Receba o boletim diário da Aleteia gratuitamente no seu email.

Sem condições de apoiar?

Veja 5 formas de você ajudar a Aleteia

  1. Reze por nossa equipe e pelo êxito de nossa missão
  2. Fale sobre a Aleteia em sua paróquia
  3. Compartilhe os artigos da Aleteia com seus amigos e familiares
  4. Desative o bloqueio de publicidade quando nos visitar
  5. Inscreva-se para receber nosso boletim gratuito e leia-nos diariamente

Obrigado!
Redação da Aleteia

Enviar

Aleteia

China legaliza comércio de produtos derivados de tigres e rinocerontes

CHINA
Compartilhar

O osso de tigre e o chifre de rinoceronte moídos são ingredientes cobiçados na medicina tradicional chinesa

A China anunciou nesta segunda-feira que retomará, de forma limitada, o comércio de produtos procedentes de tigres e de rinocerontes, o que provocou severas reações de ativistas defensores dos animais, que temem um aumento do tráfico destas espécies em risco.

O comércio de produtos como o osso de tigre ou o chifre de rinoceronte será autorizado em circunstâncias “particulares”, anunciou o governo chinês em uma circular assinada pelo primeiro-ministro, Li Keqiang.

Entre estas circunstâncias “particulares” estão pesquisa científica, venda de obras de arte e “pesquisa de tratamentos médicos”.

O osso de tigre e o chifre de rinoceronte moídos são ingredientes cobiçados na medicina tradicional chinesa, apesar da polêmica sobre suas virtudes.

Para se ter acesso a estes produtos será necessária uma autorização especial e apenas os médicos de hospitais reconhecidos pela Administração Nacional de Medicina Tradicional poderão utilizá-los, destaca a circular.

Os volumes comerciais serão “estritamente controlados” e o comércio destes produtos estará proibido, exceto nos casos previstos, segundo o texto.

As autoridades responsáveis por administrar o patrimônio e o turismo só poderão autorizar “intercâmbios culturais temporários” de obras fabricadas a partir destes animais.

A medida revoga a proibição total adotada em 1993, mas o mercado negro substituiu o comércio legal e muitos produtos proibidos entram na China pelo Vietnã, segundo os movimentos ecologistas.

Várias organizações criticaram a decisão do governo chinês, pois consideram que embora tenha como objetivo o uso de produtos derivados de animais em cativeiro na realidade aumentará a ameaça sobre a fauna selvagem.

“Com este anúncio, o governo chinês assina a sentença de morte dos rinocerontes e dos tigres silvestres”, acusa Iris Ho, diretora da associação Humane Society International em Washington.

Ela acredita que a nova política de Pequim resultará na criação de uma rede de “lavagem” de produtos de caça ilegal.

“A retomada do comércio legal poderá não apenas servir para encobrir o tráfico clandestino, mas também para estimular uma demanda que havia baixado quando a proibição entrou em vigor”, lamentou Margaret Kinnaird, diretora de biodiversidade do Fundo Mundial para a Natureza (WWF).

O tigre está classificado como espécie em risco de extinção pela União Internacional para a Conservação da Fauna (UICN).

A China tem uma demanda forte de produtos derivados do tigre (ossos, garras, bigode, pênis, etc), aos quais a medicina tradicional atribui virtudes muito polêmicas, sobretudo afrodisíacas.

O número de tigres criados em cativeiro na China aumentou consideravelmente nos últimos anos. Atualmente seriam mais de 6.000, enquanto em todo o planeta existem pouco mais de 3.000 em liberdade.

Em relação às distintas espécies de rinocerontes, a UICN os classifica em várias categorias: “vulneráveis”, “quase ameaçado” ou “em risco crítico de extinção”.

Os chifres eram prescritos na medicina tradicional para combater a febre, mas os supostos benefícios contra o câncer provocaram um aumento da demanda, sobretudo no Vietnã, nos anos 2000.

Kate Nustedt, diretora em Londres do programa da associação Animals in the Wild/Proteção Mundial dos Animais, considera escândalo a criação de animais selvagens com fins farmacêuticos.

“Existem alternativas sintéticas que são um futuro sem crueldade para a medicina asiática tradicional”, destaca.

(AFP)

Tags:
china