Aleteia logoAleteia logo
Aleteia
Quinta-feira 28 Outubro |
Santos Apóstolos Simão e Judas Tadeu 
Aleteia logo
home iconCultura e Viagem
line break icon

Qual é o segredo dos monges para a produção da melhor cerveja do mundo?

De jeafish Ping / Shutterstock

Xavier Le Normand - publicado em 24/09/18

As cervejas das abadias belgas são apreciadas no mundo inteiro. Agora a gente sabe o motivo…

A Oktoberfest atrai visitantes do mundo inteiro para Munique, na Alemanha. Mas há outro país em que a cerveja também reina: Bélgica. A embaixada desse país em Roma promoveu recentemente uma degustação das melhores cervejas produzidas em suas abadias. Para o evento, monges e religiosos cervejeiros se espalharam pela Cidade Eterna e alguns deles revelaram o segredo da elaboração desta bebida.

O amor pelo trabalho bem feito

Para o abade da abadia trapense de Orval, o padre Lode Van Hecke, primeiro é preciso entender que, em sua origem, a cerveja não era uma bebida especialmente festiva. Era simplesmente um dos poucos líquidos potáveis e fáceis de se preparar. Na Idade Média, era difícil encontrar água potável. A cerveja, então, passou a ser uma opção mais segura, graças à fermentação. Tanto as famílias como os religiosos dos mosteiros passaram a produzir a cerveja simplesmente para terem o que beber.

Então, por que a cerveja continua sendo associada aos mosteiros da Bélgica? “Por causa da boa imagem desses lugares de oração”, diz D. Bernard Lorente, abade beneditino de Maredsous. “Os mosteiros são testemunhas de uma tradição de bondade, confiança, hospitalidade e amor pelo trabalho bem feito”, explica o beneditino. Por isso, um copo de uma boa cerveja belga produzida em uma abadia transmite todas essas qualidades.

Conciliar a atividade econômica com o estudo espiritual

Embora os monges façam votos de pobreza, eles continuam tendo necessidades econômicas como todo mundo. Em primeiro lugar, é preciso manter as comunidades, cuja maioria dos monges é, geralmente, composta por pessoas idosas. Na Bélgica, os padres recebem subsídios do Estado. Mas os monges não.

É preciso manter também as abadias, que possuem custos altos. Além disso, para colocar seu nome na bebida, a abadia precisa de uma certa quantidade de mão de obra qualificada.Assim, a atividade contribui com o desenvolvimento econômico da região.

A receita gerada pela venda da cerveja também ajuda a financiar as demais atividades das abadias, como a biblioteca, a ajuda aos mais necessitados, a acolhida aos peregrinos e até as atividades culturais, como cita o abade de Maredsous.

Há projetos que as abadias não conseguiriam desenvolver sem os benefícios derivados das patentes das cervejas. Por isso, as cervejas de abadia não são produtos meramente extravagantes, mas a base de uma atividade econômica que permite uma vida de busca espiritual e solidariedade.

Cooperar com os mestres cervejeiros

Algumas abadias belgas continuam elaborando suas próprias cervejas. Porém, na maioria das vezes, os monges são donos da receita e da patente, mas confiam a exploração das mesmas a um mestre cervejeiro de confiança.

Às vezes, é o próprio cervejeiro que propõe que a abadia coloque seu nome no produto. Com isso, a bebida ganha sensação de qualidade e os monges obtêm mais receita financeira.

A Bélgica reconhece oficialmente seis marcas de cerveja trapense e 23 cervejas de abadia. Para ter o reconhecimento, são necessárias três condições. Em primeiro lugar, a produção da cerveja deve estar vinculada a uma abadia existente ou histórica. A cervejaria também deve contribuir com o financiamento dos programas de conservação da abadia. Por último, a abadia – ou a instituição ligada à ela – deve ter direito de controle sobre a publicidade.

Trata-se pois, de uma questão de entendimento e cooperação, segundo o lema do Reino da Bélgica: “A união faz a força”.




Leia também:
Reconstruir a cultura católica com… cerveja!

Tags:
monges
Apoiar a Aleteia

Se você está lendo este artigo, é exatamente graças a sua generosidade e a de muitas outras pessoas como você, que tornam possível o projeto de evangelização da Aleteia. Aqui estão alguns números:

  • 20 milhões de usuários no mundo leem a Aleteia.org todos os meses.
  • Aleteia é publicada diariamente em sete idiomas: inglês, francês,  italiano, espanhol, português, polonês e esloveno
  • Todo mês, nossos leitores acessam mais de 50 milhões de páginas na Aleteia.
  • 4 milhões de pessoas seguem a Aleteia nas redes sociais.
  • A cada mês, nós publicamos 2.450 artigos e cerca de 40 vídeos.
  • Todo esse trabalho é realizado por 60 pessoas que trabalham em tempo integral, além de aproximadamente 400 outros colaboradores (articulistas, jornalistas, tradutores, fotógrafos…).

Como você pode imaginar, por trás desses números há um grande esforço. Precisamos do seu apoio para que possamos continuar oferecendo este serviço de evangelização a todos, independentemente de onde eles moram ou do quanto possam pagar.

Apoie Aleteia a partir de apenas $ 1 - leva apenas um minuto. Obrigado!

Oração do dia
Festividade do dia





Top 10
1
SANDRA SABATTINI
Francisco Vêneto
Primeira noiva em processo de canonização na história foi beatifi...
2
EUCHARIST
Reportagem local
O que fazer se a hóstia cair no chão durante a Missa?
3
Papa Francisco
Francisco Vêneto
Papa Francisco: “Tenho medo dos diabos educados”
4
Pe. Jonas Magno de Oliveira e sua mãe
Francisco Vêneto
Mãe de padre brasileiro se torna freira na mesma família religios...
5
Transplante de rins
Francisco Vêneto
Transplante de rim de porco em humanos: a Igreja tem alguma objeç...
6
As irmãs biológicas que se tornaram freiras no instituto Iesu Communio
Francisco Vêneto
As cinco irmãs biológicas que se tornaram freiras em apenas 2 ano...
7
BENEDICT XVI
Marzena Wilkanowicz-Devoud
A arte de morrer bem, segundo Bento XVI
Ver mais
Boletim
Receba Aleteia todo dia