Sem condições de apoiar?

Veja 5 formas de você ajudar a Aleteia

  1. Reze por nossa equipe e pelo êxito de nossa missão
  2. Fale sobre a Aleteia em sua paróquia
  3. Compartilhe os artigos da Aleteia com seus amigos e familiares
  4. Desative o bloqueio de publicidade quando nos visitar
  5. Inscreva-se para receber nosso boletim gratuito e leia-nos diariamente

Obrigado!
Redação da Aleteia

Enviar

Aleteia

Por que bater ou insultar seu filho é inaceitável – e como evitar isso

Shutterstock-Daniel Jedzura
Compartilhar

Aqueles que foram espancados ou agredidos verbalmente quando crianças precisam encontrar a cura para quebrar o padrão

Às vezes esquecemos que nossa primeira missão como pais é amar nossos filhos e fazê-los felizes.

Eu não sei de onde tiramos a ideia de que temos o direito de maltratar seus pequenos corpos e, inconscientemente, lançar nossa frustração neles.

Quando gritamos, ignoramos, insultamos, tratamos com desprezo, humilhamos, atacamos, comparamos (negativamente) com outras pessoas, abandonamos – entre outras coisas – quando realmente devemos amar, cuidar, ensinar, entender, educar, aceitar, proteger e abraçar eles incondicionalmente, violamos sua dignidade como seres humanos que Deus nos confiou. Nós devemos apenas tocar as crianças para abraçá-las, consolá-las e beijá-las.

A violência leva a mais violência

Lembro-me de dormir na casa de uma amiga próxima quando, à meia-noite, seu pai entrou para despertar cruelmente uma de suas filhas, batendo nela. Fiquei paralisada, com medo. A filha mais velha tentou reter seu pai para que ele parasse de bater nela, mas isso parecia fazer com que ele ficasse mais enérgico.

Uma frase em particular que ele disse a sua filha ainda ecoa em meus ouvidos até hoje: “Eu amaldiçoei a hora em que você nasceu”. Pouco tempo depois, aquela garota, que tinha apenas 15 anos, foi morar com um traficante de drogas e ficou grávida. Eu quase não preciso dizer hoje que a mulher sofre um grave trauma emocional e, como seu pai a tratou, ela também tratou seus próprios filhos.

Toda emoção que não é reconhecida e aceita torna-se autodestrutiva. Ele era um homem excessivamente violento, e o que ele estava fazendo era repetir padrões de comportamento. Ele nunca curou o abuso que ele experimentou em sua infância, e ele o levou até a idade adulta, apenas para descarregá-lo em seus próprios filhos.

Lembro-me de outro episódio quando voltamos da escola e, assim que entramos na casa, esse mesmo homem começou a bater implacavelmente em outro dos seus filhos porque ele tirou notas muito baixas na escola. Para aquele homem, o fato de seu filho não ser tão inteligente era a desculpa perfeita para maltratá-lo. O homem pegou uma raquete de tênis e deixou suas marcas em todo o corpo de seu filho, na frente de seus amigos. O garoto só conseguiu dizer, enquanto chorava inconsolavelmente: “Algum dia eu vou crescer, e eu vou te bater de volta por cada vez que você me bateu”.

Mais de 35 anos se passaram desde esses eventos. Infelizmente, a violência familiar continua a aumentar e não se limita a golpes ou a palavras como as que descrevi acima. Qualquer tipo de violência – direta ou indireta, verbalizada ou silenciosa – deixa suas marcas na vida das crianças que a sofrem, e essas consequências são muito difíceis de apagar. A violência deixa cicatrizes ao longo da vida.

Outro tipo de violência é aquela que agora vem à minha mente, e que eu também testemunhei. Era um homem que morava sozinho com sua segunda mulher; todos os seus filhos moravam separados do pai na casa ao lado. Um dia, nós fomos visitá-los, e você pode imaginar o quão surpresos – ou assustados – nós ficamos quando, ao entrar em seu apartamento; vimos que a decoração em todas as paredes eram fotos de mulheres nuas em poses eróticas.

Não, não era arte. Era pornografia, pura e simples. Onde quer que olhássemos, havia imagens que eram um ataque aos olhos de alguém, e especialmente aos nossos, já que éramos apenas crianças. Isso é violência no pleno significado da palavra. Claro, quando eu fui para casa e falei sobre o que eu vi, meus pais nunca me deixaram voltar lá. O fato é que esse tipo de imagem é uma maneira de atacar o desenvolvimento saudável de uma criança. Tirar a inocência de uma criança é violência.

