Receba o boletim diário da Aleteia gratuitamente no seu email.

Sem condições de apoiar?

Veja 5 formas de você ajudar a Aleteia

  1. Reze por nossa equipe e pelo êxito de nossa missão
  2. Fale sobre a Aleteia em sua paróquia
  3. Compartilhe os artigos da Aleteia com seus amigos e familiares
  4. Desative o bloqueio de publicidade quando nos visitar
  5. Inscreva-se para receber nosso boletim gratuito e leia-nos diariamente

Obrigado!
Redação da Aleteia

Enviar

Aleteia

Uma das mais amadas cantoras latinas de sempre faz 40 anos de casada

STEFAN
Debby Wong - Shutterstock
Compartilhar

Gloria Estefan testemunha o matrimônio num meio em que o divórcio é comum: "A família vem em primeiro lugar para nós"

Ela nasceu em Havana dois anos antes da revolução cubana e foi batizada como Gloria Maria Milagrosa Fajardo. Vários anos depois, já radicada nos EUA e conhecida pelo nome artístico de Gloria Estefan, tornou-se recordista mundial em vendas de discos, com extraordinários mais de cem milhões vendidos no mundo todo.

A “rainha da música latina” celebra agora mais um triunfo: 40 anos de casamento, marcados por uma história de amor repleta de desafios compartilhados. Gloria e Emilio emergiram da pobreza, fizeram carreira e formaram juntos uma família.

“A família vem em primeiro lugar para nós”

Emilio e Gloria se conheceram quando a mãe de Gloria pediu à filha para acompanhá-la em um casamento. Emilio, que tocava acordeão, era o líder da banda que animava a festa. Os dois jovens se encontraram na porta e começaram a conversar – até que ele a encorajou a cantar algumas músicas com a banda. Gloria acabou se unindo ao grupo como vocalista e nunca mais deixou a carreira.

Em julho de 1976 Emilio a convidou para uma festa e, a partir daquele momento, eles começaram a jornada de dois anos de namoro rumo à culminação no altar.

Gloria foi perguntada, durante uma entrevista, sobre o “segredo” para ficarem juntos tantos anos. Ela respondeu que não há segredo: há amor. A paixão inicial foi o ponto de partida, mas foi o amor que teceu o laço sólido entre eles apesar das tensões, fortalecendo o respeito, o senso de humor e a admiração mútua.

Ela garante que eles são bem diferentes, mas a complementaridade os ajudou a viver como uma verdadeira equipe, tanto no trabalho quanto na família.

“Se fôssemos só como ele, já estaríamos mortos de ataque cardíaco, e se fôssemos só como eu, ainda estaríamos sentados no sofá de casa tocando violão”.

O marido e os filhos são tudo para ela:

“Sempre fomos um para o outro. A família vem em primeiro lugar para nós”.

Duas características sempre marcantes na sua história familiar são a gratidão e o trabalho duro, conta Gloria, que, no entanto, afirma que jamais sacrificaria o papel de mãe em prol da carreira ou dos negócios:

“Ou vamos todos ou não vai nenhum. O mais difícil da fama, para mim, é que, quando estou em público com os meus filhos, eles têm que me dividir”.

Sobre o casamento, ela testemunha:

“Conhecer Emilio foi como viver a minha adolescência ao contrário. Eu fui me sentindo mais jovem ao longo da minha vida. Mais e mais leve, mais e mais livre. Antes do Emilio houve poucos momentos de felicidade, e, depois dele, muitos, inclusive nas horas mais difíceis. Em toda a minha vida, o que me faz feliz é estar a serviço de alguém. Este é o meu objetivo”.