Sem condições de apoiar?

Veja 5 formas de você ajudar a Aleteia

  1. Reze por nossa equipe e pelo êxito de nossa missão
  2. Fale sobre a Aleteia em sua paróquia
  3. Compartilhe os artigos da Aleteia com seus amigos e familiares
  4. Desative o bloqueio de publicidade quando nos visitar
  5. Inscreva-se para receber nosso boletim gratuito e leia-nos diariamente

Obrigado!
Redação da Aleteia

Enviar

Aleteia

As crianças se lembram de algo do tempo que passaram no ventre materno?

PREGNANT WOMAN
PIXABAY
Compartilhar

Veja a força que tem o coração de uma mãe

Mãe, alguma vez você já se perguntou se seus filhos se lembram de alguma coisa do tempo que passaram em seu ventre? Um novo vídeo responde a esta pergunta: eles se lembram do som do coração da mãe. 

Em um experimento, as mães deixam as crianças sozinhas em um carta. Os pequenos, no começo, ficam inquietos e com medo. Depois através de alto-falantes, eles ouvem o barulho do coração da mãe, que está em um quarto ao lado. Imediatamente eles se acalmam e até dão risadas. 

O vídeo é emocionante e confirma algo em que muitas vezes não acreditamos: o  tempo que o bebê passa no ventre materno é determinante para a relação e o apego que a criança terá com a mãe. 

Para o bebê, o som dos batimentos do coração da mãe é único, assim como o cheiro, os movimentos, os gestos dela… 

É da mãe o primeiro rosto que o bebê vê, a primeira voz que ele ouve, a primeira carícia que ele sente. Até quando já somos maiores essa voz e esse cheiro nos tranquilizam e conseguem nos acalmar nos nossos piores momentos…

Essa sensação – chamada de apego – se desenvolve desde o ventre até os primeiros anos. E dura a vida inteira. Não importa se a mãe trabalha fora ou não, se conseguiu ou não amamentar. O apego é desenvolvido durante o tempo em que a mãe passa com seu filho pele a pele. 

O apego tem muita importância, já que se torna a referência principal da criança ao conhecer a realidade do mundo. É um sentimento que dá confiança para que a criança cresça, já que sua mãe estará por trás, protegendo seus passos. 

Para as mães: nunca duvidemos do poder do nosso vínculo com os nossos filhos. Mesmo que estejamos distantes, sempre haverá algo que nos une, algo mais forte que nós. Mesmo que algumas vezes sintamos que eles não precisam mais de nós, vamos nos lembrar de que saiu do nosso coração o primeiro som que eles ouviram e que parte do que eles são hoje eles devem muito às suas mães. 

Para os filhos: cuidem desse vínculo. Agradeçam às suas mães por tudo o que vocês têm e por tudo o que elas fizeram por vocês, especialmente por ter-lhes trazido ao mundo. Vocês estiveram nos ventres delas. Mas, primeiro, estiveram nos corações dessas mulheres.