Aleteia logoAleteia logo
Aleteia
Domingo 17 Janeiro |
home iconAtualidade
line break icon

Estresse pós-traumático aumenta entre soldados britânicos

SOLDIERS

Bumble Dee / Shutterstock

Agências de Notícias - publicado em 08/10/18

A taxa total provável de TEPT é de 9% entre os veteranos

A proporção de soldados britânicos que sofrem transtorno do estresse pós-traumático (TEPT) aumentou nos últimos anos, particularmente entre aqueles que serviram no Iraque e no Afeganistão, segundo um relatório publicado nesta segunda-feira.

Um total de 6% do efetivo atual ou passado do Exército britânico sofria estresse pós-traumático em 2014/2016, dois pontos percentuais a mais do que em 2004/2006, aponta este estudo realizado pelo Centro de Investigação sobre a Saúde Militar do King’s College de Londres.

Os resultados do estudo, publicado na British Journal of Psychiatry, mostram que os soldados na linha de frente são os mais afetados por esse transtorno, que também atinge aqueles que já deixaram o serviço militar.

O aumento de TEPT é especialmente alto entre os que combaterem no Iraque e no Afeganistão: “17% reportou sintomas indicativos de TEPT, em comparação aos 6% entre os efetivos mobilizados em funções de apoio como medicina, logística, sinalização e navegação”, ressalta o estudo.

A taxa total provável de TEPT é de 9% entre os veteranos dessas duas guerras, frente aos 5% para os veteranos que não serviram nesses conflitos.

Entre os militares atualmente em serviço, a provável taxa de TEPT é de 5%, perto da taxa observada entre a população em geral, acrescenta.

“Pela primeira vez constatamos que o risco de estresse pós-traumático entre os ex-combatentes mobilizados em conflitos é muito superior ao registrado pelos soldados que continuam em serviço”, explicou a médica Sharon Stevelink do Instituto de Psicologia, Psiquiatria e Neurociências, citada em um comunicado do King’s College.

Uma das explicações é, segundo os pesquisadores, que os soldados que sofrem transtornos mentais tendem, em maior medida, a deixar o Exército.

O estudo, financiado pelo ministério da Defesa britânico, começou em 2003 e nesta terceira fase incluiu 8.093 participantes, 62% dos quais serviram no Iraque ou no Afeganistão.

(AFP)

Apoiar a Aleteia

Se você está lendo este artigo, é exatamente graças a sua generosidade e a de muitas outras pessoas como você, que tornam possível o projeto de evangelização da Aleteia. Aqui estão alguns números:

  • 20 milhões de usuários no mundo leem a Aleteia.org todos os meses.
  • A Aleteia é publicada em 8 idiomas: Português, Francês, Inglês, Árabe, Italiano, Espanhol, Polonês e Esloveno.
  • Todo mês, nossos leitores acessam mais de 50 milhões de páginas na Aleteia.
  • 4 milhões de pessoas seguem a Aleteia nas redes sociais.
  • A cada mês, nós publicamos 2.450 artigos e cerca de 40 vídeos.
  • Todo esse trabalho é realizado por 60 pessoas que trabalham em tempo integral, além de aproximadamente 400 outros colaboradores (articulistas, jornalistas, tradutores, fotógrafos…).

Como você pode imaginar, por trás desses números há um grande esforço. Precisamos do seu apoio para que possamos continuar oferecendo este serviço de evangelização a todos, independentemente de onde eles moram ou do quanto possam pagar.

Apoie Aleteia a partir de apenas $ 1 - leva apenas um minuto. Obrigado!

Top 10
Aleteia Brasil
Na íntegra: as três partes do Segredo de Fáti...
UNPLANNED
Jaime Septién
Filme contra o aborto arrasa nas bilheterias ...
BABY BAPTISM
Padre Reginaldo Manzotti
Por que é tão importante batizar uma criança?
Deserto de Negev
Francisco Vêneto
Pedra de 1.400 anos com inscrição mariana é e...
KRZYŻYK NA CZOLE
Beatriz Camargo
60 nomes de bebês que carregam mensagens pode...
Reportagem local
Papa Francisco: cuidado com os cristãos que s...
POPE JOHN PAUL II
Philip Kosloski
"Não tenhais medo": a frase mais usada por Sã...
Ver mais
Boletim
Receba Aleteia todo dia