Aleteia
Quinta-feira 22 Outubro |
São Moderano
Atualidade

Sanções americanas são sentidas 'na pele' por iranianos

BETLEJEM

Shutterstock

Agências de Notícias - publicado em 06/11/18

"Quem vai ao mercado para comprar produtos de primeira necessidade se dá conta imediatamente"

Os efeitos da segunda onda de sanções que os Estados Unidos começaram a aplicar nesta segunda-feira nos setores petroleiro e financeiro do Irã já são sentidos por muitos iranianos “na própria pele”.

“Não preciso ler as notícias para saber que as sanções entraram em vigor. Sinto na própria pele”, afirmou Farzad, de 65 anos, a caminho do bazar Tajrich, no norte de Teerã, onde faz suas compras semanais.

“Quem vai ao mercado para comprar produtos de primeira necessidade se dá conta imediatamente”, disse o aposentado à AFP.

Muitos iranianos ficam inquietos com as novas medidas de represália, após meses de marasmo econômico devido a problemas conjunturais internos e depois que o presidente americano Donald Trump restabeleceu uma primeira onde de sanções em agosto.

O acordo assinado em 2015 entre o Irã e as grandes potências levou a um levantamento de parte das sanções, em troca do compromisso de Teerã de não desenvolver armas nucleares.

“Sempre houve sanções, já faz quase 40 anos”, lamentou Sogand, professora universitária aposentada.

“Os Estados Unidos têm o poder e tiranizam todo o mundo. Não apenas nós, tiranizam inclusive os europeus”, opinou.

França, Alemanha e Reino Unido, signatários do acordo, se disseram “decididos a garantir a aplicação” do texto “mantendo os benefícios econômicos” para o povo iraniano.

Mas desde o restabelecimento das primeiras sanções americanas e com tendo em vista esta segunda fase, cada vez mais empresas europeias anunciaram o fim de suas atividades no país.

– ‘Não estão à altura’ –

“Já faz 40 anos que o governo tenta e fracassa. Simplesmente não estão à altura”, criticou o aposentado Farzad.

Segundo ele, “deveriam renunciar e deixar pessoas capazes fazer o trabalho”.

Em todo o Irã, sente-se um clima entre arrependimento, ansiedade e cansaço.

Mehdi Mirzaee precisou fechar sua loja têxtil devido ao aumento dos preços da lã.

“Os Estados Unidos não param de nos lançar golpes, mas jamais seremos seus servos”, garantiu.

Alguns iranianos lamentam ter acreditado que o isolamento no qual o país se encontrava acabaria com o acordo nuclear de 2015.

“Quando foi assinado, ficamos muito felizes. Pensamos que tudo mudaria para melhor”, admitiu Fereshteh Safarnezhad, professora de 43 anos.

“Infelizmente, tanto os americanos, quanto o governo do Irã nos desonraram. Os americanos nunca se comprometeram realmente com o acordo e [nosso] governo não investiu em seu povo o dinheiro arrecadado graças ao acordo”, disse.

Decepcionados, outros iranianos já não creem em uma solução rápida para suas desgraças econômicas.

“O problema é que a economia do Irã estava doente de todas as formas. Mesmo se as sanções fossem levantadas imediatamente, seriam necessários anos para curá-la”, acrescentou Safarnezhad.

A economia iraniana já sofria com diversos males antes da ofensiva de Donald Trump, e o anúncio da volta do embargo ao petróleo lançou o país em uma recessão. O Fundo Monetário Internacional espera uma queda de 3,6% da economia em 2019.

(AFP)

Apoiar a Aleteia

Se você está lendo este artigo, é exatamente graças a sua generosidade e a de muitas outras pessoas como você, que tornam possível o projeto de evangelização da Aleteia. Aqui estão alguns números:

  • 20 milhões de usuários no mundo leem a Aleteia.org todos os meses.
  • A Aleteia é publicada em 8 idiomas: Português, Francês, Inglês, Árabe, Italiano, Espanhol, Polonês e Esloveno.
  • Todo mês, nossos leitores acessam mais de 50 milhões de páginas na Aleteia.
  • 4 milhões de pessoas seguem a Aleteia nas redes sociais.
  • A cada mês, nós publicamos 2.450 artigos e cerca de 40 vídeos.
  • Todo esse trabalho é realizado por 60 pessoas que trabalham em tempo integral, além de aproximadamente 400 outros colaboradores (articulistas, jornalistas, tradutores, fotógrafos…).

Como você pode imaginar, por trás desses números há um grande esforço. Precisamos do seu apoio para que possamos continuar oferecendo este serviço de evangelização a todos, independentemente de onde eles moram ou do quanto possam pagar.

Apoie Aleteia a partir de apenas $ 1 - leva apenas um minuto. Obrigado!

Tags:
Mundo
Oração do dia
Festividade do dia





Top 10
Aleteia Brasil
Quer dormir tranquilo? Reze esta oração da no...
CARLO ACUTIS
John Burger
Como foram os últimos dias de vida de Carlo A...
TRIGEMELAS
Esteban Pittaro
A imagem de Nossa Senhora que acompanhou uma ...
nuvens sinais
Reportagem local
Estão sendo fotografados "sinais do céu"?
Papa Francisco São José Menino Jesus
ACI Digital
Papa Francisco reza esta oração a São José há...
violência contra padres no Brasil
Francisco Vêneto
Outubro de cruz para padres no Brasil: um per...
Aleteia Brasil
O milagre que levou a casa da Virgem Maria de...
Ver mais
Boletim
Receba Aleteia todo dia