Receba o boletim diário da Aleteia gratuitamente no seu email.
Alimente o seu espírito. Receba grátis os artigos da Aleteia toda manhã.
Inscreva-se

Sem condições de apoiar?

Veja 5 formas de você ajudar a Aleteia

  1. Reze por nossa equipe e pelo êxito de nossa missão
  2. Fale sobre a Aleteia em sua paróquia
  3. Compartilhe os artigos da Aleteia com seus amigos e familiares
  4. Desative o bloqueio de publicidade quando nos visitar
  5. Inscreva-se para receber nosso boletim gratuito e leia-nos diariamente

Obrigado!
Redação da Aleteia

Enviar

Aleteia

Pesca da imagem de Aparecida seria um milagre divino?

© DR
Image originale de Notre-Dame d'Aparecida dans son sanctuaire au Brésil
Compartilhar

Historiadora tenta explicar como a imagem de Nossa Senhora foi parar no rio Paraíba do Sul em 1717

“A partir da fé, vamos sentindo, vendo e até fazendo comparações com as nossas vidas, de como Deus se manifesta.” Isso é o que diz a historiadora Tereza Pasin, ao tentar encontrar uma explicação para a pesca da imagem de Nossa Senhora Aparecida nas águas do rio Paraíba do Sul, em 1717. “Qual a pessoa católica que não gostaria de abraçar Nossa Senhora?”, questiona, ao referir-se à devoção dos fiéis à Padroeira do Brasil.

Tereza é autora do livro Senhora Aparecida – Romeiros e Missionários Redentoristas na História da Padroeira do Brasil (Editora Santuário, 2015), que detalha a pesca da Imagem.

Segundo relatos da obra, a imagem foi encontrada no mês de outubro daquele ano, quando aconteceria a visita de dom Pedro Miguel de Almeida Portugal e Vasconcelos e sua comitiva à Vila de Guaratinguetá.

A comida que seria oferecida à comitiva era peixe e, para obter o ingrediente principal do prato, três pescadores foram convocados pelas autoridades: João Alves, Domingos Martins Garcia e Felipe Pedroso. “Foram até o porto de José Correia Leite, na altura da hoje cidade de Roseira e vieram remando, em um mês pouco favorável à pesca. Ao chegarem próximo ao porto Itaguaçu, depois de bastante fatigados, João Alves novamente lançou sua rede de arrasto e sentiu que a rede trazia uma esperança”, escreve a historiadora.

O pescador encontrou o corpo da Imagem sem a cabeça e, com respeito, depositou a peça na canoa. “Continuaram a pesca e, como um sinal, encontra em sua rede uma cabeça e, juntando ao corpo, é a da Imagem da Senhora da Conceição. João Alves a protegeu com um pano”, relata Tereza Pasin.

Após a pesca da Imagem, os peixes começaram a aparecer em grande quantidade e, assim, conseguiram garantir a refeição das autoridades e da comitiva que estava visitando a Vila na ocasião.

Origem da Imagem

A imagem de Nossa Senhora teria sido esculpida por volta do ano 1600. “A provável pessoa que teria feito a imagem foi o frei Agostinho de Jesus, discípulo de frei Agostinho da Piedade, porque o tipo de escultura é o mesmo”, esclarece.

Não há informações sobre como a imagem foi parar no rio Paraíba, antes de ser resgatada, mas apenas conjecturas. Para a historiadora, a imagem tanto pode ter sido jogada por alguém que quis se desfazer da imagem quebrada, ou a peça poderia estar abrigada em uma capelinha na cidade de Roseira, quando foi arrastada por uma enchente. “A capelinha desapareceu; isso foi escrito por um padre em 1956, que fala dessa enchente”, pontua.

Chama a atenção um detalhe que diferencia o encontro da Imagem de Aparecida: a documentação. Existem escritos em época bem próxima dos fatos acontecidos e por pessoas competentes.

(A12.com)