Receba o boletim diário da Aleteia gratuitamente no seu email.

Sem condições de apoiar?

Veja 5 formas de você ajudar a Aleteia

  1. Reze por nossa equipe e pelo êxito de nossa missão
  2. Fale sobre a Aleteia em sua paróquia
  3. Compartilhe os artigos da Aleteia com seus amigos e familiares
  4. Desative o bloqueio de publicidade quando nos visitar
  5. Inscreva-se para receber nosso boletim gratuito e leia-nos diariamente

Obrigado!
Redação da Aleteia

Enviar

Aleteia

Nova pesquisa diz que este tipo de oração diária pode mudar seu casamento

MODLĄCA SIĘ PARA
Shutterstock
Compartilhar

Se você praticar isso, você pode evitar a guerra dentro de casa

“O casamento é uma aventura, como ir à guerra”.  – G.K. Chesterton

Quando meu marido e eu éramos recém-casados, pensava que algumas citações de Chesterton eram apenas divertimento.

Ah, a inocência da juventude. Ao longo dos anos, percebi que às vezes essa citação é divertida e verdadeira. De vez em quando, no entanto, é a única verdade – tudo isso, toda a verdade sobre o que seu casamento se tornou – reduzida a uma frase-chave que você pensou ser engraçada.

O Washington Post relatou que um pesquisador da Florida State University passou duas décadas estudando o efeito da oração peticionária nos relacionamentos.

Frank Fincham queria saber se a oração diária focada especificamente no pedido de amor divino, bem-estar e bênçãos para o parceiro tem algum benefício objetivo e mensurável nos relacionamentos.

Ele estudou uma variedade de casais, que vão desde estudantes universitários jovens, solteiros, principalmente brancos, em relacionamentos exclusivos, a velhos casais afro-americanos casados ​​há muitos anos, e a resposta que ele encontrou é: sim, esse tipo de oração tem um grande impacto nos relacionamentos.

“Para ter certeza de que suas descobertas seriam precisas, os pesquisadores desenharam cuidadosamente experimentos ao atribuir aleatoriamente seus participantes a grupos de tratamento e controle. As diferenças entre os dois grupos poderiam, assim, ser atribuídas aos efeitos da oração focada em parceiros, e não a outros fatores. Os grupos de controle se engajaram em outras atividades que teoricamente poderiam melhorar relacionamentos, tais como oração autofocada, livros de autoajuda, programas de enriquecimento do casamento e interações sociais positivas com o parceiro. Em comparação com esses grupos de controle, aqueles que oraram por seus parceiros viram consistentemente o maior impacto positivo em sua relação”.

Fincham fez grandes esforços para evitar uma armadilha comum na pesquisa em ciências sociais, o viés de autorrelato. Qualquer pessoa com um sistema de crença suficientemente forte para rezar diariamente provavelmente não informará que a oração não funciona, então, para controlar isso, ele incluiu observadores que monitoraram o comportamento dos participantes antes e depois do teste.

Suas observações confirmaram os resultados do estudo – os casais nos grupos de oração tiveram melhores resultados, com benefícios positivos experimentados e observados tanto na pessoa que orava quanto na pessoa que recebia a oração.

Esses benefícios incluíram coisas como um compromisso mais forte para melhorar a saúde física, mas um em particular chamou minha atenção. A oração focada em parceiros levou os casais a reportar maior satisfação com os sacrifícios feitos em nome do outro, em contraste com os grupos de controle, que relataram níveis mais elevados de ressentimento em relação ao seu parceiro.

Casamento é como ir à guerra. Não importa o quão compatível, quão preparados, quão privilegiados, os casais enfrentarão uma vida de lutas. Isso porque a vida em si é uma luta, e em um casamento carregamos o fardo um do outro, bem como o nosso próprio fardo. Adicione as crianças à mistura e essas lutas se multiplicam exponencialmente.

O perigo real de um casamento é quando paramos de lutar a guerra juntos e começamos a lutar um contra o outro. Quando o próprio casamento se torna uma guerra, não é mais uma aventura. É uma batalha campal para a autopreservação e, no final, todos perdem.

Os grupos de controle de Fincham concentraram-se em si mesmo e não no cônjuge. Não é de admirar que eles não experimentaram benefícios – quando você se concentra no que está dando, fazendo e sacrificando em um casamento em vez de por que e para quem você está fazendo isso, o ressentimento pode ser irresistível.

É por isso que a oração peticionária tem um impacto mensurável nos casamentos. É um hábito diário de se reorientar para estar ao lado do seu cônjuge. É um lembrete, para o seu cônjuge, e para si mesmo, que você está nesse conjunto, e que você irá trabalhar em benefício do outro – mesmo quando isso lhe custará algo a si próprio. Especialmente quando custa algo a si próprio. Afinal, é disso que se trata o casamento.