Receba o boletim diário da Aleteia gratuitamente no seu email.

Sem condições de apoiar?

Veja 5 formas de você ajudar a Aleteia

  1. Reze por nossa equipe e pelo êxito de nossa missão
  2. Fale sobre a Aleteia em sua paróquia
  3. Compartilhe os artigos da Aleteia com seus amigos e familiares
  4. Desative o bloqueio de publicidade quando nos visitar
  5. Inscreva-se para receber nosso boletim gratuito e leia-nos diariamente

Obrigado!
Redação da Aleteia

Enviar

Aleteia

Como ensinar autocontrole aos seus filhos

Shutterstock
Compartilhar

É uma das características mais importantes a cultivar em uma criança – aqui estão as ferramentas de que você precisa

A Apple ensina aos nossos filhos que eles podem ter imagens, conhecimentos e experiências sempre que quiserem. A Nintendo ensina-lhes que os jogos são missões instantâneas num mundo exótico. Hershey’s e Coca-Cola ensinam-lhes que as recompensas baratas estão sempre disponíveis. Mas quem investe em ensinar aos nossos filhos o valor de esperar e atrasar a gratificação, algo fundamental na vida?

No início da década de 1960, Walter Mischel e seus colegas começaram com uma ideia simples. Eles desenvolveram um estudo no qual ofereceram duas opções para as crianças de 4 anos: você pode ter um marshmallow agora, OU, se você esperar até nós voltarmos, você pode ter dois marshmallows. As crianças ficaram sozinhas por 15 a 20 minutos com um marshmallow e as câmeras escondidas filmando.

Dez a 15 anos depois, essas mesmas crianças foram avaliadas em muitos fatores. Os resultados foram surpreendentes. As crianças que esperaram os dois marshmallows foram classificadas pelos pais como sendo mais atentas, competentes, organizadas, automotivadas, otimistas e inteligentes. Talvez a descoberta mais impressionante tenha sido a conexão entre o número de segundos que um garoto de 4 anos levou para pegar o marshmallow e sua pontuação no teste quando estudante do ensino médio. Aqueles que não pegaram o marshmallow obtiveram, em média, 200 pontos a mais do que aqueles que pegaram. Aqueles que esperaram mais tempo, mesmo que ainda acabassem caindo na tentação, geralmente tinham uma classificação mais alta do que aqueles que não podiam resistir a engolir imediatamente. Quando adultos, aqueles que se esperaram tiveram casamentos mais bem-sucedidos, melhor saúde, maior satisfação profissional e melhores hábitos financeiros.

O que isso significou? E essa medida simples de autocontrole substitui algo mais, como a inteligência? Um estudo publicado em 2010 chamado “A gradient of childhood self-control predicts health, wealth, and public safety” seguiu 1.000 crianças desde o nascimento até os 32 anos. Os pesquisadores queriam determinar quais os diferentes fatores que poderiam predizer os resultados na idade adulta. Participaram três fatores: autocontrole, QI e status socioeconômico.

O autocontrole foi definido como habilidades relacionadas à autodisciplina, conscientização e perseverança. O autocontrole da criança aos três anos de idade, independentemente do seu QI e quantidade de riqueza, foi significativamente associado às seguintes áreas aos 32 anos: saúde física, abuso de substâncias e dependência, status social, riqueza, família única versus família dupla, planejamento financeiro e segurança, e probabilidade de cometer um crime. Ainda mais surpreendente, não foi apenas aqueles com menos autocontrole tiveram resultados ruins. Não importa onde estavam “na curva”, seu autocontrole previa o quão boas ou ruins as coisas poderiam ser.

Irmãos com QI similares na mesma casa podem mostrar resultados muito diferentes. O motivo aparente: seu grau de autocontrole. Os autores testaram o argumento de que o autocontrole foi herdado como o QI ou outros fatores. Eles olharam para ver se a melhoria no autocontrole durante a infância fazia alguma diferença. Os resultados não foram surpresa. Quanto maior era a melhora da criança, menos ela estava em risco de resultados negativos quando adulta.

Como pais, somos os primeiros instrutores nessas habilidades críticas, mas, atualmente, está mais difícil do que nunca, e mais importante do que nunca. Anos atrás, o grupo Mind in the Making começou a promover habilidades essenciais para crianças. Eu uso essas 7 habilidades essenciais como modelo para fornecer ideias para ensinar autocontrole e paciência:

Foco e autocontrole:  use atividades simples (por exemplo, ler um livro, jogar com blocos, montar um enigma) para ensinar as crianças a brincar com objetos que não dão feedback, mas exigem curiosidade e atenção. Comece por quanto tempo elas podem se concentrar no momento atual. Trabalhe gradualmente para aumentar a quantidade de tempo que elas passaram envolvidas através de reforço e interação.

Perspectiva agradável:  Certifique-se de educar diariamente e fazer perguntas sobre como a outra pessoa que elas podem encontrar pode sentir. Quando elas querem algo agora ou algo que outra pessoa tem, certifique-se de ensiná-las (em seu nível) sobre a importância de esperar e entender que todas as outras pessoas também têm necessidades.

Comunicação:  Ensine-lhes que eles não podem ser ouvidos imediatamente em todos os momentos e em todas as situações. Às vezes eles podem ter que esperar, especialmente se os adultos estão falando. Mesmo forçando-os a serem pacientes por alguns segundos antes de uma resposta ser concedida, você pode ensinar-lhes a entender que existem limites apropriados. Educá-los para serem educados em cumprimentar e responder. Eles também precisam ser ensinados a se revezar quando outros estão falando.

Fazer conexões:  Isso é fundamental para aprender – entender semelhanças e diferenças e classificar essas coisas em categorias. Isso não ocorre a menos que eles aprendam a lidar com frustração e erros. Ensine-os a perseverar através de problemas difíceis, lidar bem com o desapontamento e não evitar as coisas imediatamente apenas porque são difíceis ou chatas. Recompense-os por tentarem, independentemente dos resultados. Ajude-os a entender como é bom perseverar através de um desafio.

Pensamento crítico:  A chave é ensinar os jovens a serem pacientes com tarefas. A frustração não deve ocorrer quando a tentativa de aprendizado e erro não funciona pela primeira vez. As crianças pequenas podem ser ensinadas a pausar e respirar profundamente por alguns segundos antes de tentar novamente. Os pais podem ensinar paciência no pensamento crítico. Fazer uma série de perguntas pode ajudar a levar as crianças a uma resposta, ao invés de dar isso de imediato.

Assumir desafios: Os pais podem reforçar isso, reconhecendo que algo pode ser difícil. Ensine as crianças a levarem alguns segundos para pensar sobre o próximo passo. Quando algo não funciona a primeira vez, a emoção ainda pode ser mostrada em uma boa tentativa. As crianças não devem ser removidas imediatamente de desafios razoáveis ​​apenas porque são difíceis.

Aprendizagem autodirigida e envolvida: Ofereça brinquedos simples e oportunidades que incentivem a criança a ser criativa – como Legos e outros brinquedos para construção. Configure áreas externas com caixas de areia, áreas abertas e até espaços no jardim projetados para despertar a curiosidade de uma criança. Recompense suas tentativas de tentar coisas novas. Aprenda a deixá-los sozinhos regularmente ou com outras crianças para explorar por conta própria.