Receba o boletim diário da Aleteia gratuitamente no seu email.

Aleteia

Um relacionamento pode sobreviver ao abuso psicológico?

© Diego Cervo/SHUTTERSTOCK
Compartilhar

O arrependimento não é suficiente: é necessária uma verdadeira vontade de mudar e curar as feridas

O abuso psicológico é uma realidade terrível que muitas pessoas guardam em segredo e em silêncio. Ele tende a acontecer mais em relações de poder diferentes, onde um membro do casal é mais dominante, enquanto o outro perde sua liberdade gradualmente.

Primeiro, vamos ser claros: o abuso psicológico é um comportamento desagradável que não deve ser tolerado. Precisamos estar informados e conscientes, porque a violência psicológica aumenta ao longo do tempo. O que começa pequeno pode crescer e se transformar em uma espiral de destruição.

Quando há abuso, há duas pessoas que têm problemas: o abusador e o abusado. Os abusadores podem ter alguma forma de doença mental, mas, na maioria dos casos, eles são vítimas de feridas emocionais profundas que eles podem nem estar cientes. A sua infância é, muitas vezes, marcada por abusos e relações familiares tóxicas. As pessoas repetem e reproduzem o que viveram nos seus anos formativos, às vezes mesmo sem estar ciente disso.

Essas pessoas realmente não sabem como formar relacionamentos saudáveis, por isso são incapazes de amar os outros com verdadeira liberdade e carinho.

As três fases do abuso

O abuso geralmente ocorre em três estágios.

Primeiro há uma fase de tensão crescente à medida que os conflitos diários crescem. Depois, há uma fase explosiva após todas as tensões acumuladas, que o agressor explode emocionalmente, muitas vezes por agressão física, verbal, emocional ou sexual. E, em terceiro lugar, há uma fase de remorso, o agressor se desculpa por seus atos e reconhece a agressão que perpetrou. No entanto, seu sentimento de culpa magoa sua autoestima, o que o leva a iniciar o ciclo trifásico novamente.

Os tipos e os estágios do abuso geralmente estão ligados a sintomas claros de transtorno de personalidade por parte do agressor e, ao longo do tempo, a vítima enfraquece psicologicamente, começando a sofrer esses mesmos distúrbios.

O agressor se arrepende e promete não fazê-lo novamente, mas é apenas um arrependimento temporário, porque a causa de seu comportamento não foi curada.

Portanto, é muito importante ser claro: uma pessoa que abusa de outra tem transtorno comportamental e afetivo e precisa de ajuda profissional. O arrependimento não é suficiente: o abusador precisa ter uma vontade genuína de mudar e curar suas feridas.

Se você é uma vítima em potencial lidando com alguém que está mostrando sinais de comportamento abusivo, você deve agir estabelecendo limites claros. Os gritos não devem ser permitidos no relacionamento, e o silêncio nem sempre é a melhor resposta. No caso de violência física ou sexual de qualquer tipo, você deve reagir com firmeza. Se o caso o exigir, o agressor deve ser informado às autoridades.

Quem age dessa maneira uma vez fará isso de novo. Os abusadores raramente mudam por conta própria; sua personalidade tem características psicológicas bem definidas que se tornam parte de seu estilo de vida.

Consequências do abuso psicológico para a vítima

O abuso psicológico enfraquece e mina profundamente as vítimas, que são cada vez mais incapazes de se defender e de se livrar de problemas.

Geralmente acontece assim: em uma primeira fase do abuso, a vítima geralmente resiste, mas no final, ele ou ela cede ao agressor. A vítima tenta entender o que está acontecendo e eles tentam dialogar com seu agressor para encontrar soluções. Mas, o diálogo verdadeiro não é realmente possível porque, no fundo, o agressor não quer ouvir e mudar. Em seguida, a vítima tenta adaptar-se às demandas do agressor, para evitar conflitos e manter o abusador feliz. Ele ou ela está confuso com as súbitas mudanças de comportamento do agressor.

Presas em uma espiral de violência imprevisível, as vítimas muitas vezes sofrem uma série de efeitos psicológicos: começam a questionar seu próprio modo de ser, tentando justificar o agressor e duvidando a validade de seu próprio comportamento pessoal. Isso leva ao desenvolvimento de sentimentos de inferioridade por parte da vítima e à tendência de cair na dependência emocional.

Uma situação de abuso psicológico prolongado pode ter um impacto muito negativo na psicologia e no estilo de vida da vítima. As vítimas de abuso sofrem tensão e estresse, com efeitos colaterais como fadiga, distúrbios do sono, nervosismo e irritabilidade, dores de cabeça, distúrbios digestivos e de ansiedade etc., até chegarem ao ponto de estar clinicamente deprimidos, quando se sentem incapazes de se defenderem ou mudar a situação.

Obviamente, ao longo do tempo, seus outros relacionamentos começam a desgastar, e, às vezes, caem em desculpas, desânimo e desinteresse como resultado de sua grande insegurança e falta de autoconfiança, sua maior dependência emocional do agressor e seus sentimentos generalizados de culpa.

O que fazer se houver agressão entre cônjuges 

Lembre-se do princípio fundamental que mencionamos no início: o abuso – seja emocional, psicológico ou físico – nunca deve ser tolerado. Depois de detectá-lo, você deve reagir, por respeito a você mesmo e para defender seus filhos.

O primeiro passo é não se permitir ser abusado por mais tempo. Aceitar o abuso é aceitar uma grave injustiça humana. Se você é vítima de abuso, não deve se sentir culpado, como se tivesse de alguma forma trazido isso ou merecesse isso. Ninguém merece ser abusado, e você não trouxe isso para você mesmo.

Quando você não se sente capaz de mudar a situação por sua conta, é melhor procurar ajuda. Volte para sua família, amigos íntimos ou um psicólogo competente e confiável. Não tenha medo de abrir e falar sobre isso. Nunca fique em silêncio sobre a dor que sente no interior. A abertura significa que você aceitou que existe um problema e que você, como vítima, não é necessariamente a causa.

Lembre-se de que o abuso emocional tem suas raízes na infância, tanto em abusadores quanto em vítimas que não sabem como se defenderem.

Outro passo importante é reconhecer que o abuso envolve duas pessoas. Quando alguém se torna abusivo, a vítima precisa tomar a iniciativa de definir claramente os limites do que está acontecendo e reagir para não permitir isso ou sair do relacionamento abusivo.

É importante abordar a questão com o agressor de forma calma e clara, e se isso não for possível (ou se falhar), proceda com o conselho mencionado acima (obtenha apoio familiar, ajuda psicológica, informe o agressor às autoridades etc.).

Quando o agressor realmente quiser mudar, ele ou ela vai mostrar isso com ações, buscando ajuda psicológica pessoal, fazendo terapia de casais e mostrando arrependimento sincero por seu comportamento. Se isso não acontecer e o comportamento abusivo continuar, é hora de considerar a possibilidade de uma separação, para o bem da vítima e das crianças. Um abusador não tem o direito de destruir a vida de outros.

Este artigo foi escrito em colaboração com Javier Fiz Pérez, psicólogo, professor de psicologia da Universidade Europeia de Roma, delegado para o Desenvolvimento Científico Internacional e chefe da Área de Desenvolvimento Científico do Instituto Europeu de Psicologia Positiva (IEPP).