Aleteia

O papel da tradição na moralidade

FIRE,SUNSET,LAKE
Shutterstock
Compartilhar

Afirmar que a tradição também é um guia para nossas preocupações e compromissos atuais não é tão comum

O papel que a tradição desempenha em nossa educação moral é facilmente reconhecido. Basta apenas um momento de pensamento para perceber os nossos costumes e preferências diárias, as regras e os códigos que nos ajudam a distinguir entre o certo e o errado, e até mesmo nossos pensamentos mais profundos sobre a condição humana e o destino geral da humanidade não são menos tradicionais do que a linguagem que nós falamos, as roupas que usamos, ou o tipo de comida que comemos. Nós não encontramos esses modos, regras e pensamentos por conta própria; eles nos foram dados e a educação moral não é mais do que o processo de aprender o nosso caminho sobre essa peculiar herança imaterial. Como disse Gustav Mahler: “a tradição não é o culto das cinzas, mas a preservação do fogo”.

A afirmação de que a moralidade é passada de geração em geração é uma moeda comum, mas não é tão comum afirmar que a tradição desempenha outro papel, além de explicar como chegamos a ter nossas crenças morais, que não é apenas o meio através do qual essas crenças foram dadas a nós, mas também um guia para nossas preocupações e compromissos atuais.

É preciso muito mais reflexão (e experiência de vida) para perceber que as regras e ideias sobre o comportamento que nos foi dado não podem ser desvinculadas dos pensamentos e reflexões dos antepassados ​​que os formularam pela primeira vez.

Ideias morais não são coisas mortas nem regras morais, relatórios simples de realizações passadas. Sustentando todos e cada um deles, encontra-se o pensamento global e abrangente desses grandes homens; eles são o produto de suas meditações e trabalho.

Toda ideia moral, toda sentença moral que atravessa nosso caminho nos atrai para aprofundar e refletir sobre o significado das coisas, imaginar como nossos antepassados ​​conceberam a natureza humana e pensaram sobre o que achavam que era perigoso e infrutífero, e porque sentiram a necessidade de emitir um conselho e um aviso para a vida. Ser moralmente consciente é não repetir padrões e seguir regras de conduta de forma mecânica e instintiva: é conhecer os motivos por trás dessas regras e, não menos importante, conhecer suas limitações.

Lamentavelmente, parece que é só em tempos de dificuldade e incerteza quando começamos a perceber que a tradição é uma realidade viva e operativa. Pensando nas experiências dos franceses no meio do regime de Vichy e da Segunda Guerra Mundial, Simone Weil escreveu:

“Na atmosfera de angústia, confusão, solidão, desenraizamento em que os franceses se encontram, todas as lealdades, todos os apegos valem a pena preservar como tesouros de infinito valor e raridade, vale a pena cuidar das plantas mais delicadas”.

Em momentos difíceis, começamos a procurar orientação e modelos que podem nos ajudar a lidar com nossos enigmas e é só nesse momento que percebemos que todas essas ideias morais que nos foram dadas são produto de pessoas que passam pelo mesmo tipo de problemas que enfrentamos agora. É tarefa da mente educada não só preservar o que é valioso em sua tradição moral, mas transformar essas coisas valiosas em uma experiência espiritual verdadeira e genuína.

Boletim
Receba Aleteia todo dia