Aleteia logoAleteia logo
Aleteia
Sábado 24 Julho |
home iconAtualidade
line break icon

Como imaginar uma inflação de 10.000.000%? Pense na Venezuela

VENEZUELANS

Carlos Rodríguez-ANDES-(CC BY-SA 2.0)

Agências de Notícias - publicado em 10/10/18 - atualizado em 10/10/18

A economia da Venezuela retraiu 14% no ano passado e deve recuar 18% neste ano

Como imaginar a vida com uma inflação de 10.000.000%? Quando isto acontece, um produto que custa 1 dólar passa a valer 100.000 dólares. Mas, na prática, existe alguma forma de calcular este impacto?

Depois de os preços subirem impressionantes 1.000% no ano passado, o Fundo Monetário Internacional (FMI) estima que a hiperinflação na Venezuela, país submetido a uma grave crise econômica, poderá chegar a 1.350.000% em 2018.

No relatório Perspectivas da Economia Mundial publicado na noite de segunda-feira, o Fundo prevê que em 2019 a alta dos preços vai extrapolar esse limite, chegando a impactantes 10.000.000%.

A situação é tão grave que a Venezuela foi excluída da média regional e da lista de mercados emergentes para não afetar as cifras.

Após anos de crise, com a indústria petroleira – pulmão da economia – estagnada, a ONU calcula que cerca de 1,9 milhão de pessoas abandonaram o país desde 2015.

A saída em massa de pessoas levou os migrantes a fugirem para países vizinhos, como Colômbia e Brasil, em busca de alimentos e medicamentos.

A economia da Venezuela retraiu 14% no ano passado e deve recuar 18% neste ano, mas a boa notícia é que há pouca margem para cair. Assim, a previsão para 2019, é uma retração de 5%, de acordo com o relatório do FMI.

O FMI estima que o PIB per capita tenha caído mais de 35% entre 2013 e 2017 e projeta queda próxima de 60% entre 2013 e 2023.

O FMI ainda previu que “a hiperinflação na Venezuela deverá piorar rapidamente, impulsionada pelo financiamento monetário de um déficit de grande escala e pela perda de confiança na moeda”.

A Venezuela desvalorizou sua moeda perto de 100% em 20 de agosto deste ano.

Excluindo a Venezuela, a inflação nos países emergentes e em desenvolvimento deve chegar a 5% este ano, estimou o FMI.

– Revisão para baixo –

Embora as notícias em outras latitudes não sejam tão sombrias, o FMI reduziu sua previsão de crescimento mundial no relatório, ajustando- a 0,2 ponto, a 3,7% este ano, e 0,2 ponto, a 3,7% em 2019. O principal motivo é a esperada desaceleração do comércio no contexto da guerra comercial EUA-China.

O FMI também reduziu suas previsões de crescimento para países emergentes e em desenvolvimento, em comparação com as estimativas publicadas em julho, para 4,7% para 2018 e 2019.

Para a América Latina e o Caribe, a previsão também sofreu e foi reduzida em 0,4 ponto, a 1,2%, para este ano, e de 0,4 ponto, a 2,2% para o próximo, segundo o relatório.

Para o Brasil, a maior economia da América do Sul, a entidade espera um crescimento de 1,4% em 2018 e de 2,4% em 2019. Com relação às previsões de julho, isso representa uma degradação de 0,4 ponto neste ano e de 0,1 ponto no próximo.

Entre os motivos, o FMI cita o aperto das condições financeiras e a greve dos caminhoneiros.

A Argentina não recebeu boas notícias: o FMI projeta uma retração de 2,6% em 2018, e a recessão continuará em 2019 com uma queda do PIB de 1,6%.

Esses dados contrastam com as previsões feitas em julho, quando o FMI ainda considerava um crescimento da economia argentina de 1,8% para 2018 e de 2,9% para 2019.

A moeda argentina perdeu 54% de seu valor em relação ao dólar neste ano, o que levou as autoridades a solicitarem assistência financeira ao FMI em junho, que foi posteriormente ampliada no final de setembro para um total de 57,1 bilhões de dólares.

Com relação à inflação, o FMI prevê que a acentuada depreciação da moeda causará um aumento nos preços de 31,8% em 2018 e 31,7% no ano seguinte.

Para o México, o Fundo prevê um crescimento de 2,2% para 2018 e 2,5% em 2019, ligeiramente abaixo das projeções de julho de uma expansão de 2,3% neste ano e de 2,7% no ano que vem.

(AFP)

Apoiar a Aleteia

Se você está lendo este artigo, é exatamente graças a sua generosidade e a de muitas outras pessoas como você, que tornam possível o projeto de evangelização da Aleteia. Aqui estão alguns números:

  • 20 milhões de usuários no mundo leem a Aleteia.org todos os meses.
  • Aleteia é publicada diariamente em sete idiomas: inglês, francês,  italiano, espanhol, português, polonês e esloveno
  • Todo mês, nossos leitores acessam mais de 50 milhões de páginas na Aleteia.
  • 4 milhões de pessoas seguem a Aleteia nas redes sociais.
  • A cada mês, nós publicamos 2.450 artigos e cerca de 40 vídeos.
  • Todo esse trabalho é realizado por 60 pessoas que trabalham em tempo integral, além de aproximadamente 400 outros colaboradores (articulistas, jornalistas, tradutores, fotógrafos…).

Como você pode imaginar, por trás desses números há um grande esforço. Precisamos do seu apoio para que possamos continuar oferecendo este serviço de evangelização a todos, independentemente de onde eles moram ou do quanto possam pagar.

Apoie Aleteia a partir de apenas $ 1 - leva apenas um minuto. Obrigado!

Top 10
1
Reportagem local
A arrepiante oração de uma mulher no corredor da morte por ser ca...
2
CROSS;
Reportagem local
O que significa o sinal da cruz feito sobre a testa, os lábios e ...
3
Aleteia Brasil
Sorrisão e joelhos: 2 pais brasileiros e seus bebês que emocionar...
4
Papa Francisco
Reportagem local
Papa: como não culpar Deus diante da morte de um ente querido
5
Atriz Claudia Rodrigues
Reportagem local
Assessora pede orações por atriz Claudia Rodrigues: “está m...
6
PADRE PIO
Philip Kosloski
A oração que Padre Pio fazia todos os dias ao Anjo da Guarda
7
Orfa Astorga
Até que idade é saudável morar na casa dos pais?
Ver mais
Boletim
Receba Aleteia todo dia