Receba o boletim diário da Aleteia gratuitamente no seu email.

Sem condições de apoiar?

Veja 5 formas de você ajudar a Aleteia

  1. Reze por nossa equipe e pelo êxito de nossa missão
  2. Fale sobre a Aleteia em sua paróquia
  3. Compartilhe os artigos da Aleteia com seus amigos e familiares
  4. Desative o bloqueio de publicidade quando nos visitar
  5. Inscreva-se para receber nosso boletim gratuito e leia-nos diariamente

Obrigado!
Redação da Aleteia

Enviar

Aleteia

Papa aos estonianos: vocês conhecem as lutas pela liberdade

POPE FRANCIS GENERAL AUDIENCE
Antoine Mekary | ALETEIA | I.MEDIA
Compartilhar

“Como é bom sentir-se parte de um povo! Como é bom ser independentes e livres!"

O Papa Francisco celebrou a missa, na tarde desta terça-feira (25/09), na Praça da Liberdade, em Tallinn, na Estônia.

Em sua homilia, Francisco ressaltou que “pensando na chegada ao Monte Sinai do povo judeu, já livre da escravidão do Egito, é impossível não pensar” na Estônia “como povo; é impossível não pensar na nação inteira da Estônia e todos os países bálticos. Vocês conhecem as lutas pela liberdade, podem se identificar com aquele povo. Nos fará bem escutar aquilo que Deus diz a Moisés, para compreender o que Ele nos diz como povo”, frisou o Pontífice.

Segundo o Papa, “o povo, que chega ao Sinai, é um povo que já viu o amor de seu Deus manifestar-se em milagres e prodígios; é um povo que decide estabelecer um pacto de amor, porque Deus já o amou primeiro e manifestou-lhe este amor. Quando dizemos que somos cristãos, quando abraçamos um estilo de vida, o fazemos sem pressões, sem que isso seja uma troca na qual nós fazemos algo se Deus nos fizer qualquer coisa”.

“Mas sobretudo sabemos que a proposta de Deus não nos tira nada; pelo contrário, leva à plenitude, potencializa todas as aspirações do ser humano. Alguns consideram-se livres, quando vivem sem Deus ou separados d’Ele. Não se dão conta de que, assim, percorrem esta vida como órfãos, sem um lar para onde voltar. «Deixam de ser peregrinos para se transformarem em errantes, que giram indefinidamente ao redor de si mesmos, sem chegar a lugar nenhum».”

“Vocês não conquistaram a sua liberdade para terminar escravos do consumo, do individualismo ou da sede de poder e domínio”.

A fé nos leva a ver que Deus “está vivo e nos ama; que não nos abandona e, por isso, é capaz de intervir misteriosamente na nossa história; tira o bem do mal com o seu poder e a sua infinita criatividade”.

No deserto, o povo de Israel caiu na tentação de buscar outros deuses, adorando o bezerro de ouro e confiando em suas próprias forças. “Mas Deus não cessa de o atrair sempre de novo; e ele se lembrará do que escutou e viu na montanha. Como aquele povo, também nós sabemos que somos um povo eleito, sacerdotal e santo. É o Espírito que nos recorda todas estas coisas.”

O Papa exortou os estonianos a deixarem transparecer na sua história, “o orgulho de ser estoniano. «Sou estoniano, permanecerei estoniano, estoniano é uma realidade bonita, somos estonianos».”

“Como é bom sentir-se parte de um povo! Como é bom ser independentes e livres! Subamos à montanha sagrada e peçamos ao Senhor, como diz o lema desta visita, que desperte os nossos corações e nos conceda o dom do Espírito para discernirmos, em cada momento da história, o modo como ser livres, como abraçar o bem e sentir-se eleitos, como deixar que Deus faça crescer, aqui na Estônia e no mundo inteiro, a sua nação santa, o seu povo sacerdotal”, concluiu Francisco.

No final da missa celebrada na Praça da Liberdade, em Tallinn, na Estônia, última etapa de sua viagem apostólica aos Países Bálticos, o Papa Francisco agradeceu o acolhimento dos fiéis, “pequeno rebanho com um grande coração”, e das autoridades do país.

O Pontífice recordou também “todos os irmãos cristãos, de modo especial os Luteranos”, que “acolheram os encontros ecumênicos” na Estônia e na Letônia.

A seguir, o Papa dirigiu-se para o aeroporto internacional de Tallinn de onde partiu de volta para Roma.

(Vatican News)