Sem condições de apoiar?

Veja 5 formas de você ajudar a Aleteia

  1. Reze por nossa equipe e pelo êxito de nossa missão
  2. Fale sobre a Aleteia em sua paróquia
  3. Compartilhe os artigos da Aleteia com seus amigos e familiares
  4. Desative o bloqueio de publicidade quando nos visitar
  5. Inscreva-se para receber nosso boletim gratuito e leia-nos diariamente

Obrigado!
Redação da Aleteia

Enviar

Aleteia

Podemos atribuir um nome ao nosso anjo da guarda? Não: saiba por quê

ANGEL
Public Domain
Compartilhar

A devoção aos anjos é legítima e reconhecida pela Igreja, mas também existem nela certos riscos de desvios que é preciso entender e evitar

A Igreja acredita e ensina que todo ser humano é acompanhado por um anjo da guarda desde o instante da sua concepção e, por consequência, reconhece a devoção popular aos anjos da guarda como legítima.

Em seu número 328, o Catecismo da Igreja Católica define os anjos como “seres espirituais, não corporais”, e acrescenta que eles “são dotados de inteligência e vontade: são criaturas pessoais (Pio XII, Enc. Humani generis: DS 3891) e imortais (Lc 20,36). Excedem em perfeição todas as criaturas visíveis”.

No entanto, a Igreja também observa que existe na devoção aos anjos da guarda certo risco de “desvios“, em particular no sentido de “adorá-los” indevidamente ou de deturpar a devoção a eles em meras práticas supersticiosas.

Um desvio em particular é mencionado no Diretório sobre a Piedade Popular e a Liturgia, publicado em 2002 pela Congregação para o Culto Divino e para a Disciplina dos Sacramentos: o costume que algumas pessoas têm de dar um nome particular ao seu anjo da guarda.

As Sagradas Escrituras mencionam explicitamente os nomes dos arcanjos Miguel, Gabriel e Rafael, omitindo inclusive os dos outros quatro arcanjos cuja existência também é mencionada.

Na relação devocional de cada fiel com o seu anjo da guarda o que se destaca, em essência, é a presença amorosa e protetora de Deus, que cuida de nós diretamente e também mediante os Seus anjos.

Ao “inventarmos” um nome subjetivo e sem embasamento para o nosso anjo da guarda, estamos desviando essa devoção de modo a torná-la superficial, ignorando a natureza própria desse anjo e “criando” uma visão em que o reduzimos ao alcance do nosso “capricho”, da nossa “livre interpretação” sobre quem ele é.

Na própria oração ao anjo da guarda fica bem claro que ele é um anjo “do Senhor”, a quem a divina piedade nos confiou para que nos acompanhe e zele por nós:

Santo Anjo do Senhor,
meu zeloso guardador,
se a ti me confiou a piedade divina,
sempre me rege, guarda, governa e ilumina.
Amém.

Em latim:

Ángele Dei,
qui cústos es mei,
me, tíbi commíssum pietáte supérna,
hódie illúmina, custódi, rége et gubérna.
Ámen.

Tags:
Anjos
São leitores como você que contribuem para a missão da Aleteia

Desde o início de nossas atividades, em 2012, o número de leitores da Aleteia cresceu rapidamente em todo o mundo. Estamos comprometidos com a missão de fornecer artigos que enriquecem, informam e inspiram a vida católica. Por isso queremos que nossos artigos sejam acessados por todos. Mas, para isso, precisamos da sua ajuda. O jornalismo de qualidade tem um custo (maior do que o que a propaganda consegue cobrir). Leitores como você podem fazer uma grande diferença, doando apenas $ 3 por mês.