Aleteia logoAleteia logo
Aleteia
Quarta-feira 20 Outubro |
São Cornélio
Aleteia logo
home iconEstilo de vida
line break icon

AIDS, preservativos falhos e castidade

© Shutterstock

Vanderlei de Lima - publicado em 10/10/18

Importantes pontos para sadia reflexão em um mundo voltado a aventuras, comprovadamente, perigosas

Vez ou outra, algum pesquisador expõe sua análise sobre falhas encontradas no preservativo masculino. Desmente, assim, cientificamente, o lema quase inquestionável segundo o qual a “camisinha” seria 100% segura para barrar o vírus HIV, da AIDS.

A mais recente que temos foi publicada por Religión en Libertad, no dia 19 de julho último, online, com o título Un informe de la Administración francesa cuestiona la eficacia del preservativo para frenar el VIH.

O referido estudo – elaborado pelos doutores Gilles Duhamel e Aquilino Morelle – questiona a eficácia dos preservativos na prevenção da infecção pelo HIV. Demonstra não ser ele, de modo algum, 100% seguro. Tem eficácia de reduzir para 80% o risco de contágio nas relações entre homem e mulher e para 70% nos parceiros do sexo masculinos. Isso faz parte do que o trabalho considera uma “situação epidêmica grave e preocupante”, na França, com 6000 novas infecções a cada ano e “concentrada, há mais de 35 anos desde o seu aparecimento, na população de homens que fazem sexo com outros homens”.

Para o autor da matéria, “o relatório invalida o discurso dominante em três pontos. Primeiro, questiona as campanhas de prevenção do HIV com base em um método com probabilidades de cerca de 20 a 30% de falha. Em segundo lugar, usa as expressões ‘epidemia’ e ‘pandemia’, termos que fogem a abordagens ideológicas. Finalmente, lembra que a infecção está ‘concentrada’ na população masculina que tem relações com pessoas do mesmo sexo”. Daí a pergunta: quem, em sã consciência, tomaria avião de uma empresa na qual a cada 100 decolagens 20 a 30 acabam em desastre fatal?

Em sentido contrário à França, temos o pouco divulgado caso da Uganda. Aquele país da África, em vez de preservativos falhos, optou pela guarda da castidade. Tudo começou quando Yoweri Museveni, presidente da Uganda, afirmou: “Os médicos me disseram que a doença não tinha cura, mas fiquei aliviado. A AIDS não é tão contagiosa quanto a sars ou o ebola. Não se pega no ônibus ou num aperto de mão. A AIDS é uma doença disseminada, principalmente, pelo sexo desprotegido. Se as pessoas soubessem disso, poderiam evitá-la. Então, batemos os tambores [costume das aldeias – nota nossa] e demos o alarme”. A partir daí, uma intensa propaganda teve início. Dizia: “A AIDS é transmitida por relações sexuais… Você precisa se proteger… Não vale a pena morrer por sexo”. Além disso, o lema: “Voltinhas zero. Fique com seu parceiro”.

O resultado eficaz não tardou vir: na escola, o número de meninos entre 13 e 16 anos que tinha vida sexual ativa caiu de 61%, em 1994, para 5%, em 2001. As meninas que mantinham relações sexuais despencou de 24% para 2%, no mesmo período. Mais: em 1995, apenas cerca de 50% dos casais eram fieis no relacionamento; em 2001, 97% dos homens e 88% das mulheres eram fiéis. Já o número de homens que admitia manter casos aventureiros caiu 50% de 1989 a 2001 (cf. Seleções, janeiro de 2004, p. 59-62).

Para o Dr. Leopoldo Salmaso, infectologista no Hospital de Pádua, Itália, quem vive a castidade reduz em ao menos 10.000 vezes o risco de contágio pelo HIV, conforme bons peritos, mas, por razões ideológicas, isso quase não é devidamente divulgado (O Lutador, 14-20/01/1996, p. 3). Será porque – de modo direto – contraria a mentalidade reinante e a forte indústria do preservativo amplamente difundido e – de forma indireta – valoriza a tão combatida castidade?

Pergunta-se, por fim: afinal, que se entende e como se pratica a castidade? – A castidade é a regulamentação natural – e sobrenatural, no 6º Mandamento da Lei de Deus (cf. Êx 20, 14; Dt 5,18; Mc 10,9 etc.) –, do forte instinto sexual humano. Para solteiros é a abstenção das relações sexuais e para casados é a relação sexual exercida dentro do matrimônio aberto, com responsabilidade, à geração de filhos.

Eis importantes pontos para sadia reflexão em um mundo voltado a aventuras, comprovadamente, perigosas. Aqui, se tem um assunto no qual a Ciência confirma a tão atacada Moral Católica defensora da castidade.

Tags:
CastidadeSaúdeSexualidade
Apoiar a Aleteia

Se você está lendo este artigo, é exatamente graças a sua generosidade e a de muitas outras pessoas como você, que tornam possível o projeto de evangelização da Aleteia. Aqui estão alguns números:

  • 20 milhões de usuários no mundo leem a Aleteia.org todos os meses.
  • Aleteia é publicada diariamente em sete idiomas: inglês, francês,  italiano, espanhol, português, polonês e esloveno
  • Todo mês, nossos leitores acessam mais de 50 milhões de páginas na Aleteia.
  • 4 milhões de pessoas seguem a Aleteia nas redes sociais.
  • A cada mês, nós publicamos 2.450 artigos e cerca de 40 vídeos.
  • Todo esse trabalho é realizado por 60 pessoas que trabalham em tempo integral, além de aproximadamente 400 outros colaboradores (articulistas, jornalistas, tradutores, fotógrafos…).

Como você pode imaginar, por trás desses números há um grande esforço. Precisamos do seu apoio para que possamos continuar oferecendo este serviço de evangelização a todos, independentemente de onde eles moram ou do quanto possam pagar.

Apoie Aleteia a partir de apenas $ 1 - leva apenas um minuto. Obrigado!

Oração do dia
Festividade do dia





Top 10
1
VENEZUELA
Ramón Antonio Pérez
Quando a vida surge do abuso atroz a uma jovem deficiente
2
Pe. Zezinho
Reportagem local
Pe. Zezinho faz alerta sobre orações de cura e libertação
3
AVENIDO BROTHERS
Agnès Pinard Legry
Três irmãos são ordenados padres no mesmo dia
4
COMMUNION
Philip Kosloski
Oração ao seu anjo da guarda antes de receber a comunhão
5
MARRIAGE
Matrimonio cristiano
Beijar a aliança todos os dias: uma indulgência especial aos casa...
6
Aleteia Brasil
O segredo da cidade bósnia onde jamais houve um divórcio
7
Carlo Acutis
Gelsomino Del Guercio
“Ele fechou os olhos sorrindo”: foi assim que Carlo Acutis morreu
Ver mais
Boletim
Receba Aleteia todo dia