Sem condições de apoiar?

Veja 5 formas de você ajudar a Aleteia

  1. Reze por nossa equipe e pelo êxito de nossa missão
  2. Fale sobre a Aleteia em sua paróquia
  3. Compartilhe os artigos da Aleteia com seus amigos e familiares
  4. Desative o bloqueio de publicidade quando nos visitar
  5. Inscreva-se para receber nosso boletim gratuito e leia-nos diariamente

Obrigado!
Redação da Aleteia

Enviar

Aleteia

A dor da infertilidade e a indignidade da Fertilização In Vitro

IVF
Shutterstock
Compartilhar

O ensinamento da Igreja tem sentido porque a alternativa é desumana

Quando eu me converti ao catolicismo, os ensinamentos da Igreja sobre Fertilização In Vitro (FIV) me deixaram perplexa. Por toda a ênfase na abertura à vida e na oposição à contracepção que aprendi no RCIA (Rite of Christian Initiation for Adults), parecia antitético negar a possibilidade de conceber uma nova vida para os casais que lutavam contra a infertilidade.

Eu havia compreendido o ensinamento intelectualmente – o sexo dentro do casamento tem um significado unitivo e procriador, então, enquanto a contracepção tira o aspecto procriador, a FIV substitui completamente o ato sexual. Qualquer uma dessas escolhas é ruim para um casal e pode ser prejudicial para um casamento.

Isso fez sentido logicamente, mas a totalidade dos ensinamentos da Igreja nunca fez tanto sentido para mim até eu ler o artigo de Garance Doré em Lenny Letter sobre falha na FIV. Doré explica que não considerou ter um filho até seus 30 anos, e ela tinha 40 anos quando começou a tentar ativamente. Ela detalha meses de esteroides, hormônios, injeções, FIV e como ela se sentiu quando os dois embriões implantados não prosperaram:

“Eu estava devastada. Nada me preparou para isso. Nada me preparou para um ano de hormônios tóxicos, conversas tóxicas e pensamentos tóxicos. Um ano sobre o qual perdi minha mente, minha alegria, meu amor”.

É um artigo difícil de ler. Eu enxerguei seu sofrimento, odiando o quão incrivelmente desumano o negócio de fazer bebês em laboratórios e clínicas parece ser. Em um ponto, Doré até se comparou a “um animal ferido escondido no canto da casa”, tentando encontrar um lugar não castrado na barriga para uma injeção. Seu noivo ecoou isso após a falha da FIV: “Eu quero que você pare de se tratar como um rato de laboratório”, ele disse.

O ensinamento da Igreja sobre a vida é lindo precisamente porque não faz isso. A abertura à vida não significa que um casal deve ter um bebê a qualquer custo; simplesmente significa que um casal deve estar aberto à vida como vier. Talvez isso signifique um bebê, ou vários bebês. Talvez não. Mas toda vida é preciosa, e todo ser humano possui dignidade inerente. Transformar a criação de uma nova vida em um processo clínico frio pode nos tirar dessa dignidade, como Doré experimentou tão dolorosamente.

Mas tratar a infertilidade nem sempre tem que ser desumano. Na verdade, a Igreja tem feito progressos promissores no desenvolvimento de tratamentos de infertilidade morais e efetivos, e métodos de rastreamento de fertilidade mais efetivos. NaPro Technology foi desenvolvida após mais de 30 anos de estudo de variações normais e anormais nos ciclos menstruais e de fertilidade e aborda as causas profundas da infertilidade. É muito bem sucedido e altamente considerado pelos pacientes e suas famílias.

FEMM é o mais recente rastreador de fertilidade baseado em aplicativos. Muito longe do método do ritmo de algumas décadas atrás, o FEMM é um programa abrangente de saúde da mulher que ajuda as mulheres a monitorar sua saúde geral com base no papel central da endocrinologia reprodutiva. A FEMM não é apenas um método para alcançar ou evitar a gravidez – pode ajudar a diagnosticar e tratar tudo, desde ovários policísticos e endometriose até enxaquecas e disfunção tireoidiana.

Claro, nem todos os casos de infertilidade podem ser curados. Eu tenho amigos que lutaram brutalmente com essa dor, e eu não sonharia sugerir que isso não fosse outra coisa senão uma cruz terrível. Mas eu também sei que Cristo nos pede para assumir nossa cruz, não encontrar uma maneira de contorná-la – e eu estou começando a ver que, no final, as maneiras pelas quais tentamos escapar de nossas cruzes podem ser piores do que suportá-las.

Doré parece ter encontrado uma medida de paz ao abandonar os tratamentos de fertilização in vitro, e espero que a paz continue. Espero que todas as mulheres e casais que sofram infertilidade possam encontrar a mesma paz, sabendo que não sofrem sozinhos e seu sofrimento não é em vão.

Santa Rita de Cássia, padroeira da infertilidade, rogai por nós!