  5. Inscreva-se para receber nosso boletim gratuito e leia-nos diariamente

Obrigado!
Redação da Aleteia

Receba o nosso boletim

Aleteia

Furacão Florence perde força, mas ameaça provocar inundações graves

STORMY SEAS
Shutterstock
Compartilhar

A imensa tormenta caiu para categoria 2 (do total de 5 na escala de Saffir-Simpson)

O furacão Florence se enfraqueceu nesta quinta-feira (13), a poucas horas de tocar a costa leste dos Estados Unidos, mas continua sendo extremamente perigoso e “potencialmente fatal”, devido às tempestades e ao risco de inundações catastróficas.

A imensa tormenta caiu para categoria 2 (do total de 5 na escala de Saffir-Simpson) à noite, mas as autoridades advertiram para os riscos dos potentes ventos de 175 km/h e de chuvas torrenciais.

Conforme a tempestade se aproxima, o presidente americano, Donald Trump, e as autoridades estaduais e municipais reforçaram os pedidos aos moradores de localidades na trajetória do furacão para que deixem suas casas.

“Estamos completamente preparados para o furacão Florence, à medida que a tormenta se torna maior e mais potente. Sejam cautelosos!”, tuitou Trump.

Os apelos por cuidado também chegaram do espaço e, da Estação Espacial Internacional, o astronauta alemão Alexander Gerst tuitou fotos da gigantesca tormenta: “Cuidado, Estados Unidos!”.

O Centro Nacional de Furacões (NHC, na sigla em inglês) reiterou que Florence continua criando “uma situação potencialmente fatal”, por conta dos riscos de que o fenômeno recupere força perto das zonas costeiras.

As ordens de evacuação atingem 1,7 milhão de pessoas. Muitas prepararam suas casas e estabelecimentos comerciais para a chegada da tormenta e, desde ontem, começaram a sair em busca de abrigo dos fortes ventos.

“A maré causada pela tempestade é mortal. Quem quer que esteja na zona de evacuação nas Carolinas e na Virgínia tem que sair AGORA se já não tiver feito isso”, advertiu a Agência Federal para Administração de Emergências (Fema, na sigla em inglês).

Estima-se que, quando a tormenta tocar o solo nas Carolinas do Norte e do Sul nesta quinta-feira à noite, ou na sexta-feira, as chuvas somarão quase um metro.

“Esta chuva pode produzir inundações catastróficas e significativo aumento no volume dos rios”, frisou o NHC.

“É imperativo que todos sigam as ordens locais de evacuação”, declarou Trump, que mais cedo publicou no Twitter um vídeo pedindo que as pessoas “não brinquem” com o furacão.

“Proteger a vida é a prioridade absoluta”, acrescentou o presidente, falando da Casa Branca.

– Até três milhões sem energia

“Amanhã pode ser muito tarde. Não esperem até o último minuto”, convocou Brenda Bethune, prefeita de Myrtle Beach, o célebre balneário da Carolina do Sul.

Florence vai ser “como um direto do Mike Tyson na costa das Carolinas”, disse o funcionário da Fema Jeff Byard, que também mencionou os cortes de energia, o bloqueio de estradas, os danos de infraestrutura e os riscos para a vida da população.

Duke Energy, uma empresa elétrica presente nas duas Carolinas, estimou que entre um e três milhões de clientes ficarão sem energia elétrica pela tempestade. O serviço poderá levar até uma semana para ser restaurado.

Às 8h locais (9h em Brasília), o olho do furacão estava 275 quilômetros a leste-sudeste de Wilmington, na Carolina do Norte, avançando para o oeste a 19km/h.

O governador da Geórgia, estado que declarou emergência ontem, disse que mobilizará “todos os recursos disponíveis” para enfrentar os ventos e as chuvas. Trump lhe garantiu que contará com a ajuda do governo federal e da Fema, anunciou a Casa Branca.

(AFP)