Receba o boletim diário da Aleteia gratuitamente no seu email.

Sem condições de apoiar?

Veja 5 formas de você ajudar a Aleteia

  1. Reze por nossa equipe e pelo êxito de nossa missão
  2. Fale sobre a Aleteia em sua paróquia
  3. Compartilhe os artigos da Aleteia com seus amigos e familiares
  4. Desative o bloqueio de publicidade quando nos visitar
  5. Inscreva-se para receber nosso boletim gratuito e leia-nos diariamente

Obrigado!
Redação da Aleteia

Enviar

Aleteia

“Selfie”: moda ou sintoma de transtorno mental?

SELFIE
Compartilhar

O que as suas fotos dizem sobre você? Os psicólogos já falam em "síndrome da 'selfie'"

Se você está obcecado(a) em compartilhar seus auto-retratos (ou as famosas selfies) nas redes sociais ou conhece alguém assim, esta informação pode te interessar: especialistas dizem que, ao fazer selfies reiteradamente, você está expressando certas necessidades. 

Sob a hashtag #me ou #selfie que costuma acompanhar estas fotos, milhares de pessoas publicam seus retratos nas redes sociais. Só no Facebook, calculam-se que circulam mais de 240 milhões de fotografias deste tipo. Mas, por que as pessoas gostam tanto de publicar selfies? Aqui vão alguns motivos: 

  • por diversão;
  • para presumir o seu sucesso;
  • para enviar como mensagem para alguém;
  • para compartilhar momentos. 

Embora nunca se deva generalizar, uma análise psicológica deste tipo de comportamento nos adverte que expor excessivamente a vida pessoal pode ser característica de um indivíduo com baixa autoestima, que busca aprovação e aceitação do outro. 

RAGAZZA, TELEFONO, SELFIE
Shutterstock

Mas seria a egolatria uma reação inevitável nas redes sociais? Sociólogos e psiquiatras concordam que as pessoas mostram somente o que querem, construindo, assim, uma identidade para ser retroalimentada e validada pelos outros. 

Óbvio que esta afirmação é uma generalização. É importante analisar cada caso, pois há quem expõe suas fotos por motivos válidos, não apenas por uma necessidade de afirmação social. 

Por isso, é preciso diferenciar os perfis que correspondam a pessoas com uma maturidade saudável daqueles que tendem a usar as selfies como atos de vaidade, indicando traços de narcisismo, falta de autoestima, necessidade de auto-afirmação e de construção da identidade. 

MĘŻCZYZNA ROBI SELFIE
Shutterstock

Algumas características do narcisista:

 A pessoa não escuta. Só desqualifica o outro. Nega, desqualifica e ignora o comentário das pessoas;

  • preocupa-se apenas consigo mesma. O narcisista é egoísta e só está interessado no próprio bem;
  • pente-se acima de todos. Acha que é superior a tudo e todos;
  • é intolerante a críticas. Costuma ter um conceito muito alto de si mesmo e de sua importância. No entanto, qualquer pequena crítica negativa o deprime;
  • não assume responsabilidades. Se as coisas vão mal, costuma jogar a culpa nos outros; 
  • É explosivo. Qualquer coisa o leva a perder o controle. 

A moda do culto à imagem 

O fenômeno das selfies e do narcisismo desencadeou uma tendência de exaltação da imagem. Isso pode ocasionar um círculo virtuoso, potencializando a imagem positiva ou atrativa de si mesmo. Pode também ocasionar um círculo vicioso, ao ressaltar uma autoimagem negativa ou falsa.

As selfies costumam levar as pessoas a se sentirem superiores. Isso fica claro, sobretudo, diante das críticas. É nesse momento que a pessoa percebe que sua imagem está ferida e reage desproporcionalmente. 

São reações própria de quem confunde o mundo real com o virtual e não respeita certos limites das relações interpessoais.