Receba o boletim diário da Aleteia gratuitamente no seu email.

Sem condições de apoiar?

Veja 5 formas de você ajudar a Aleteia

  1. Reze por nossa equipe e pelo êxito de nossa missão
  2. Fale sobre a Aleteia em sua paróquia
  3. Compartilhe os artigos da Aleteia com seus amigos e familiares
  4. Desative o bloqueio de publicidade quando nos visitar
  5. Inscreva-se para receber nosso boletim gratuito e leia-nos diariamente

Obrigado!
Redação da Aleteia

Enviar

Aleteia

Existem 8 tipos de amor. Em qual você está?

Sam Edwards/Getty Images
Compartilhar

A teoria do psicólogo Robert Sternberg ajuda a explicar as muitas maneiras em que experimentamos o amor

Alguns anos atrás, eu estava namorando uma pessoa que demorou a dizer que me amava. Ele me disse que não queria dizer isso até que soubesse que queria dizê-lo para sempre. Eu fiquei bem com essa abordagem porque sabia que eu não diria isso de volta, a menos que eu sentisse o mesmo.

Então, quando ele finalmente sussurrou no meu ouvido naquela noite quente de setembro ao lado do rio, eu soube o que significava, e depois de sussurrá-lo de volta, perguntei: “Isso significa que serei a Sra. Kleehammer algum dia?”.

Ele disse que sim. E, 15 anos depois, eu ainda sou a Sra. Kleehammer.

Não há nada como ouvir essas três palavras mágicas – eu te amo – e sentir ondas de calor irradiando em todo o seu corpo. Mas você já esteve em um relacionamento onde essas palavras foram pronunciadas – mas você se perguntou se ambos queriam dizer a mesma coisa?

Nós tendemos a usar a palavra amor para descrever nossos sentimentos positivos para todos e tudo – desde os nossos pais, amigos, animais de estimação e interesses amorosos românticos até a nossa sobremesa favorita.

O psicólogo Robert Sternberg desenvolveu uma teoria que pode nos ajudar a começar a compreender as várias maneiras pelas quais experimentamos o amor. Ele chama de “Teoria Triangular do Amor” – triangular porque o amor consiste de três componentes em combinação: intimidade, paixão e compromisso.

Intimidade é um sentimento de proximidade, amizade, ter uma ligação. Paixão é a atração sensual, sexual; e compromisso é a decisão e o plano de permanecer comprometido com o relacionamento.

Experimentamos diferentes tipos de amor baseados na presença e ausência de cada um desses três componentes.

Nenhum amor

Nenhum amor é a ausência de intimidade, paixão e compromisso. É o que sentimos por novos conhecidos (pelo menos aqueles por quem não nos apaixonamos à primeira vista). Na maioria das vezes, o amor não é nem sequer considerado um tipo real de amor – por razões óbvias – mas eu diria que ainda pode haver amor a este nível. Afinal, Jesus queria que todos se amassem, certo? Não é que ele esteja dizendo que todos nós precisamos estar intimamente e apaixonadamente comprometidos com pessoas que nunca conhecemos, mas que devemos fomentar o amor na forma de boa vontade para com os nossos semelhantes.

Gostar

Gostar é intimidade sem paixão ou compromisso. Este é o tipo de amor que sentimos pelo nosso amigo que gosta de andar de bicicleta com a gente, ou o amigo que recebemos em casa todas as semanas. É até o tipo de amor que sentimos por nosso melhor amigo da universidade, que mantemos contato. Grandes conversas, companheirismo, interesses mútuos – essas são as coisas que gradualmente levam a sólidas amizades. Gostar, mesmo que não venha com paixão ou compromisso, pode nutrir um vínculo estreito. Jogar cartas e compartilhar uma pizza com a mesma pessoa, confiar algumas coisas, e eles inevitavelmente se tornarão uma parte importante de sua vida. Gostar é uma espécie de camada de amor em sua vida.

Paixão

Paixão é o afeto sem intimidade ou compromisso. Este é a paixão súbita que você não consegue parar de pensar. É o momento em que seu coração quase pula fora do peito. Muitos argumentam que a paixão deve ser considerada uma forma de luxúria em vez de amor, mas aqueles que a experimentam muitas vezes se consideram “apaixonados”.

Infelizmente, embora divertido às vezes, este estado é fugaz – ou desaparece ou progride em uma forma mais substancial de amor. E graças a Deus, porque quem poderia sustentar essa quantidade de pura loucura de coração-batendo por mais de alguns meses? Você nunca conseguiria fazer nada, porque as pessoas apaixonadas não podem se concentrar em nada além do objeto de sua atração. Mas é doce enquanto dura, certo?

