Receba o boletim diário da Aleteia gratuitamente no seu email.

Sem condições de apoiar?

Veja 5 formas de você ajudar a Aleteia

  1. Reze por nossa equipe e pelo êxito de nossa missão
  2. Fale sobre a Aleteia em sua paróquia
  3. Compartilhe os artigos da Aleteia com seus amigos e familiares
  4. Desative o bloqueio de publicidade quando nos visitar
  5. Inscreva-se para receber nosso boletim gratuito e leia-nos diariamente

Obrigado!
Redação da Aleteia

Enviar

Aleteia

A gravidez está te deixando preocupada?

PREGNANCY
Syda productions - Shutterstock
Compartilhar

“Preserve a sua alegria”: este é o conselho do Papa Francisco para as grávidas

Na maioria das vezes, a maternidade é uma verdadeira alegria. A criança é desejada, querida e aguardada com muita expectativa. O nascimento traz uma imensa felicidade e marca o começo ou o crescimento de uma família. É o início de novos sonhos, projetos e a concretização da vontade do casal de se tornar pai e mãe. 

Mas, em meio a esse entusiasmo, os pais podem experimentar momentos de dúvidas: sobre a capacidade de criar um filho, a força do relacionamento conjugal ou até mesmo sobre preocupações financeiras e médicas. Também pode acontecer que outras pessoas, através de comentários inadequados ou depreciativos, acabem com  a alegria do casal. Infelizmente, também é possível que uma gravidez não seja, a princípio, motivo de alegria devido a complicações de saúde, por não ter sido planejada ou por ter acontecido em circunstâncias traumáticas.

Na exortação apostólica Amoris Laetitia o Papa convida as mulheres grávidas a se alegrarem: “Não deixe que medos, preocupações, comentários ou problemas de outras pessoas diminuam sua alegria de ser um instrumento de Deus trazer uma nova vida para o mundo”. O pontífice ainda convida todas as mulheres a redescobrir a alegria interior da maternidade – e ele tem boas razões para fazê-lo.

A alegria interior da maternidade

A alegria de que o Papa fala não é um sentimento egoísta de esperar um filho pelo próprio interesse, felicidade ou autorrealização como mãe. É a alegria de participar de uma maneira especial na criação contínua do mundo de Deus. Em toda gravidez, como na de Maria, a mãe trabalha com Deus para realizar o milagre de uma nova vida. Esta consciência de ser um co-criadora traz uma alegria real.

Mesmo nos casos em que as circunstâncias são difíceis ou trágicas, devemos acreditar que Deus pode tomar essa nova vida e realizar milagres nela. Toda nova vida é um mundo de oportunidades. Todo ser humano- quer sua vida nesta terra seja curta ou longa, vivida em meio à riqueza ou pobreza, cheia de alegria ou sofrimento – pode alcançar o céu, a eterna felicidade na presença de Deus. A grávida ajuda a dar à criança essa oportunidade, participando ativamente da vida de seu filho. E isso é motivo de muita alegria. 

Toda mulher tem a capacidade de transmitir sua felicidade aos filhos 

Já no ventre da mãe, a criança vive essa alegria interior. Ela percebe, ainda que implicitamente, que é amada e desejada, e não uma solução para uma preocupação pessoal. Essa alegria materna é bela, porque é voltada para o outro, tanto para Deus quanto para o filho. 

O Papa nos convida a “tentar experimentar esta serena excitação em meio a todas as muitas preocupações, e pedir ao Senhor para preservar sua alegria, para que você possa transmiti-la a seu filho”. 

Para finalizar, Francisco lembra ao cântico de alegria de Maria: “Minha alma glorifica ao Senhor e o meu espírito exulta de alegria em Deus, meu Salvador, pois olhou com benevolência sua pobre serva” (Lc 1, 46-48).