Receba o boletim diário da Aleteia gratuitamente no seu email.
Cadastre-se e receba Aleteia diretamente em seu email. É de graça.
Receber

Sem condições de apoiar?

Veja 5 formas de você ajudar a Aleteia

  1. Reze por nossa equipe e pelo êxito de nossa missão
  2. Fale sobre a Aleteia em sua paróquia
  3. Compartilhe os artigos da Aleteia com seus amigos e familiares
  4. Desative o bloqueio de publicidade quando nos visitar
  5. Inscreva-se para receber nosso boletim gratuito e leia-nos diariamente

Obrigado!
Redação da Aleteia

Enviar

Aleteia
Cynthia Dermody / Redação da Aleteia
Quaresma: 5 desafios para casais

Os católicos e a intolerância na internet

internet addiction
By icsnaps | Shutterstock
Compartilhar

Supostamente agindo pelo bem da Igreja, há católicos que apedrejam virtualmente tudo e todos que forem ‘diferentemente católicos’

Não há como negar: o Brasil vive uma onda de intolerância manifestada sobretudo nas redes sociais e em relação a vários temas. E o que é mais lamentável é que esta onda se espalha também entre os fiéis católicos.

O portal A12 está debatendo o o assunto e publicou a opinião do professor e doutor em Ciências da Comunicação Moisés Sbardelotto. O professor lembra que o próprio Papa Francisco, em sua recente exortação apostólica Gaudete et exsultate, dedicou um parágrafo inteiro a esse “pecado digital”:

“Pode acontecer também que os cristãos façam parte de redes de violência verbal através da internet e vários fóruns ou espaços de intercâmbio digital. Mesmo nas mídias católicas, é possível ultrapassar os limites, tolerando-se a difamação e a calúnia e parecendo excluir qualquer ética e respeito pela fama alheia”, pontuou o Papa.

Segundo o professor, quando a intolerância explode nas redes, a pessoa que está do outro lado da tela já não é mais um “irmão ou irmã na fé”, mas apenas alguém sobre o qual se descarrega toda a raiva e rancor pessoais, camuflados de defesa da tradição, da doutrina, da liturgia, de um posicionamento político, com citações artificiosamente pinçadas da Bíblia e do Catecismo para tentar justificar o injustificável, ou seja, a própria intolerância.

Aponta o professor:

“Não se trata apenas de não tolerar alguém, o que já seria uma atitude não-cristã. O problema é a raiva, o ódio, a agressão, o desejo de ‘morte simbólica’ da outra pessoa. Supostamente agindo pelo bem da Igreja e a salvação das almas, esses cristãos e católicos apedrejam simbolicamente tudo e todos que forem ‘diferentemente católicos’, inclusive o Papa, se acharem necessário. São verdadeiros ‘linchamentos em rede’ por parte de certos católicos, que se arrogam o direito – e até o dever –, em nome da ‘sã doutrina’, de atirar a primeira pedra. Prega-se a exclusão de tudo o que seja ‘catolicamente diferente’ e de todos os ‘catolicamente outros’”.

Além disso, ele acrescenta que, na mesma exortação apostólica, o Papa Francisco afirma que o testemunho de santidade, no nosso mundo acelerado, volúvel e agressivo, é feito de paciência e constância no bem. E também envolveria a alegria e o senso de humor. Diante da violência em rede, não é necessário manter uma atitude retraída, tristonha, amarga, melancólica. O mau humor não é sinal de santidade. Sem perder o realismo, afirma o Papa, “o santo ilumina os outros com um espírito positivo e rico de esperança. Ser cristão é ter alegria no Espírito Santo”.

Então, responder ao chamado à “santidade digital” é reconhecer que, por trás das telas dos computadores, tablets e celulares, de seus números e dígitos, estão pessoas humanas.

Está o nosso próximo, a quem devemos servir e amar. Em rede, o santo digital age, interage e reage, se for preciso, sempre a partir da fé e da caridade”, conclui o professor.

(A12.com)