Não estou compartilhando essas experiências para julgar esse homem, que estava claramente perturbado emocionalmente; em vez disso, faço isso para enfatizar que a violência se apresenta sob muitas formas diferentes. Uma pessoa violenta e abusiva não tem nenhum senso, como é o caso deste pai que abusou de sua própria carne e sangue com violência em muitos níveis: físico, emocional, verbal, espiritual e moral (através da exposição à pornografia).

Tenho certeza de que muitos de vocês já estão perguntando: “E a mãe?”. Este é um pequeno detalhe de grande importância: não havia mãe. Ela morreu em um acidente de carro; o pai era o motorista. Após esse evento, o homem tornou-se “mais difícil de amar”, para evitar usar um termo mais pejorativo.

Quantas histórias conhecemos como essa! Quantos casos mais acontecerão sem serem relatados, remediados ou curados.

Nenhum tipo de violência deve ser aceita ou tolerada em qualquer circunstância. As palavras machucam tanto ou mais que os golpes físicos e, muitas vezes, sem perceber isso, abusamos de nossos filhos e prejudicamos seus sentimentos, afetando suas vidas emocionais para sempre.

Há o garoto típico que é muito inquieto e tem algum dano. Sua mãe fica com raiva e histérica e começa a gritar coisas como “Eu estou farta de você! Não aguento mais. Estou cansada de lidar com você…” Eu perguntaria a essa mãe: “Você está realmente farta, cansada e incapaz de aguentar, seu filho? Ou você está realmente farta, cansada e não é capaz de lidar com o ‘comportamento’ do seu filho?”.

Você vê como a ênfase é diferente? Em uma situação como essa – usando sua inteligência emocional – a maneira de falar com a criança seria: “Estou muito cansada desse comportamento. A maneira como você está agindo está errada. Sinto-me frustrada. Mas eu ainda te amo, filho”. Desta forma, você envia seu filho a mensagem de que você não concorda com sua maneira de se comportar, mas seu amor por ele era, é e sempre será incondicional. Você está dizendo a ele como você se sente – na primeira pessoa – e você não está “culpando-o” pela forma como ele faz você se sentir.

Pais: no final, nossos filhos são um espelho, e eles refletem fielmente quem somos. Vamos mudar nossa atitude em relação a eles. Esse tipo de maus-tratos – que geralmente vem de uma mãe que está cansada porque ela esteve com as crianças quase o dia todo – é o mais comum, e deixa marcas permanentes na vida das crianças.

Nos corações das crianças, não existe a possibilidade de que seu pai ou mãe não as ame. Consequentemente, muitas vezes interpretam a violência como uma maneira de seus pais mostrarem amor por elas. Ou seja, o abuso e os golpes são iguais ao amor. Então, você pode imaginar que tipo de companheiro eles escolherão? Isso mesmo, aquele que mostra amor com violência, porque essa é a única maneira de saber como reconhecer o carinho. Que terrível!

Pais, se estamos frustrados ou cansados, não vamos levar isso aos nossos filhos. A próxima vez que você sentir que está perdendo o controle, segure-se! E ouça suas próprias palavras. Se você não pode acreditar em seus ouvidos, imagine como seus filhos se sentem quando ouvem você dizer coisas tão terríveis.

Se você perde o controle com facilidade e frequentemente, e você é o tipo cuja reação é bater em outras pessoas, sugiro a seguinte técnica. Assim que você sentir que está perdendo o controle, conte até dez, respire profundamente e morda sua língua para não falar.

Minha mãe costumava empregar uma técnica diferente comigo. Quando eu a irritava, até mesmo quando ela estava muito brava comigo, em vez de me insultar ou me dizer coisas difíceis, ela gritava: “Deus te abençoe, Ivonne, Deus te abençoe”. Eu penso que eu devo tê-la irritado com muita frequência, porque Deus realmente me abençoou muito!

São leitores como você que contribuem para a missão da Aleteia

Desde o início de nossas atividades, em 2012, o número de leitores da Aleteia cresceu rapidamente em todo o mundo. Estamos comprometidos com a missão de fornecer artigos que enriquecem, informam e inspiram a vida católica. Por isso queremos que nossos artigos sejam acessados por todos. Mas, para isso, precisamos da sua ajuda. O jornalismo de qualidade tem um custo (maior do que o que a propaganda consegue cobrir). Leitores como você podem fazer uma grande diferença, doando apenas $ 3 por mês.