Aleteia
Quinta-feira 22 Outubro |
São Moderano
Religião

A grandeza e a beleza do matrimônio

MIESIĄC MIODOWY

Tatiana Gonzales/Unsplash | CC0

Padre Bruno Roberto Rossi - publicado em 10/11/18

“Deus, que é amor e criou o homem por amor, chamou-o a amar"

Trato, agora, das três grandes propriedades do matrimônio: a monogamia, a indissolubilidade e a mútua complementação psicofísica.

Monogamia: é a base do matrimônio. Escreve o Papa São João Paulo II, em sua Exortação Apostólica Familiaris consortio (FC) n. 19: “A primeira comunhão é a que se instaura e desenvolve entre os cônjuges: em virtude do pacto de amor conjugal, o homem e a mulher ‘já não são dois, mas uma só carne’ (Mt 19,6) e são chamados a crescer continuamente nesta comunhão através da fidelidade cotidiana à promessa matrimonial do recíproco dom total”. No casamento sacramental, o homem e a mulher “se doam com um amor total e por isso mesmo único e exclusivo”. A poligamia contradiz esse projeto divino.

Indissolubilidade: “Em virtude da sacramentalidade do seu matrimônio, os esposos estão vinculados um ao outro da maneira mais profundamente indissolúvel. A sua pertença recíproca é a representação real, através do sinal sacramental, da mesma relação de Cristo com a Igreja” (FC, n. 13). Um matrimônio sob condição (“enquanto você for bonita(o) a (o) amarei”) não existe. O casamento requer, sempre, fidelidade incondicional (na saúde e na doença, na alegria e na tristeza, na bonança e nos maus tempos etc.).

Existe o divórcio civil, enquanto lei humana, mas ele é inválido no plano da moral católica, alicerçada na Lei natural moral, presente na consciência de cada ser humano de todos os tempos e lugares como a marca de Deus em nós, e na Lei divina (cf. Mc 10,11-12; Lc 16,18; 1Cor 7,10-11; Mt 5,31-32; 19,6). Diz São João Crisóstomo: “Não apeles para as leis promulgadas pelos que estão fora… Naquele dia, Deus não te julgará por essas leis, mas por aquelas que Ele mesmo promulgou” (Comentário sobre 1Cor 7,39s).

Mútua complementação psicofísica: ensina a Gaudium et Spes, do Concílio Vaticano II, em seu n. 50, que “O matrimônio e o amor conjugal por sua própria índole, se ordenam à procriação e educação dos filhos. Aliás, os filhos são o dom mais excelente do matrimônio e constituem um benefício máximo para os próprios pais […]. O matrimônio, porém, não foi instituído apenas para a finalidade da procriação… Embora os filhos, muitas vezes tão desejados, faltem, continua o matrimônio como íntima comunhão de toda a vida, conservando o seu valor e a sua indissolubilidade” (cf. FC n. 18 e 56).

O Papa Pio XI, na Encíclica Casti Connubii, de 31 de dezembro de 1930, n. 24, também já ensinava que “o mútuo aperfeiçoamento interior dos cônjuges, o persistente esforço de conduzir-se mutuamente à realização pode ser considerado, de acordo com o Catecismo Romano, com toda razão e verdade, como razão fundamental e sentido próprio do matrimônio. Mas então o matrimônio há de ser encarado, em sentido estrito, não como instituição destinada a procriar e educar a prole, mas, em sentido mais largo, como comunidade plena de vida”.

O que atrás propus pode ser sintetizado pelo Compêndio do Catecismo da Igreja Católica n. 337-338, de modo muito belo, nos seguintes ensinamentos: “Deus, que é amor e criou o homem por amor, chamou-o a amar. Criando o homem e a mulher, chamou-os, no Matrimônio, a uma íntima comunhão de vida e de amor entre eles, ‘de modo que já não são dois, mas uma só carne’ (Mt 19,6). Abençoando-os, Deus disse-lhes: ‘sede fecundos e multiplicai-vos’ (Gn 1,28)”. “A união matrimonial do homem e da mulher, fundada e dotada de leis próprias pelo Criador, está por sua natureza ordenada à comunhão e ao bem dos cônjuges e à geração e bem dos filhos. Segundo o desígnio originário de Deus, a união matrimonial é indissolúvel, como afirma Jesus Cristo: ‘O que Deus uniu não o separe o homem’ (Mc 10,9)”. Continuarei.

Aprofundamento: Catecismo da Igreja Católica n. 1661-1666.

Apoiar a Aleteia

Se você está lendo este artigo, é exatamente graças a sua generosidade e a de muitas outras pessoas como você, que tornam possível o projeto de evangelização da Aleteia. Aqui estão alguns números:

  • 20 milhões de usuários no mundo leem a Aleteia.org todos os meses.
  • A Aleteia é publicada em 8 idiomas: Português, Francês, Inglês, Árabe, Italiano, Espanhol, Polonês e Esloveno.
  • Todo mês, nossos leitores acessam mais de 50 milhões de páginas na Aleteia.
  • 4 milhões de pessoas seguem a Aleteia nas redes sociais.
  • A cada mês, nós publicamos 2.450 artigos e cerca de 40 vídeos.
  • Todo esse trabalho é realizado por 60 pessoas que trabalham em tempo integral, além de aproximadamente 400 outros colaboradores (articulistas, jornalistas, tradutores, fotógrafos…).

Como você pode imaginar, por trás desses números há um grande esforço. Precisamos do seu apoio para que possamos continuar oferecendo este serviço de evangelização a todos, independentemente de onde eles moram ou do quanto possam pagar.

Apoie Aleteia a partir de apenas $ 1 - leva apenas um minuto. Obrigado!

Tags:
CasamentoSacramentos
Oração do dia
Festividade do dia





Top 10
Aleteia Brasil
Quer dormir tranquilo? Reze esta oração da no...
CARLO ACUTIS
John Burger
Como foram os últimos dias de vida de Carlo A...
TRIGEMELAS
Esteban Pittaro
A imagem de Nossa Senhora que acompanhou uma ...
nuvens sinais
Reportagem local
Estão sendo fotografados "sinais do céu"?
Aleteia Brasil
O milagre que levou a casa da Virgem Maria de...
st charbel
Reportagem local
Por acaso não está acontecendo o que São Char...
Philip Kosloski
3 poderosos sacramentais para ter na sua casa
Ver mais
Boletim
Receba Aleteia todo dia