Receba o boletim diário da Aleteia gratuitamente no seu email.

Aleteia

Medo de mudança? Aqui estão 8 dicas para superá-lo

© Shutterstock
Compartilhar

Uma atitude positiva e otimista é o ingrediente principal para abraçar a mudança e dar boas-vindas ao que há de novo

Imaginamos que, quando tivermos o que nos falta ou conseguirmos tudo que queremos, então seremos completamente felizes. No entanto, ao mesmo tempo, resistimos às mudanças. Por quê? Isso não faz sentido, uma vez que, para conseguir algo novo, devemos estar necessariamente dispostos a fazer algo diferente – a mudar.

A verdade é que a única constante na vida é a mudança. Ou seja, é a única realidade permanente. Naturalmente, teremos medo cada vez que nos aproximarmos dos limites da nossa zona de conforto, mas este é precisamente o grande desafio que todos enfrentamos: transformar o medo – neste caso, o medo da mudança – em amor e oportunidade. Uma atitude positiva e otimista é o ingrediente principal para abraçar a mudança e dar as boas-vindas ao que há de novo.

A mudança cria medo e incerteza porque o que estamos enfrentando – essa nova realidade, o que virá ou o que será – é desconhecido para nós. Enquanto viajamos pelo caminho da mudança, especialmente se essa mudança vem com um grande sofrimento, podemos perder a nossa esperança, o nosso entusiasmo, os nossos sonhos, a nossa felicidade e até a nossa fé. Para manter o equilíbrio, precisamos dessa maravilhosa qualidade chamada resiliência, para que possamos continuar.

Para ser preenchidos, primeiro devemos nos esvaziar. Você não pode preencher uma xícara de café, a menos que esteja vazia. A mudança é um convite para reajustar nossas vidas, para viver de forma diferente. É difícil para todos – pessoas de fé, ateus, psicólogos etc. – aceitar mudanças e deixar a nossa zona de conforto. E, é claro, viver dentro da nossa zona de conforto é delicioso: tudo na vida está indo bem e da maneira que gostamos. Pode haver uma mudança ou duas, mas sem outros problemas ou consequências.

O que posso fazer para que a mudança que enfrento hoje seja tão suportável quanto possível, e para que o desapegar não seja tão doloroso? O fato é que, quanto mais apegos nós tivermos, mais sofrimento nós experimentamos.

A diferença dependerá se eu me desapego com amor e em paz, ou com medo e com tudo o que vem disso: raiva, irritação, rancor, sensação de vitimização, impaciência etc. Faz uma enorme diferença se eu desapegar com gratidão ou contra a minha vontade; se eu agradeço porque tive essa coisa ou experiência, ou se me sinto triste porque já se foi. Depois de caminhar por uma trilha, o que resta é a memória do que experimentamos.

A mudança implica que perdemos algo e, ao mesmo tempo, ganhamos algo. Cada final traz consigo o presente de uma nova oportunidade, um novo começo. A coisa mais difícil de enfrentar na mudança é tentar ajustar-se ao que é novo em nossas vidas de forma equilibrada e manter a calma no meio de um tsunami de emoções. É difícil, mas é possível.

Estou compartilhando essas dicas com você para que você possa aproveitar ao máximo a mudança que você pode enfrentar.

Mude sua atitude

Você pode escolher ser apegado ao seu passado – para o que foi, não existe mais, ou já não é possível (apenas lembre-se que se você não desapegar, você não pode seguir em frente). Ou você pode enfrentar o que está acontecendo, abraçando suas novas circunstâncias. Isso não significa que não será doloroso; o que significa é que sua mudança de atitude prepara todo o seu ser para receber o que há de novo com seu melhor sorriso.

Reconheça o que você sente

Se o que sente é medo, reconheça-o e aceite-o. Lembre-se que não é nem bom nem ruim ter medo. Aqui, o que importa é o que você faz com o que sente. O medo é como uma espécie de energia dentro de nós que tem o poder de nos paralisar ou de nos dar asas para que possamos alcançar nossos sonhos. Para que você quer usar seu medo?

Mudar “por que eu?” para “aonde isso está me conduzindo?” e encontrar significado na situação

Tudo nesta vida serve para um propósito. Abra os olhos do seu espírito e encontre as respostas. Lembre-se que o problema pode não ser o problema, mas como você interpreta isso.

Aceite a mudança, mesmo que venha com uma tempestade

Somente se você aceitar o sofrimento você pode se recuperar no amor, porque parte da felicidade tem a ver com deixar as coisas acontecerem para que você possa receber novamente. Se você pode ver um final que vale a pena, você pode suportar os meios com mais facilidade.

Mude sua maneira de pensar

Tome a mudança como uma nova aventura que a vida está oferecendo para que você possa ser uma pessoa ainda melhor e continuar a tornar o mundo um lugar melhor. Tente ver as coisas de uma perspectiva sobrenatural, sem deixar de ser realista. Por exemplo, digamos que você tem que lidar com a mudança para uma nova cidade, e você é um conselheiro matrimonial profissional. Pense no fato de que, aonde você está indo, certamente já tem muitos casais com problemas. Sua tarefa será encontrá-los e atendê-los.

Tenha cuidado com seus pensamentos

Enquanto você está no meio do processo de mudança, tente viver um dia de cada vez. Não crie muitas hipóteses sobre o futuro ou pense: “O que vou fazer?”. Muito menos você deve permanecer mentalmente no passado, cheio de nostalgia. Lembre-se de que Deus está na situação real, não na sua imaginação. Cada dia tem problemas suficientes.

Diga adeus amorosamente

A gratidão é uma característica que nos permite estar mais dispostos a amar. Seja qual for a causa da mudança, e mesmo que essa nova benção chegue em lágrimas e tristeza, ouse dar graças sempre.

Confie nos planos perfeitos que Alguém tem para você

É bom para você dizer a Deus como você se sente, quão frustrado você está por esta mudança nos planos etc. Peça para Ele força para enfrentar qualquer mudança pacificamente e aceitar Sua vontade com muito amor e paciência.

Deixe o passado que não permite que você viva no presente de uma forma santa, pacífica e harmoniosa. Se você estiver ancorado no passado, será muito difícil para você construir um futuro melhor. Lembre-se de que, para deixar ir, você tem que abrir os braços, e quando você abri-los, eles também são um sinal de boas-vindas. Enfrente esta mudança que é tão difícil de aceitar e diga: “Bem-vinda. Estou pronto para recebê-la com amor e abraçar todas as bênçãos que você traz”.

Pedi força, e Deus me deu dificuldades para me fortalecer.
Pedi sabedoria, e Deus me deu problemas para resolver.
Pedi prosperidade, e Deus me deu inteligência e habilidades para que eu pudesse trabalhar.
Pedi coragem, e Deus me deu perigos para superar.
Pedi paciência, e Deus colocou-me em situações em que fui forçado a aguardar.
Pedi amor, e Deus me deu pessoas com problemas para poder ajudar.
Pedi favores, e Deus me deu oportunidades.
Pedi tudo para poder aproveitar a vida.
Em troca, Ele me deu vida para que eu pudesse aproveitar tudo.
Não recebi nada do que eu pedi, mas recebi tudo o que eu precisava. – Autor desconhecido