Receba o boletim diário da Aleteia gratuitamente no seu email.

Sem condições de apoiar?

Veja 5 formas de você ajudar a Aleteia

  1. Reze por nossa equipe e pelo êxito de nossa missão
  2. Fale sobre a Aleteia em sua paróquia
  3. Compartilhe os artigos da Aleteia com seus amigos e familiares
  4. Desative o bloqueio de publicidade quando nos visitar
  5. Inscreva-se para receber nosso boletim gratuito e leia-nos diariamente

Obrigado!
Redação da Aleteia

Enviar

Aleteia

Migrantes continuam viagem pelo México apesar do medo

MIGRANTS
Morena Perez Joachin/dpa
Compartilhar

Quase 3.000 migrantes sem documentos chegaram no domingo a Tapachula (Chiapas)

Depois de passar a segunda noite em território mexicano, milhares de hondurenhos sem documentos se preparam nesta segunda-feira para continuar sua viagem rumo aos Estados Unidos, apesar do temor de detenção e deportação a qualquer momento ou de sequestro por narcotraficantes.

“Sabemos bem que este país não nos recebe como esperávamos e que podem nos devolver a Honduras. Também sabemos que há narcotraficantes que sequestram e matam os migrantes”, disse Juan Carlos Flores, 47 anos.

“Mas vivemos com mais medo em nosso país, então seguimos adiante”, completou.

Em Honduras, país afetado pela violência e altos índices de pobreza, “a vida não vale nada, se você deseja continuar vivo tem que andar atento o tempo todo. Sabemos nos cuidar”, explica.

Quase 3.000 migrantes sem documentos chegaram no domingo a Tapachula (Chiapas) depois de uma caminhada de mais de sete horas a partir de Ciudad Hidalgo, na fronteira entre México e Guatemala.

Em poucos minutos, os integrantes do grupo caíram exaustos na praça principal da cidade.

Sua intenção original era entrar no país através da ponte internacional, passagem oficial entre Guatemala e México. Mas o governo mexicano fechou a fronteira na sexta-feira, ante a expectativa da chegada dos hondurenhos.

Muitos como Flores desistiram de pedir refúgio ou visto humanitário e optaram por cruzar o rio Suchiate a nado ou em balsa precárias.

Pouco mais de 700 que entraram legalmente, segundo as autoridades mexicadas, estão em abrigos do governo que muitos migrantes evitam pelo medo de deportação.

Os hondurenhos partirão nesta segunda-feira para Huixtla, outra cidade de Chiapas, onde pretendem recuperar forças antes de seguir até Tijuana ou Mexicali, próximas dos Estados Unidos, seu destino final a mais de 3.000 quilômetros de distância.

O presidente Donald Trump advertiu no domingo que “todos os esforços” estão sendo feitos para “deter o ataque” de migrantes na fronteira sul dos Estados Unidos.

Primeiramente, estas pessoas têm que solicitar asilo no México. Caso não o façam, os Estados Unidos irão recusá-las”, escreveu no Twitter.

Mas uma segunda caravana de quase mil hondurenhos iniciou no domingo a travessia a pé a partir da Guatemala para chegar à fronteira com o México, na viagem rumo aos Estados Unidos.

O trajeto pelo México pode durar um mês. A atual caravana percorreu mais de 700 km a partir da cidade hondurenha de San Pedro Sula, de onde o grupo inicial partiu em 13 de outubro, incluindo muitas mulheres e crianças.

Policiais mexicanos interceptaram migrantes para “convidá-los” a abrigos, onde solicitariam refúgio ou visto. Muitos recusaram a oferta pelo temor de uma armadilha para seu repatriamento.

Sem documentos, os migrantes ficam na clandestinidade ao longo de milhares de quilômetros e à mercê da ação de traficantes de pessoas ou drogas.

(AFP)

Tags:
Migrantes