Receba o boletim diário da Aleteia gratuitamente no seu email.

Sem condições de apoiar?

Veja 5 formas de você ajudar a Aleteia

  1. Reze por nossa equipe e pelo êxito de nossa missão
  2. Fale sobre a Aleteia em sua paróquia
  3. Compartilhe os artigos da Aleteia com seus amigos e familiares
  4. Desative o bloqueio de publicidade quando nos visitar
  5. Inscreva-se para receber nosso boletim gratuito e leia-nos diariamente

Obrigado!
Redação da Aleteia

Enviar

Aleteia

Por que o amor da mãe é fundamental para o desenvolvimento das crianças?

MOTHERHOOD
Compartilhar

Entenda como o afeto que o bebê recebe da mãe pode influenciar sua vida adulta

Receber afeto abundantemente da mãe durante a primeira infância ajuda as crianças a enfrentar melhor a vida adulta. Isso é o que já comprovou a psicologia do desenvolvimento. 

O amor materno saudável e natural, cheio de ternura para com o filho é algo que ficará gravado na psique da criança, bem como em sua alma e nas suas lembranças mais íntimas. 

Um estudo realizado com 482 pessoas nos Estados Unidos analisou as interações das crianças com as suas mães durante os primeiros oito meses de vida. Ao fim de cada sessão, os pesquisadores avaliavam como a mãe tinha agido e como a criança tinha respondido. Depois, classificavam as respostas, que iam de “negativo” “extravagante”.

Nos oitos meses de avaliação, uma em cada 10 interações se caracterizaram pelo baixo nível de afeto materno para com o bebê. 

A maioria dos casos (85%) apresentou níveis normais de afeto em 6% houve níveis muito altos de afeto da mãe para com o filho. 

Quando os especialistas analisaram elementos específicos, observaram que as crianças que tinham recebido mais afeto materno durante aquele período tiveram níveis mais baixos de ansiedade, hostilidade e angústia em geral. 

Eles detectaram também que houve uma diferença de sete pontos nos níveis de ansiedade entre as crianças cujas mães tinha mostrado níveis baixos ou normais de afeto e aquelas cujas progenitores tinham apresentado níveis altos. Além disso, detectaram uma diferença de três pontos nos níveis de hostilidade e de cinco pontos no total de pontuações referentes ao mal-estar geral. 
O que o experimento mostra é que “quanto maior o calor da mãe, menor será o mal-estar dos adultos”. É evidente que as experiências de vida muito precoces podem influenciar na saúde da pessoa adulta e “os níveis altos de afeto maternal podem facilitar vínculos seguros”.

Concluindo: o carinho de mãe para filho não só ameniza a angústia, mas também interfere no desenvolvimento das habilidades sociais da criança e na sua capacidade de enfrentar com sucesso determinadas situações durante a idade adulta.