Receba o boletim diário da Aleteia gratuitamente no seu email.

Sem condições de apoiar?

Veja 5 formas de você ajudar a Aleteia

  1. Reze por nossa equipe e pelo êxito de nossa missão
  2. Fale sobre a Aleteia em sua paróquia
  3. Compartilhe os artigos da Aleteia com seus amigos e familiares
  4. Desative o bloqueio de publicidade quando nos visitar
  5. Inscreva-se para receber nosso boletim gratuito e leia-nos diariamente

Obrigado!
Redação da Aleteia

Enviar

Aleteia
Redação da Aleteia / ACI Digital
Como surgem as intenções de oração do Papa?
María Álvarez de las Asturias
Como ajudar um casal que se separou?
Padre Reginaldo Manzotti
Oração para pedir luz ao Senhor
Padre Reginaldo Manzotti
5 lições de vida para ser feliz
Prosa e Poesia
Os recomeços
Vatican News / Redação da Aleteia
Papa aos juízes: não buscar interesse pessoal

Quito sediará reunião regional sobre imigração venezuelana em novembro

MIGRANTS
Compartilhar

O Equador também decidiu estender até 30 de novembro o estado de emergência migratório

Uma nova reunião regional para tratar do fluxo migratório de venezuelanos que fogem da crise econômica em seu país será celebrada em 22 e 23 de novembro, em Quito, disse nesta terça-feira (30) o vice-ministro de Mobilidade Humana, Santiago Chávez.

Participarão do evento os mesmos países que assistiram à primeira reunião convocada pelo Equador, que agora mantém uma relação tensa com a Venezuela, após a expulsão recíproca de seus respectivos representantes diplomáticos.

Brasil, Argentina, Bolívia, Colômbia, Costa Rica, Chile, México, Panamá, Paraguai, Peru, República Dominicana e Uruguai foram à reunião de setembro, que terminou com um pedido ao presidente venezuelano, Nicolás Maduro, para que aceite ajuda humanitária.

“Vamos apresentar um plano para aprofundar os compromissos e isso vai nos permitir harmonizar as ações entre os países que são diretamente afetados sobre este tema do fluxo incomum de migrantes venezuelanos, especialmente Colômbia, Equador e Peru”, declarou Chávez na província fronteiriça de Carchi, no âmbito de um encontro nacional sobre migração.

O vice-ministro expressou, sem dar mais detalhes, que seu país analisa a possibilidade de aceitar como documento de viagem os passaportes vencidos dos venezuelanos e reduzir o custo do visto de residência.

O Equador também decidiu estender até 30 de novembro o estado de emergência migratório, que o governo do presidente Lenín Moreno impulsionou em agosto nas províncias de Carchi (norte e limítrofe com a Colômbia), Pichincha (centro andino, cuja capital é Quito) e El Oro (sudoeste, fronteiriça com o Peru).

A declaração de emergência foi renovada em três ocasiões pelas autoridades locais, que atualmente estimam em 2.000 o número de venezuelanos que cruzam diariamente a fronteira com o Equador.

O número é inferior ao registrado no começo de agosto, quando Quito declarou emergência migratória, pelo aumento do fluxo, a 4.200 pessoas por dia.

As Nações Unidas calculam que cerca de 1,9 milhão de pessoas deixaram a Venezuela desde 2015, a maioria rumo a países da região.

Segundo dados oficiais do Equador, 250.000 venezuelanos vivem no país. Além disso, foram entregues 90.000 vistos e foram recebidos 7.000 pedidos de refúgio.

Após a crise diplomática entre Equador e Venezuela, desatada por ofensas lançadas contra Moreno em Caracas, as autoridades equatorianas afirmaram que vão manter a ajuda aos migrantes venezuelanos.

Quito expulsou em 18 de outubro a embaixadora venezuelana depois que o ministro da Comunicação da Venezuela, Jorge Rodríguez, tachou Moreno de mentiroso por ter dito na última Assembleia Geral da ONU que o Equador recebeu até 6.000 migrantes venezuelanos, que saíram de seu país devido a uma crise profunda.

(AFP)

Tags:
venezuela
Aleteia Top 10
  1. Lidos