Sem condições de apoiar?

Veja 5 formas de você ajudar a Aleteia

  1. Reze por nossa equipe e pelo êxito de nossa missão
  2. Fale sobre a Aleteia em sua paróquia
  3. Compartilhe os artigos da Aleteia com seus amigos e familiares
  4. Desative o bloqueio de publicidade quando nos visitar
  5. Inscreva-se para receber nosso boletim gratuito e leia-nos diariamente

Obrigado!
Redação da Aleteia

Enviar

Aleteia

Este adolescente é feliz cuidando da sua família doente

ROBERTO MOLINARI
Compartilhar

Exemplo para os jovens, Roberto ganhou o título de "Cidadão do Ano" em sua cidade

Muitos adolescentes de hoje em dia mal conseguem cuidar de si mesmos, que dirá de outra pessoa.

Mas o italiano Roberto Molinari tem dedicado a vida ao serviço dos próprios pais e da irmã caçula desde os 7 anos de idade, chegando a se tornar, na prática, ninguém menos que o “chefe da família”.

Nem sempre foi assim: ele teve uma infância normal. Mas, a certa altura, uma doença degenerativa começou a limitar a mobilidade de sua mãe, que, em pouco tempo, se viu confinada em casa. Em paralelo, o pai foi diagnosticado com uma séria doença cardíaca e a irmã mais nova com um distúrbio autoimune.

O único membro da família livre de doenças crônicas e de dor era ele. Foi assim que Roberto passou a assumir responsabilidades cada vez mais pesadas sobre os seus ombros tão jovens.

O dia-a-dia de Roberto inclui hoje fazer as compras, cozinhar, limpar a casa, cuidar dos pais e ajudar a irmã na lição de casa. Além de todas as responsabilidades familiares inusuais para um adolescente, ele conseguiu manter uma vida pessoal ativa e alegre, incluindo a participação num time de futebol, e sem comprometer o rendimento acadêmico: ele obtém excelentes notas na escola.

A excepcional empatia de Roberto chamou muitas atenções para a sua casa. Seu município, Spino d’Adda, lhe concedeu recentemente o título de “Cidadão do Ano“.

Mas Roberto não se considera ninguém fora do comum. Para ele, cuidar da família é uma fonte de alegria:

“Esta é a minha felicidade. Eu sou um menino normal”.

Talvez a mais urgente das lições de Roberto seja precisamente essa: o quanto a felicidade está ligada à normalidade do cotidiano, que inclui, necessariamente, a disposição de servir aos outros mais do que a nós mesmos.

O mundo está precisando desse lembrete – e de mais Robertos Molinaris dentro das casas de família.