Receba o boletim diário da Aleteia gratuitamente no seu email.

Sem condições de apoiar?

Veja 5 formas de você ajudar a Aleteia

  1. Reze por nossa equipe e pelo êxito de nossa missão
  2. Fale sobre a Aleteia em sua paróquia
  3. Compartilhe os artigos da Aleteia com seus amigos e familiares
  4. Desative o bloqueio de publicidade quando nos visitar
  5. Inscreva-se para receber nosso boletim gratuito e leia-nos diariamente

Obrigado!
Redação da Aleteia

Enviar

Aleteia

Você já ouviu falar nas têmporas de setembro?

tempurá
CC
Compartilhar

Pois saiba que é hoje - e o seu significado é surpreendente e inspirador!

Uma antiga tradição da Igreja dedicava as quartas, sextas e sábados ao jejum e à oração durante as semanas de mudança de estação. Eram as chamadas “quatro têmporas“, já que mudamos de estação quatro vezes por ano.

A proposta das têmporas era pedir as bênçãos de Deus para a nova estação e, em especial, para as ordenações sacerdotais que costumavam ser celebradas na vigília de sábado para domingo.

As têmporas de setembro marcam o início da primavera no hemisfério Sul e do outono no hemisfério Norte. Elas nos convidam, ao mesmo tempo, à ação de graças a Deus pelos benefícios recebidos d’Ele e à oferta a Ele de um pequeno sacrifício representado pelo jejum ou pela abstinência.

Mas qual é o sentido desse jejum? O Catecismo de São Pio X nos explica:

O jejum das quatro têmporas foi instituído:

1 – Para santificar cada estação do ano com alguns dias de penitência;

2 – Para pedir a Deus que nos dê e conserve os frutos da terra;

3 – Para agradecer a Deus pelos frutos concedidos;

4 – Para pedir a Deus que dê à sua Igreja bons ministros, cuja ordenação se faz ordinariamente nos sábados das quatro têmporas.

O jejum não é uma obrigação nessas datas, mas uma devoção recomendada, a ser praticada voluntariamente. Por isso mesmo, pode-se optar pela abstinência em vez do jejum. Essa prática sempre tem o seu sentido alicerçado na purificação pessoal, no exercício do autodomínio, na capacidade de renúncia e abnegação e na atenção especial ao espírito.

“Têmporas” à mesa!

Uma curiosidade: o tempurá é conhecido hoje mundo afora como um prato popular da culinária japonesa. Na verdade, ele tem origem portuguesa, foi “exportado” ao Japão pelos missionários católicos e é batizado justamente por causa das quatro têmporas. É que, no século XVI, quando os marinheiros portugueses estabeleceram seus primeiros contatos com o povo japonês, viajavam junto com eles os missionários cristãos, que, durante as têmporas, praticavam a abstinência comendo apenas verduras e peixe.