Receba o boletim diário da Aleteia gratuitamente no seu email.

Sem condições de apoiar?

Veja 5 formas de você ajudar a Aleteia

  1. Reze por nossa equipe e pelo êxito de nossa missão
  2. Fale sobre a Aleteia em sua paróquia
  3. Compartilhe os artigos da Aleteia com seus amigos e familiares
  4. Desative o bloqueio de publicidade quando nos visitar
  5. Inscreva-se para receber nosso boletim gratuito e leia-nos diariamente

Obrigado!
Redação da Aleteia

Enviar

Aleteia

Como o aborto espontâneo afeta o pai? 5 homens compartilham sua experiência

SAD COUPLE
Shutterstock
Compartilhar

A perspectiva única deles pode ajudar outros casais a apoiarem-se mutuamente em seu sofrimento

Sempre que há alguma conversa sobre aborto espontâneo, isso centra-se na mãe. Ela estava mais próxima da criança perdida do que de qualquer outra pessoa, e o que ela passou muitas vezes foi traumático. Ao mesmo tempo, não podemos, e não devemos, esquecer os pais. Eles também perderam um filho e têm tanto direito de chorar como qualquer outra pessoa.

Até mesmo os pais com quem falei relutam em ter muita atenção para si mesmos. Eles continuam redirecionando a atenção para suas esposas, lembrando: “Minha esposa ficou muito pior”. Ainda assim, o sofrimento não é o tipo de coisa que precisa ser comparada. E quando se trata de uma dor tão pessoal, há espaço para a voz de todos ser ouvida.

Estas são as experiências de cinco dos pais com quem falei – Jeremy, Stephen, Josh, Matt e Chris. A perspectiva deles, espero, pode ajudar outros casais a caminharem juntos em seu sofrimento compartilhado.

Desamparo único de um pai

A palavra surge na conversa repetidas vezes. “Minha esposa e eu perdemos dois no ano passado”, Jeremy me disse. “Eu apenas me senti impotente. Estou encarregado de proteger minha mulher e não há literalmente nada que eu possa fazer”.

Stephen relembra o dia em que “minha esposa passou aquele tempo agonizante no banheiro, eu esperando do lado de fora”. Ele não é um estranho a temer: “Eu estava no exército. Fui ensinado a lidar com medo, pânico, todas as emoções que podem obscurecer a mente”. Mas isso não tornou o dia menos angustiante: “Eu sabia que ela estava sofrendo e não pude fazer nada para ajudá-la”.

“A coisa mais difícil do mundo”, disse Josh, “é ver o coração de seu cônjuge quebrar e não há nada que você possa fazer sobre isso”.

Todo mundo que perde um filho sente uma sensação sufocante de impotência. Você deseja mais do que qualquer coisa que você tenha controle, mas você não tem. Um pai sente essa impotência de uma maneira única, por causa de seu amor, não apenas por seu filho, mas também por sua esposa.

Reconhecendo o sofrimento de um pai

Um mundo que tem pouco espaço suficiente para reconhecer o sofrimento de uma mãe tem, previsivelmente, menos apoio para os pais. Matt disse: “Minha esposa é praticamente a única que reconheceu isso. Muita conversa manteve o foco em sua perda… mas nós, pais, também lamentamos a perda”.

Chris, que se apressou em acrescentar que ele tinha muito apoio de sua paróquia e comunidade, me disse que: “A maioria das pessoas se concentrava na dor e experiência de minha esposa. Outros homens que também sofreram com o aborto espontâneo compreenderam melhor a situação”.

Josh lembra que havia muita “preocupação e apoio, principalmente direcionado à minha esposa. Algumas pessoas casualmente reconheceram minha dor também, mas foram rápidas em priorizar: ‘Oh, deve ser tão difícil para vocês dois, mas deve ser muito mais difícil para sua esposa'”.

A última coisa que qualquer homem quer fazer é abrir caminho para a conversa, com uma atitude do tipo “E eu?”. Então, geralmente, eles ficam em silêncio. Ainda assim, Josh diz: “Eu perdi um filho também, mas isso parece ser muito desconfortável para as pessoas entenderem… que um homem pode estar emocionalmente envolvido em seus filhos ainda não nascidos”.

O que significa ser forte?

Em um ponto, Josh se lembra, alguém disse a ele que: “Você só tem que ser homem e passar por isso”.

“Temos claramente diferentes definições do termo”, observa ele. Isso parece ser fundamental. O que significa ser homem quando se trata de luto? Muitos homens falaram sobre seu instinto de cuidar, para evitar o luto até que eles achem que sua esposa possa lidar com isso.

“Eu reduzi minha dor porque achei que precisava ser forte para minha esposa”, conta Steven. “Eu não achava que minha dor valia muito, considerando que ela perdeu seu filho de uma forma mais íntima do que eu jamais poderia entender. Alguns homens podem ter que fazer isso por suas mulheres, renunciar ao seu luto até que sua mulher esteja curada. A minha esposa precisava saber que eu estava com dor também. Guardando minha dor para mim mesmo, na verdade, atrapalhei a cura dela”. Ela não queria que ele fosse forte, afinal de contas, não do jeito que ele pensava.

Casais e comunidades, lamentando juntos

Chris e sua esposa contavam com o padre e com sua paróquia para ajudá-los com sua dor. Ele se lembra de finalmente desabar e chorar “nos braços de nosso pároco e outro padre amigo que ofereceu a missa fúnebre”. A missa em si, ele me diz, “foi fundamental para mim no processo de luto”.

Outros falaram de quanto apoio mútuo encontraram em seu casamento, sobre encontrar conforto em chorar juntos. Josh lembra que seu gerente foi conversar com ele espontaneamente no trabalho.

A maioria dos pais tinha histórias de amigos, até mesmo membros da família, que queriam considerar a perda como insignificante, mas continuavam voltando às histórias que tinham de apoio também. Não apenas o apoio de suas esposas, mas de seus amigos, colegas de trabalho e paróquias.

Todo mundo precisa ser apoiado em sua dor. Sou grato a esses homens por compartilharem suas experiências, lembrando-nos como a dor pode alcançar os pais que perderam um filho.