Receba o boletim diário da Aleteia gratuitamente no seu email.

Sem condições de apoiar?

Veja 5 formas de você ajudar a Aleteia

  1. Reze por nossa equipe e pelo êxito de nossa missão
  2. Fale sobre a Aleteia em sua paróquia
  3. Compartilhe os artigos da Aleteia com seus amigos e familiares
  4. Desative o bloqueio de publicidade quando nos visitar
  5. Inscreva-se para receber nosso boletim gratuito e leia-nos diariamente

Obrigado!
Redação da Aleteia

Enviar

Aleteia

A África não é um problema nem uma ameaça

Compartilhar

Os desafios discutidos no Fórum de Asilah (Marrocos) em relação ao continente africano

“É hora das vozes dos povos e sociedades africanas – muitas vezes ignoradas pelos poderes internacionais e pela elite africana – serem levadas em consideração. Deve haver, necessariamente, esperança, porque os desafios que enfrentamos afetam todo o planeta. Afetam a todos nós”.

Estas são as palavras de Oscar Mateos, professor de Relações Internacionais no Departamento de Comunicação e Relações Internacionais da Blanquerna na Universidade Ramon Llull em Barcelona, ​​analista de temas africanos. Um fórum foi realizado em Asilah (Marrocos) sobre os desafios que o continente africano enfrenta, no qual Mateos participou como palestrante convidado e especialista em paz e segurança da África.

Quais são os desafios globais que a África enfrenta?

Há muitos. Alguns são compartilhados com o resto do planeta, como o enorme impacto que está ocorrendo com a mudança climática, cujos efeitos são muito mais intensos em muitas partes do continente africano do que em outros lugares. Outros desafios estão relacionados ao lugar que a África mantém no novo cenário geopolítico.

Por um lado, o continente continua a ocupar um lugar bastante marginal no quadro geral das relações internacionais. No entanto, o papel crescente dos países em desenvolvimento, o domínio de novos fóruns internacionais, como o G-20, ou a dinâmica da cooperação Sul-Sul no qual a China, a Índia, o Brasil, a Turquia e a Arábia Saudita desempenham um papel importante, dando a África um papel mais significativo do que o concedido no cenário unipolar da era pós-Guerra Fria.

Por outro lado, esta nova reconfiguração multipolar continua a dar origem a situações gravemente prejudiciais para a maioria das sociedades africanas, como um processo intenso de venda de terras, no qual o continente está novamente sendo explorado e as sociedades e comunidades do continente africano são claramente mais prejudicadas.

E quais são os desafios locais para um continente com dezenas de conflitos armados e instabilidade política igualmente significativa?

Os conflitos armados continuam a ser uma realidade que afeta significativamente uma parte dos países africanos, especialmente a República Democrática do Congo, a Somália, a República Centro-Africana, o norte da Nigéria, o Sudão do Sul e a região de Darfur no Sudão.

Da mesma forma, o jihadismo está causando um sério impacto na região do Sahel, especialmente em países como o Mali. No entanto, na nossa imagem da África, é importante para nós entender que, além dos conflitos armados, as sociedades africanas enfrentam desafios semelhantes aos que enfrentam outras áreas do mundo. De particular importância são os protestos e as mobilizações sociais que ocorreram em vários países nos últimos anos (Burkina Faso, Burundi, Senegal, Camarões, Togo, Etiópia, África do Sul, Nigéria…) impulsionados por jovens adultos urbanos que exigem maior transparência e responsabilidade por parte da elite política e uma melhoria palpável das condições de vida.

E a população do continente está crescendo.

Com o crescimento demográfico intenso (em 30 anos, a África dobrará sua população) e o intenso processo de urbanização que a maioria das cidades africanas experimentou é um duplo desafio em grande escala para a África e para o mundo como um todo.

Você deixou o Fórum de Asilah com esperança?

O Fórum de Asilah foi uma oportunidade para compartilhar ideias com pessoas que estão na linha de frente da tomada de decisão política e econômica em nível estadual e intergovernamental, bem como com um grupo considerável de pessoas que trabalham em grupos de reflexão ou no mundo acadêmico.

Por isso a narrativa sobre a África abandonou um tom pessimista há muito tempo. O que importa agora é fazer uma análise aprofundada que insira os desafios enfrentados pela África no contexto da injustiça global e que levará em conta as vozes dos povos e sociedades africanos – muitas vezes ignorados pelos poderes internacionais e pela elite africana.

Deve haver, necessariamente, esperança, porque os desafios que enfrentamos não são apenas africanos; eles afetam todo o planeta. Eles afetam a todos nós.

Muitos cristãos veem a África como um problema e, às vezes, até como uma ameaça. O que você diria a eles?

A África não é um problema nem uma ameaça. A África é complexidade, riqueza e diversidade. As sociedades africanas estão se mobilizando, assim como em outras partes do mundo, contra as tendências para a radicalização religiosa.

A grande ameaça agora é a de persistir em um modelo econômico que saqueia o planeta e está colocando em risco a vida das gerações futuras. A este respeito, é urgente que todos nos tornemos mais conscientes do problema e atuemos em conformidade, assim como o Papa Francisco insiste na Laudato Si.