Amor romântico

O amor romântico é intimidade e paixão sem compromisso, descrevendo um estado que as relações de namoro mais sérias passam antes que quaisquer tipos de planos reais para o futuro estejam envolvidos. Este é o momento paradisíaco de “cair no amor” – mas você ainda está hesitante em mencionar o casamento de sua irmã no outono, por medo de que ele pense que você está o convidando. Muitos estão satisfeitos por ficar aqui por um tempo e simplesmente desfrutar da viagem juntos, mas outros se encontram na situação clássica de “saber para onde irá o relacionamento”. Quando isso acontece, a intimidade leva a conversas sinceras que esclarecem os sentimentos um do outro. Espero que ambos estejam caminhando na mesma direção.

Amor conjugal

O amor conjugal é intimidade e compromisso sem paixão. Este é o tipo de amor que muitos casais se encontram depois de vários anos. Alguns começam a sentir que querem reavivar a paixão, enquanto outros acham que estão perfeitamente satisfeitos com este tipo de amor. Até mesmo alguns casais solteiros veem o amor conjugal como uma ligação forte o suficiente para se casarem. Recentemente, falei com uma mulher que já estava noiva de um homem com quem ela era íntima, mas não estava apaixonada. Isso não a incomodava, porque imaginava que a paixão iria desaparecer eventualmente. No entanto, quando ela percebeu que casar com ele significaria que ela nunca experimentaria essa paixão, com ninguém, ela não poderia passar por isso. Depois, ela conheceu e se casou com um homem por quem ela era muito apaixonada, e enquanto seu relacionamento se desenvolveu em um tipo de amor mais conjugal neste ponto, ela diz que a paixão foi importante na formação da força inicial de seu vínculo matrimonial. Ela está grata por ela não ter roubado essa experiência casando-se com alguém por quem ela não sentia paixão.

Amor bobo

O amor bobo – em contraste com o amor conjugal – é paixão e compromisso sem intimidade. É o relacionamento sério onde o casal está sexualmente em chamas, mas não tem terreno comum para a companhia. Estes são os casais que têm vários “dramas” em suas vidas. Uma vez que a intimidade tende a ser o elemento que carrega um relacionamento através de momentos difíceis, os casais que experimentam o amor bobo podem fortalecer seu compromisso por ser mais intencional sobre o desenvolvimento de sua amizade, praticando empatia e descobrindo interesses mútuos para se unir.

Amor vazio

Amor vazio descreve um relacionamento que tem compromisso sem paixão ou intimidade. Ninguém espera encontrar-se neste tipo de casamento, mas não é incomum – as pessoas se separam, mesmo quando fizeram votos. Mas note que a paixão e a intimidade podem fluir tão facilmente como podem diminuir. Alguns anos atrás, meu marido e eu passamos por uma época difícil em nosso casamento, onde ambos admitimos que a nossa paixão e intimidade sofreram muito. Mas nós não desistimos um do outro, e como nós crescemos ao longo do tempo, fomos finalmente capazes de cultivar novamente nós dois. Agora, nossa paixão e intimidade são mais fortes do que nunca, assim como o nosso compromisso. Portanto, enquanto houver um compromisso e uma vontade de crescer, ainda há esperança para o resto.

Amor consumado

Amor consumado é o mais importante de todos os amores. Este é, em última instância, o que todos esperamos no nosso amor “para sempre” – a combinação de intimidade, paixão e compromisso. Sternberg refere-se a ele como o “amor final”.

Alcançar este nível de amor significa permitir que a relação evolua ao longo do tempo, muitas vezes passando por outros tipos de amor ao longo do caminho. E muitas vezes, ambos os membros do relacionamento podem estar experimentando diferentes tipos de amor no mesmo relacionamento. Talvez o momento de definição para um casal não é necessariamente o momento em que eles dizem essas três palavras mágicas, mas o momento em que chegar a um entendimento mútuo do que essas palavras significam no relacionamento. Nos primeiros dias de um relacionamento, é improvável que ambos estão prontos para o amor consumado – isso é totalmente normal. Mas se a versão completa é o que queremos, é importante conhecer a nós mesmos. Nós temos que entender em qual tipo de amor estamos – e se onde estamos é onde realmente queremos estar.

 

Texto original escrito por: Christina Kleehammer

Top 10 Para Ela
  1. Lidos