Receba o boletim diário da Aleteia gratuitamente no seu email.

Sem condições de apoiar?

Veja 5 formas de você ajudar a Aleteia

  1. Reze por nossa equipe e pelo êxito de nossa missão
  2. Fale sobre a Aleteia em sua paróquia
  3. Compartilhe os artigos da Aleteia com seus amigos e familiares
  4. Desative o bloqueio de publicidade quando nos visitar
  5. Inscreva-se para receber nosso boletim gratuito e leia-nos diariamente

Obrigado!
Redação da Aleteia

Enviar

Aleteia

Marido denuncia: “Vida de Asia Bibi ainda corre grave perigo no presídio”

MĄŻ I CÓRKA, ASIA BIBI
ACN International
Compartilhar

Embora absolvida da acusação de "blasfêmia contra o islã", a mãe cristã de 5 filhos continua presa e proibida de sair do país

Ashiq Masih, marido de Asia Bibi (na foto com a filha caçula do casal), afirmou temer pela vida da esposa mesmo depois que a Suprema Corte do Paquistão anulou a sua sentença de morte. Asia Bibi tinha sido condenada à forca por ter supostamente cometido “blasfêmia contra o islã” em 2009, acusação que jamais foi comprovada nestes quase 10 anos de pesadelo. Mãe de 5 filhos, a mulher cristã está presa desde 2010 – e grande parte desse período em uma cela sombria do corredor da morte paquistanês.

Trata-se, por agora, de uma absolvição sui generis, já que ainda há risco de reviravolta na decisão judicial: sob pressões intensas, o Supremo Tribunal deverá reanalisar o caso e, enquanto isso, Asia Bibi continua presa e probida de deixar o país. Esta foi uma garantia dada pelo governo do Paquistão ao grupo fundamentalista muçulmano Tehreek-e-Labbaik Paquistan (TLP), que tem organizado agressivos protestos em diversas cidades do país, inclusive com bloqueio de estradas, para exigir que a sentença à forca seja cumprida.

Em entrevista concedida neste domingo, 4 de novembro, à rede alemã Deutsche Welle (DW), Ashiq Masih declarou:

“A situação é perigosa para Asia. Sinto que a vida dela não está segura. Não podemos esquecer que dois cristãos em Faisalabad foram assassinados anos depois que um tribunal os libertou. Eles também tinham sido acusados ​​de blasfêmia. Eu apelo por isso ao governo para reforçar a segurança de Asia no presídio.

A minha esposa já sofreu muito. Ela ficou dez anos na prisão. O veredito da Suprema Corte criou um raio de esperança. As minhas filhas estavam morrendo de saudade, mas agora esse pedido de revisão vai prolongar a situação, que já é grave.

A minha família está assustada. Meus familiares e amigos também estão assustados. Esse acordo nunca deveria ter acontecido. Os três juízes emitiram a sentença depois de considerar todos os aspectos do caso, analisar todos os fatores, estudar as contradições e analisar todos os fatos. O governo não devia ter feito esse acordo. O Poder Judiciário é muito corajoso. Mas, agora, os clérigos muçulmanos podem se reunir e tentar influenciar o veredito.

A situação está muito perigosa para nós. Não temos segurança e estamos nos escondendo aqui e ali, mudando de lugar. Acho que os clérigos vão cercar a Suprema Corte no dia da audiência. Eu realmente vou estar com muito medo de ir lá no dia, mas acredito que Deus vem nos protegendo e vai continuar nos protegendo. Coloco toda a minha confiança em Deus”.

O advogado de Asia Bibi, Saiful Maluk, teve que sair do Paquistão neste fim de semana por causa das ameaças de morte que está recebendo. Ele declarou à AFP:

“Preciso continuar vivo para dar andamento à batalha legal por Asia Bibi”.

O caso

Para entender o caso que mobilizou o mundo cristão em defesa de uma inocente, acesse o seguinte artigo: