Aleteia
Quarta-feira 28 Outubro |
São Fulco
Em foco

Lógica, remédio para o relativismo

WYBÓR

Shutterstock

Vanderlei de Lima - publicado em 06/11/18

Na prática, o relativismo levaria ao caos, mas, se bem observado, é absurdo em si mesmo

Nossa época está cheia de teses relativistas. Por relativismo entende-se a recusa de qualquer verdade filosófica ou ética de valor universal a nos dar caminhos seguros.

Essa doutrina nega a distinção entre verdadeiro e falso, no plano da razão, e entre bem e mal no campo ético. Desse modo, uma definição filosófica ou uma ação ética ficariam condicionadas ao tempo e ao espaço nos quais se dão e ao gosto ideológico das pessoas que protagonizam um debate ou uma ação, mas não a uma instância perene objetiva e válida.

No terreno filosófico, o relativismo ensina que não se pode chegar a uma verdade objetiva, portanto, real fora da própria pessoa, dado que o ser humano não conheceria a realidade como ela é, mas apenas como ele, subjetivamente, a concebe, de acordo com o que dela consegue alcançar em seus parâmetros de pensamento.

Ora, o relativismo muda, com isso, o conceito clássico de verdade. Esta é a concordância do intelecto com a realidade: o que se vê – com evidência – sobre a mesa é uma pedra, não um pão. Para o relativista, no entanto, tem-se o contrário. Verdade seria a adequação ou a concordância da coisa (res, rei, no Latim) ao intelecto. A verdade passa a ser subjetiva ou pessoal (cada um tem a sua), não objetiva e universal (válida a todos).

Na prática, o relativismo levaria ao caos, mas, se bem observado, é absurdo em si mesmo. Sim, se a pessoa vê uma pedra, mas diz ser pão, deveria – por coerência – comê-la. Se não a come por reconhecer que é pedra, afirma existir, então, verdade (é uma pedra) e erro (achar que era um pão). Esse reconhecimento destrói a base do relativismo.

No plano ético, também não existiriam normas morais válidas a todos os seres humanos. Os valores morais variariam de acordo com o tempo (a história) e a cultura (o local) na qual a pessoa vive, segundo seus conceitos subjetivos, e não se fundariam normas universais. Apenas os direitos – também subjetivos – de quem convive com o relativista é que seriam, em parte, respeitados.

O único princípio absoluto seria o próprio homem com sua liberdade. Liberdade para tudo, pois não há nenhuma instância objetiva – Deus e sua lei natural moral – acima desse homem. Ora, “se o fundamento da Moral fosse a vontade dos povos, ou ainda as decisões dos seus chefes ou as sentenças dos seus juízes, então tudo o que se aprovasse legalmente se converteria num bem, mesmo que autorizasse a mentir, roubar ou matar. A lei moral deve surgir de alguma coisa impressa na natureza humana, a que chamamos lei natural. É uma lei que obriga todos os homens e que nem sempre coincide com os gostos do momento de cada governante, de cada sociedade, de cada pessoa” (Alfonso Arguiló. É razoável crer? São Paulo: Quadrante, 2006, p. 134).

Todavia, o bom-senso e a Lógica filosófica levam a ver que o relativismo é absurdo. Daí, tentar ele se impor por meio de uma verdadeira ditadura que rotula quem lhe é contrário de fundamentalista (“acuse os outros do que você é!”), bem como formula argumentações para tentar calar seus opositores. Tais argumentos são, no entanto, contraditórios, de modo a não resistirem a uma análise atenta.

Com efeito, escreve Arguiló que “por não ter um ponto de referência claro a respeito da verdade, o relativismo leva à confusão global entre o bem e o mal. Se se analisam com um pouco de detalhe as suas argumentações, é fácil observar, como explica Peter Kreeft, que quase todas costumam refutar-se a si próprias: ‘A verdade não é universal’ (exceto esta verdade que você acaba de afirmar?). ‘Ninguém pode conhecer a verdade’ (a não ser você, segundo parece). ‘A verdade é incerta’ (então também é incerto o que você diz!). ‘Todas as generalizações são falsas’ (esta também?).  ‘Você não pode ser dogmático’ (com essa mesma afirmação, você mostra que é bastante dogmático). ‘Não me imponha a sua verdade’ (o que significa que neste momento você me está impondo as suas verdades). ‘Não existem absolutos’ (absolutamente…?). ‘A verdade é apenas uma opinião’ (a sua opinião, pelo que vejo). E assim por diante” (Idem, p. 118).

Fiquemos atentos e questionemos o relativismo. Ele não resistirá à Lógica.

Apoiar a Aleteia

Se você está lendo este artigo, é exatamente graças a sua generosidade e a de muitas outras pessoas como você, que tornam possível o projeto de evangelização da Aleteia. Aqui estão alguns números:

  • 20 milhões de usuários no mundo leem a Aleteia.org todos os meses.
  • A Aleteia é publicada em 8 idiomas: Português, Francês, Inglês, Árabe, Italiano, Espanhol, Polonês e Esloveno.
  • Todo mês, nossos leitores acessam mais de 50 milhões de páginas na Aleteia.
  • 4 milhões de pessoas seguem a Aleteia nas redes sociais.
  • A cada mês, nós publicamos 2.450 artigos e cerca de 40 vídeos.
  • Todo esse trabalho é realizado por 60 pessoas que trabalham em tempo integral, além de aproximadamente 400 outros colaboradores (articulistas, jornalistas, tradutores, fotógrafos…).

Como você pode imaginar, por trás desses números há um grande esforço. Precisamos do seu apoio para que possamos continuar oferecendo este serviço de evangelização a todos, independentemente de onde eles moram ou do quanto possam pagar.

Apoie Aleteia a partir de apenas $ 1 - leva apenas um minuto. Obrigado!

Tags:
DoutrinaFilosofiaIdeologia
Oração do dia
Festividade do dia





Top 10
TRIGEMELAS
Esteban Pittaro
A imagem de Nossa Senhora que acompanhou uma ...
Philip Kosloski
3 poderosos sacramentais para ter na sua casa
Aleteia Brasil
Quer dormir tranquilo? Reze esta oração da no...
Aleteia Brasil
O milagre que levou a casa da Virgem Maria de...
No colo de Maria
Como rezar o terço? Um guia ilustrado
Pe. Zezinho
Francisco Vêneto
Duas emissoras brasileiras deturpam fatos em ...
Reportagem local
Corpo incorrupto de Santa Bernadette: o que o...
Ver mais
Boletim
Receba Aleteia todo dia