Aleteia
Quinta-feira 22 Outubro |
São Moderano
Estilo de vida

Aborto legal, um dogma de fé

FAMILY

Shutterstock

Vanderlei de Lima - publicado em 24/09/18

Isso é o que, realmente, quer a maioria das mulheres brasileiras ou é o que grupos ideologizados desejam impor a ela?

Tramita no Supremo Tribunal Federal a ADPF 442. Pede ela, em linguagem crua, o seguinte: toda mãe deve, se desejar, ter o direito legal de assassinar seu próprio filho até o terceiro mês de gestação. A base dessa ADPF não é científica, mas ideológica.

Sim, o primeiro ponto notório é a fuga da ciência. A defesa do assassinato de seres humanos (“membro da nossa espécie”, segundo o renomado geneticista francês Dr. Jérome Lejeune) é gratuita, pois as ciências de observação (Biologia, Embriologia, Fetologia etc.) provam, à saciedade, haver vida humana desde a concepção.

Contra a tese gratuita dos defensores do aborto, o novo ser humano, no ventre materno, está vivo. Ele não é nem morto (se fosse morto, o organismo feminino o expeliria pelo aborto espontâneo ou daria sinais de mal-estar e levaria a mulher a buscar ajuda médica) e nem é inanimado/inorgânico (se fosse, nunca poderia nascer vivo). E mais: um ser morto ou inanimado não realiza divisão celular. Ora, os bebês, além de nadarem e se locomoverem no útero da mãe vivenciam uma taxa bem alta de divisão celular (41 das 45 divisões que ocorrem na vida de um indivíduo).

“Se o ser humano não começa por ocasião da fecundação, jamais começará. Pois de onde lhe viria uma nova informação? O bebê de proveta o demonstra aos ignorantes”, afirma o Dr. Lejeune (Problemas de Fé e Moral. Rio de Janeiro: Mater Ecclesiae, 2007, p. 176). Contudo, o defensor fanatizado do aborto parece não querer ciência. Fica apenas no campo da ideologia (“sou a favor do aborto e não tenho de provar nada a ninguém”), da subjetividade (“eu defendo o aborto, pois tenho meu direito para isso”) e da crendice primitiva (“eu escolhi crer, como dogma de fé – do qual acuso quem, cientificamente, defende o nascituro –, que não há vida até três meses de gestação”). Daí, o Dr. João Batista de Oliveira Costa Júnior pedir, já em 1965, aos partidários do aborto: “Demonstrem, pois, os legisladores coragem suficiente para fundamentar seus verdadeiros motivos, e não envolvam a Medicina no protecionismo ao crime desejado” (Por que, ainda, o aborto terapêutico? Revista da Faculdade de Direito da USP, 1965, volume IX, p. 326).

O segundo grande ponto é fugir da Moral, sobretudo católica. Segundo Frances Kissling, grande defensora do aborto, ‘o argumento dos bispos afirma que o aborto é um assassinato, que abortar é matar, e que a vida começa na concepção. […] Nenhum dos outros grupos religiosos realmente tem declarações tão bem definidas sobre a personalidade, sobre quando a vida tem início, sobre fetos, etc. Assim, caso se derrube a posição católica, se ganha’. Daí a importância que os abortistas dão ao combate contra a Igreja Católica” (Catecismo contra o aborto. São Paulo: Artpress, 2009, p. 61).

Leva-se, então, o debate para o campo do Direito: o Judiciário se tornou, salvo honrosas exceções, “atalho fácil”, nas palavras de Hellen Gracie, ex ministra do STF, em 27/04/05, para impor, de forma ditatorial, ao povo aquilo que ele não aceita pela via democrática, por meio do Congresso Nacional ou de um plebiscito popular.

A ADPF 442 é, então, retrato fiel da tática pró-aborto que oprime a mulher. Sim, pelo aborto a mulher grande (a mãe) – pressionada pelo domínio do homem que a quer como companheira (ou, o que é muito triste, como “objeto”), mas sem filhos – pode matar a mulher pequena (a filha), em seu ventre.  

Portanto, “legalizar o aborto é legitimar uma das piores formas de opressão da mulher. Não é por acaso que as primeiras feministas eram contra o aborto!”, diz a jurista Dra. Cláudia Löw (Pergunte e Responderemos, n. 522, dezembro de 2005, p. 562-564).

Por fim, uma questão crucial: Isso é o que, realmente, quer a maioria das mulheres brasileiras ou é o que grupos ideologizados desejam impor a ela? Reflitamos!

Apoiar a Aleteia

Se você está lendo este artigo, é exatamente graças a sua generosidade e a de muitas outras pessoas como você, que tornam possível o projeto de evangelização da Aleteia. Aqui estão alguns números:

  • 20 milhões de usuários no mundo leem a Aleteia.org todos os meses.
  • A Aleteia é publicada em 8 idiomas: Português, Francês, Inglês, Árabe, Italiano, Espanhol, Polonês e Esloveno.
  • Todo mês, nossos leitores acessam mais de 50 milhões de páginas na Aleteia.
  • 4 milhões de pessoas seguem a Aleteia nas redes sociais.
  • A cada mês, nós publicamos 2.450 artigos e cerca de 40 vídeos.
  • Todo esse trabalho é realizado por 60 pessoas que trabalham em tempo integral, além de aproximadamente 400 outros colaboradores (articulistas, jornalistas, tradutores, fotógrafos…).

Como você pode imaginar, por trás desses números há um grande esforço. Precisamos do seu apoio para que possamos continuar oferecendo este serviço de evangelização a todos, independentemente de onde eles moram ou do quanto possam pagar.

Apoie Aleteia a partir de apenas $ 1 - leva apenas um minuto. Obrigado!

Tags:
AbortoFilhosMaternidadeVida
Oração do dia
Festividade do dia





Top 10
Aleteia Brasil
Quer dormir tranquilo? Reze esta oração da no...
CARLO ACUTIS
John Burger
Como foram os últimos dias de vida de Carlo A...
TRIGEMELAS
Esteban Pittaro
A imagem de Nossa Senhora que acompanhou uma ...
nuvens sinais
Reportagem local
Estão sendo fotografados "sinais do céu"?
Papa Francisco São José Menino Jesus
ACI Digital
Papa Francisco reza esta oração a São José há...
violência contra padres no Brasil
Francisco Vêneto
Outubro de cruz para padres no Brasil: um per...
Aleteia Brasil
O milagre que levou a casa da Virgem Maria de...
Ver mais
Boletim
Receba Aleteia todo dia