Receba o boletim diário da Aleteia gratuitamente no seu email.

Sem condições de apoiar?

Veja 5 formas de você ajudar a Aleteia

  1. Reze por nossa equipe e pelo êxito de nossa missão
  2. Fale sobre a Aleteia em sua paróquia
  3. Compartilhe os artigos da Aleteia com seus amigos e familiares
  4. Desative o bloqueio de publicidade quando nos visitar
  5. Inscreva-se para receber nosso boletim gratuito e leia-nos diariamente

Obrigado!
Redação da Aleteia

Enviar

Aleteia

Sindicatos paralisam a Argentina em plena crise econômica

ARGENTINA
Marko Vombergar - ALETEIA.ORG
Compartilhar

A taxa de desemprego segue em alta, com 9,6% no segundo semestre

As grandes centrais sindicais paralisam a Argentina, nesta terça-feira (25), com uma greve geral de 24 horas, convocada no momento em que o presidente do país, Mauricio Macri, está em Nova York para participar da Assembleia Geral da ONU e se reunir com investidores para tentar transmitir confiança.

Com os dados macroeconômicos em situação preocupante, especialmente a inflação, que deve superar 40% em 2018, e o Produto Interno Bruto (PIB), calculado em -2,4% para o fim do ano, os sindicatos paralisam nesta terça-feira os transportes públicos, o tráfego aéreo, o transporte de carga terrestre, os bancos e a administração pública, incluindo escolas e hospitais.

Esta é a segunda paralisação geral desde que o governo Macri assinou em junho um acordo com o Fundo Monetário Internacional (FMI) por 50 bilhões de dólares, dos quais o país já recebeu 15 bilhões, mas que espera poder ampliar para um valor superior.

O movimento foi convocado como uma greve sem manifestações, mas, na segunda-feira, dezenas de milhares de pessoas saíram em passeata em Buenos Aires até a Praça de Maio para repudiar as medidas de austeridade e o acordo com o FMI.

“Mauricio Macri deixou de governar a Argentina, cada medida que toma precisa consultar com o FMI”, afirmou Joaquín Noya, um dos manifestantes que seguiram até a Casa Rosada, sede da presidência.

A taxa de desemprego segue em alta, com 9,6% no segundo semestre, e o índice de pobreza que será anunciado esta semana deve interromper a tendência de queda: ao final de 2017 era de 25%.

A greve de 25 de junho provocou perdas de 29 bilhões de pesos, na época o equivalente a um bilhão de dólares.

Macri, um liberal de centro-direita, insiste em que a Argentina não pode gastar mais do que produz e tem o objetivo de alcançar um déficit primário zero em 2019. Para concretizar a meta, ele precisa que o Congresso, onde não tem maioria, aprove o projeto de orçamento apresentado na semana passada.

A pressão dos sindicatos, que exigem ajustes salariais de acordo com a inflação, é um dos principais obstáculos.

A greve coincide com o dia do discurso de Macri na Assembleia Geral da ONU, em Nova York.

O presidente argentino aproveita a viagem, na qual está acompanhado do chanceler Jorge Faurie e do ministro da Economia, Nicolás Dujovne, para se reunir com investidores e transmitir uma mensagem de confiança.

Em uma entrevista ao canal Bloomberg, Macri afirmou na segunda-feira que o novo acordo com o FMI está próximo e “oferecerá mais confiança ao mercado”.

“Vamos ter mais apoio do FMI. Não posso dizer quanto, porque estamos negociando”, disse o presidente.

Economia emergente que mais sofreu este ano, com uma desvalorização de 50% de sua moeda desde janeiro, a Argentina precisa conter a fuga de capitais em um contexto internacional volátil.

(AFP)