Receba o boletim diário da Aleteia gratuitamente no seu email.

Sem condições de apoiar?

Veja 5 formas de você ajudar a Aleteia

  1. Reze por nossa equipe e pelo êxito de nossa missão
  2. Fale sobre a Aleteia em sua paróquia
  3. Compartilhe os artigos da Aleteia com seus amigos e familiares
  4. Desative o bloqueio de publicidade quando nos visitar
  5. Inscreva-se para receber nosso boletim gratuito e leia-nos diariamente

Obrigado!
Redação da Aleteia

Enviar

Aleteia

Quais são os momentos mais importantes da vida?

Compartilhar

O tempo - seja de transição, de dificuldades ou de estabilidade - é nosso tempo, nosso único tempo

“Como é insensato o homem que deixa transcorrer esterilmente o tempo.”

A frase acima é de Goethe. Mas o que significa o tempo em nossa vida? O que significa quando dizemos que Deus faz todas as coisas ao seu tempo?

É difícil explicar. Viver dentro do tempo nos limita, nos prova, nos faz tomar decisões. Parece que o homem não pode interferir em sua engrenagem. Ele – o tempo – tem seu ritmo e nos impõe repetições: nascer, morrer, amar, odiar, sofrer, gozar, unir, separar, calar, falar, salvar, destruir…

Os seres humanos, com todos os seus desejos, são subordinados ao tempo. Às vezes, ele é como um tirano que nos obriga a decidir, e não permite que voltemos atrás. Outras vezes, passa muito rapidamente e nos arrasta. Ou vai muito lentamente e nada acontece…

Frequentemente, o tempo nos surpreende, nos move, nos educa na paciência. Se ele dá frutos, agradecemos pelo que vivemos. Mas se ele demora, é difícil de ser compreendido e se torna insuportável. 

Por isso, é indispensável esperar com paciência os tempos de nossa vida. É preciso aceitá-los, abraçá-los. Entender que “todas as coisas importantes florescem muito devagar, levam anos e é preciso aceitar longos invernos de aparente imobilidade e estancamento. Mas um dia – não sabemos quando – todo o amor termina por germinar e florescer”, como diz Martín Descalzo.

A verdade é que, com o passar do tempo, cheguei à conclusão que todos os tempos são igualmente importantes e precisam ser vividos com total consciência e paz. 

Talvez algumas vezes não possamos evitar suas imposições. Quiçá as nossas decisões tenham nos levado a nos submetermos a ele. Mas de uma coisa estou certa: o tempo – seja de transição, de obscuridade ou de estabilidade – é o nosso tempo, nosso único tempo, e, no final das contas, este é também o tempo de Deus, tempo de salvação, tempo que precisa ser tempo para depois ser eternidade. 

Se compreendermos isso, viveremos com serenidade cada passo, cada processo, cada ciclo. E perceberemos que, para Deus “aquilo que é já existia, e aquilo que há de ser já existiu; Deus chama de novo o que passou” (Eclesiastes 3,15).

E mais: 

“Para tudo há um tempo, para cada coisa há um momento debaixo dos céus: tempo para nascer, e tempo para morrer; tempo para plantar, e tempo para arrancar o que foi plantado; tempo para matar, e tempo para sarar; tempo para demolir, e tempo para construir; tempo para chorar, e tempo para rir; tempo para gemer, e tempo para dançar; tempo para atirar pedras, e tempo para ajuntá-las; tempo para dar abraços, e tempo para apartar-se.Tempo para procurar, e tempo para perder; tempo para guardar, e tempo para jogar fora; tempo para rasgar, e tempo para costurar; tempo para calar, e tempo para falar; tempo para amar, e tempo para odiar; tempo para a guerra, e tempo para a paz. Que proveito tira o trabalhador de sua obra? Eu vi o trabalho que Deus impôs aos homens: todas as coisas que Deus fez são boas, a seu tempo. Ele pôs, além disso, no seu coração a duração inteira, sem que ninguém possa compreender a obra divina de um extremo a outro” (Eclesiastes 3,1-11).