Receba o boletim diário da Aleteia gratuitamente no seu email.

Sem condições de apoiar?

Veja 5 formas de você ajudar a Aleteia

  1. Reze por nossa equipe e pelo êxito de nossa missão
  2. Fale sobre a Aleteia em sua paróquia
  3. Compartilhe os artigos da Aleteia com seus amigos e familiares
  4. Desative o bloqueio de publicidade quando nos visitar
  5. Inscreva-se para receber nosso boletim gratuito e leia-nos diariamente

Obrigado!
Redação da Aleteia

Enviar

Aleteia

Seus filhos realmente precisam de abraços

Shutterstock
Compartilhar

Um novo estudo mostra que os cérebros das crianças precisam de carinho físico para se desenvolver adequadamente

Eu sempre gostei de abraçar – e eu pensei que sempre seria assim. Mas na hora em que eu tive muitos filhos, comecei a experimentar a sensação mais estranha ao final do dia. Foi o desejo esmagador e visceral para todos simplesmente pararem de me tocar.

Anos de amamentação, colo, beijos de criança, beijos de boa noite e pequenos pés me chutando as costas à noite esgotaram minha apreciação por dar (e receber) carinho físico. Meu desejo incomum de ficar sozinha foi tão agudo que meu marido me mandou sozinha para a praia em um Dia das Mães – e foi glorioso.

No entanto, odiava me afastar do carinho dos meus filhos. Senti que estava tão errado pedir para eles não me tocarem, ou sentar-se em uma cadeira sozinha em vez de deixá-los empilhar em cima de mim no sofá. Eles pareciam precisar de carinho físico, da mesma forma que precisavam de comida, quando se irritavam ou quando ficavam delirantemente hiperativos.

Na verdade, meus instintos estavam corretos – um novo estudo provou que o cérebro das crianças precisa de carinho físico para se desenvolver corretamente.

“Cento e vinte e cinco bebês, tanto prematuros quanto os não prematuros, foram incluídos no estudo, que analisou o quão bem eles responderam ao serem tocados fisicamente.

Os resultados indicaram que os bebês prematuros responderam menos ao afeto do que os bebês que não nasceram prematuramente. No entanto, o que também foi revelado foi que os bebês que foram submetidos a mais carinho pelos pais ou funcionários do hospital mostraram uma resposta cerebral mais forte”.

A Dra. Nathalie Maitre, principal pesquisadora do estudo, disse à Science Daily que o cuidado pele a pele é particularmente importante para bebês prematuros, pois ajuda seus cérebros a desenvolver uma resposta ao toque que é semelhante à resposta dos bebês que ficaram 40 semanas completas dentro do útero.

Mas, mesmo para bebês não prematuros, um toque suave e uma afeição física são absolutamente necessários para o desenvolvimento sensorial e continuam a ser vitais para as crianças durante a infância e a adolescência. O calor e o carinho físico paternal são positivamente associados a tudo, desde maior autoestima e excelência acadêmica até risco reduzido de gravidez na adolescência e doença mental.

Felizmente, para os meus filhos (e eu!), voltar a abraçá-los foi tão simples quanto estabelecer regras para dormir. Quando comecei a ter uma noite cheia de sono sozinha, a sensação de ser tocada desapareceu rapidamente – apenas a tempo para a chegada do bebê número 5.