Aleteia
Quinta-feira 22 Outubro |
São Moderano
Curiosidades

Cravos de defunto florescem no México para o Dia dos Mortos

MEXICO

Kobby Dagan - Shutterstock

Agências de Notícias - publicado em 31/10/18

O país produz todos os anos milhares de toneladas dessa flor simbólica, protagonista das oferendas

Uma imensidão de flores de cor laranja enfeitam a paisagem e desprende seu intenso aroma aos pés do vulcão Popocatépetl.

Herdando o misticismo de tempos pré-hispânicos, os cravos-de-defunto (cempasúchil, em espanhol) formam uma espécie de tapete que guia as almas até o México no chamado Día de Los Muertos.

O país produz todos os anos milhares de toneladas dessa flor simbólica, protagonista das oferendas que os mexicamos preparam nos dias 1 e 2 de novembro, clímax da tradicional festa que celebra seus mortos.

“Um altar sem cravos-de-defundo não é uma oferenda!”, exclama Yessica Ponte, 28 anos, que carrega um buquê da flor que colheu em Nealtican, uma localidade de Puebla dominada pelos vulcões Popocatépetl e Iztaccíhuatl.

As oferendas podem ser modestas ou suntuosas, mas em todas estão as flores alaranjadas, enfeitando os retratos dos entes queridos já falecidos.

Assim como velas brancas, pequenas caveiras de açúcar e chocolate e o doce “pão de morto”, entre outros manjares que os falecidos apreciavam em vida.

Segundo as crenças, as pétalas dos cravos-de-defundo – que vão do amarelo intenso, passando pelo alaranjado até o rosa profundo – guardam o calor do sol e representam o divino.

Seu nome em espanhol vem do náhuatl Cempohualxochitl: “cempohuali” significa vinte e “xochitl” flores, ou seja, “vinte flores”.

Os mexicanos antigos as usavam para decorar altares e enterros, para cobrir o rosto dos prisioneiros antes do sacrifício, ou mesmo como remédio contra algumas doenças.

O cravo-de-defunto é cultivado em 14 estados do México, mas Puebla encabeça a produção com 11.500 toneladas anuais, segundo cifras oficiais de 2017.

A colheita nacional do ano passado gerou um valor de produção de mais de 2,7 milhões de dólares.

– História de amor –

A flor protagoniza uma conhecida história de amor entre as lendas náhuatl.

Xóchitl e o guerreiro Huitzilin juraram amor eterno, além da morte, na montanha dedicada a Tonatiuh, deus do Sol.

Mas Huitzilin morreu em combate e, devastada, Xóchitl pediu aos deuses que também a levassem para o mundo dos mortos.

Assim, Tonatiuh deixou cair seus raios sobre a jovem transformando-a numa flor de amarelo intenso, como a lus do Sol. Sobre ela posou um colibri – a reencarnação de Huitzilin -, abrindo suas pétalas e liberando seu aroma.

Segundo a lenda, seu amor viverá enquanto houver cravos-de-defunto e colibris nos campos.

No mundo moderno, esta flor é usada como um inseticida ou como um corante para o alimento das galinhas, para que os ovos fiquem mais amarelos.

Na gastronomia, é utilizada em sopas cremosas e, na medicina, contra problemas digestivos, respiratórios e febre.

“Estudos farmacológicos mostram que tem propriedades bactericidas”, diz a bióloga Lizandra Salazar, diretora do jardim etnobotânico do Instituto Nacional de Antropologia e História de Morelos.

Para Carmen Félix, uma curandeira de 78 anos, a ciência e a mitologia não estão separadas.

“O amor eterno de Xóchitl, materializado na flor, nos cura de doenças porque todas as doenças vêm de uma tristeza ou um susto, e essas coisas só o amor cura”, diz a idosa senhora, tirando as pétalas aromáticas de seus cravos-de-defunto.

(AFP)

Apoiar a Aleteia

Se você está lendo este artigo, é exatamente graças a sua generosidade e a de muitas outras pessoas como você, que tornam possível o projeto de evangelização da Aleteia. Aqui estão alguns números:

  • 20 milhões de usuários no mundo leem a Aleteia.org todos os meses.
  • A Aleteia é publicada em 8 idiomas: Português, Francês, Inglês, Árabe, Italiano, Espanhol, Polonês e Esloveno.
  • Todo mês, nossos leitores acessam mais de 50 milhões de páginas na Aleteia.
  • 4 milhões de pessoas seguem a Aleteia nas redes sociais.
  • A cada mês, nós publicamos 2.450 artigos e cerca de 40 vídeos.
  • Todo esse trabalho é realizado por 60 pessoas que trabalham em tempo integral, além de aproximadamente 400 outros colaboradores (articulistas, jornalistas, tradutores, fotógrafos…).

Como você pode imaginar, por trás desses números há um grande esforço. Precisamos do seu apoio para que possamos continuar oferecendo este serviço de evangelização a todos, independentemente de onde eles moram ou do quanto possam pagar.

Apoie Aleteia a partir de apenas $ 1 - leva apenas um minuto. Obrigado!

Tags:
CéuMorte
Oração do dia
Festividade do dia





Top 10
Aleteia Brasil
Quer dormir tranquilo? Reze esta oração da no...
CARLO ACUTIS
John Burger
Como foram os últimos dias de vida de Carlo A...
TRIGEMELAS
Esteban Pittaro
A imagem de Nossa Senhora que acompanhou uma ...
nuvens sinais
Reportagem local
Estão sendo fotografados "sinais do céu"?
Papa Francisco São José Menino Jesus
ACI Digital
Papa Francisco reza esta oração a São José há...
violência contra padres no Brasil
Francisco Vêneto
Outubro de cruz para padres no Brasil: um per...
Aleteia Brasil
O milagre que levou a casa da Virgem Maria de...
Ver mais
Boletim
Receba Aleteia todo dia