Receba o boletim diário da Aleteia gratuitamente no seu email.

Sem condições de apoiar?

Veja 5 formas de você ajudar a Aleteia

  1. Reze por nossa equipe e pelo êxito de nossa missão
  2. Fale sobre a Aleteia em sua paróquia
  3. Compartilhe os artigos da Aleteia com seus amigos e familiares
  4. Desative o bloqueio de publicidade quando nos visitar
  5. Inscreva-se para receber nosso boletim gratuito e leia-nos diariamente

Obrigado!
Redação da Aleteia

Enviar

Aleteia

Como imaginar uma inflação de 10.000.000%? Pense na Venezuela

VENEZUELANS
Compartilhar

A economia da Venezuela retraiu 14% no ano passado e deve recuar 18% neste ano

Como imaginar a vida com uma inflação de 10.000.000%? Quando isto acontece, um produto que custa 1 dólar passa a valer 100.000 dólares. Mas, na prática, existe alguma forma de calcular este impacto?

Depois de os preços subirem impressionantes 1.000% no ano passado, o Fundo Monetário Internacional (FMI) estima que a hiperinflação na Venezuela, país submetido a uma grave crise econômica, poderá chegar a 1.350.000% em 2018.

No relatório Perspectivas da Economia Mundial publicado na noite de segunda-feira, o Fundo prevê que em 2019 a alta dos preços vai extrapolar esse limite, chegando a impactantes 10.000.000%.

A situação é tão grave que a Venezuela foi excluída da média regional e da lista de mercados emergentes para não afetar as cifras.

Após anos de crise, com a indústria petroleira – pulmão da economia – estagnada, a ONU calcula que cerca de 1,9 milhão de pessoas abandonaram o país desde 2015.

A saída em massa de pessoas levou os migrantes a fugirem para países vizinhos, como Colômbia e Brasil, em busca de alimentos e medicamentos.

A economia da Venezuela retraiu 14% no ano passado e deve recuar 18% neste ano, mas a boa notícia é que há pouca margem para cair. Assim, a previsão para 2019, é uma retração de 5%, de acordo com o relatório do FMI.

O FMI estima que o PIB per capita tenha caído mais de 35% entre 2013 e 2017 e projeta queda próxima de 60% entre 2013 e 2023.

O FMI ainda previu que “a hiperinflação na Venezuela deverá piorar rapidamente, impulsionada pelo financiamento monetário de um déficit de grande escala e pela perda de confiança na moeda”.

A Venezuela desvalorizou sua moeda perto de 100% em 20 de agosto deste ano.

Excluindo a Venezuela, a inflação nos países emergentes e em desenvolvimento deve chegar a 5% este ano, estimou o FMI.

– Revisão para baixo –

Embora as notícias em outras latitudes não sejam tão sombrias, o FMI reduziu sua previsão de crescimento mundial no relatório, ajustando- a 0,2 ponto, a 3,7% este ano, e 0,2 ponto, a 3,7% em 2019. O principal motivo é a esperada desaceleração do comércio no contexto da guerra comercial EUA-China.

O FMI também reduziu suas previsões de crescimento para países emergentes e em desenvolvimento, em comparação com as estimativas publicadas em julho, para 4,7% para 2018 e 2019.

Para a América Latina e o Caribe, a previsão também sofreu e foi reduzida em 0,4 ponto, a 1,2%, para este ano, e de 0,4 ponto, a 2,2% para o próximo, segundo o relatório.

Para o Brasil, a maior economia da América do Sul, a entidade espera um crescimento de 1,4% em 2018 e de 2,4% em 2019. Com relação às previsões de julho, isso representa uma degradação de 0,4 ponto neste ano e de 0,1 ponto no próximo.

Entre os motivos, o FMI cita o aperto das condições financeiras e a greve dos caminhoneiros.

A Argentina não recebeu boas notícias: o FMI projeta uma retração de 2,6% em 2018, e a recessão continuará em 2019 com uma queda do PIB de 1,6%.

Esses dados contrastam com as previsões feitas em julho, quando o FMI ainda considerava um crescimento da economia argentina de 1,8% para 2018 e de 2,9% para 2019.

A moeda argentina perdeu 54% de seu valor em relação ao dólar neste ano, o que levou as autoridades a solicitarem assistência financeira ao FMI em junho, que foi posteriormente ampliada no final de setembro para um total de 57,1 bilhões de dólares.

Com relação à inflação, o FMI prevê que a acentuada depreciação da moeda causará um aumento nos preços de 31,8% em 2018 e 31,7% no ano seguinte.

Para o México, o Fundo prevê um crescimento de 2,2% para 2018 e 2,5% em 2019, ligeiramente abaixo das projeções de julho de uma expansão de 2,3% neste ano e de 2,7% no ano que vem.

(AFP)